Tempo de leitura: < 1 minuto

A formação do comitê em favor da Emasa como empresa pública foi o primeiro ato do processo eleitoral que se avizinha. No plenário da Câmara de Vereadores de Itabuna, havia nada menos que seis siglas, uma verdadeira frente partidária.
Luís Sena, que sempre combateu a privatização, encontrou a bandeira ideal para reavivar uma pré-candidatura que andava cambaleante e, pelo que se diz, minada pelo próprio PCdoB.
Entre os cururus, há três postulantes ao Centro Administrativo Firmino Alves. Wenceslau Júnior, um deles, também aproveitou para surfar nas águas da Emasa. Na reunião de ontem, o esperto vereador colou no ex-deputado Renato Costa (PMDB), com quem travou diálogos sussurrados ao pé do ouvido, que alguns (como Jairo Araújo, presidente do Sindicato dos Comerciários) esforçavam-se na tentativa de captar.

0 resposta

  1. Se a EMASA fosse mesmo privatizada, quem pagaria a conta de agua de:
    1) Hospital de base
    2) Santa Casa ( os dois hospitais)
    3) presídio e etc menores.
    Tenho percebido que o negocio é mesmo fazer onda com a agua da EMASA. Oportunistas de plantão que se interessam somente em aparecer nos factoides, inclusive, dando mais gás ao ja combalido prefeito que vai posar de “porreta” por não fazer o que não pode.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.