Levada do Mastro de São Sebastião é das tradições de Canavieiras, no sul da Bahia || Foto Walmir Rosário
Tempo de leitura: 4 minutos

E assim, a fogosa política canavieirense interferiu – de vez – nos costumes religiosos e profanos da comunidade por muitos anos. Com isso, também fez aumentar a devoção a São Sebastião em todo o município.

 

Walmir Rosário 

São Sebastião é um dos Santos mais festejados de Canavieiras. O santo militar fez um monte de milagres, caiu no gosto do povo e é comemorado no centro da cidade, na ilha da Atalaia (com um mastro para os adultos e outro para as crianças), e no povoado do Estreito. E olha que a devoção se arrasta por mais de 150 anos e, ao que tudo indica, permanecerá para sempre, se Deus quiser! E tudo indica que quer.

Antes a comemoração era apenas restrita à cidade, tanto é assim que foi erigida uma capela com o seu nome, nos Três Xis, atualmente bairro São Sebastião. Mas a festa é realizada na praça da Capelinha (Igreja consagrada à Sagrada Família), local em que é levantado e fixado o mastro, após ser transportado desde o Porto Grande nos ombros de homens fortes (carregadores) pelas ruas da cidade. Mas já houve mudança temporária.

Nesse trajeto, o religioso e o profano se misturam: Diz a crendice que colocar algumas folhas do tronco escolhido na carteira é fartura financeira o ano todo. Também basta pegar no tronco e fazer um pedido que será atendido pelo santo. Mas o que a galera quer mesmo durante o trajeto é festejar. A começar pelos “carregadores”, que param para um breve descanso, enquanto retomam as energias com bons goles de cachaça e cerveja.

Chegando à praça da Capelinha, após algumas rodadas, o mastro é finalmente erguido e os músicos em cima de um trio elétrico alegram os devotos e até ao raiar do dia. Bares e barracas ao redor da praça se encarregam de fornecer bebida e comida, do jeito que o povo gosta. No povoado do Estreito, a festa – realizada em data distinta – é bem mais modesta, se bem que pra lá de animada.

E toda essa devoção teria iniciado com as dificuldades em uma família que não conseguia emprego nas roças e uma filha do casal foi acometida de uma doença tida como incurável.  Ao pedir o milagre a São Sebastião a família foi atendida e a mocinha se restabeleceu da enfermidade. Daí, chegou a hora de pagar a promessa ao Santo, feita com a ajuda da população, cuja devoção aumentou de forma surpreendente.

Até então, a devoção não havia chegado à ilha da Atalaia, cujo padroeiro é Santo Antônio. Mas eis que num determinado ano, os políticos resolveram fazer valer a lei do mais forte. De um lado, o prefeito Osmário Batista, da União Democrática Nacional (UDN), e do outro o vereador e titular do Cartório de Feitos Cíveis, Altamirando de Carvalho Filho, do Partido Social Democrático (PSD) e coordenador dos festejos.

Como rezava a tradição, o cortejo com o Pau de Bastião saia do porto grande, atravessava a rua 13 e era hasteado na praça da Capelinha, como de costume por anos a fio. Esse ano, entretanto, o prefeito Osmário Batista estava construindo a Igreja de São Sebastião, no bairro 3 Xis, e queria homenagear o Santo, levando o Pau de Bastião para ser hasteado em frente a igreja, que seria a morada do Santo.

Só que o coordenador dos festejos, Altamirando de Carvalho, ferrenho adversário político do prefeito, não queria sair um milímetro da tradição da festa, e programou tudo exatamente como os fundadores do evento. Mas Altamirando não contava que o desejo do prefeito teria que ser satisfeito – custe o que custar –, e para isso teria determinado ao tenente chefe do destacamento policial que tomasse as providências necessárias e cabíveis, e na marra.

Assim que o cortejo toma a rua 13 o pessoal a serviço do prefeito Osmário Batista ordena a mudança, não aceita pelo vereador e coordenador e seus seguidores, e tudo mudou conforme o combinado. Com maior poder de fogo, o tenente ordena o fim do cortejo e a tomada do mastro, enquanto um outro Pau de Bastião surge com o pessoal da UDN e segue para a Igreja de São Sebastião, ainda em construção nos 3 Xis.

No registro fotográfico, dois mastros de São Sebastião na Atalaia

O outro Pau de Bastião – já tomado pela segurança do prefeito – toma caminho inverso: isto é, em direção do rio Pardo, onde é jogado na correnteza, para o desespero de Altamirando e seu pessoal. Não satisfeito, Altamirando redige um documento reclamando da atitude beligerante do prefeito Osmário Batista e remete cópia no primeiro voo à capital, para ser publicado na íntegra pelo jornal A Tarde, que estampou-o na 1ª página.

Pela manhã, os moradores da ilha Atalaia tomam por surpresa o Mastro de São Sebastião – ainda enfeitado – no portinho junto com as canoas e barcos. É que àquela época ainda não existia a ponte e nem exista comunicação via telefone ou rádio entre as ilhas de Canavieiras e da Atalaia. Bastante católicos, acreditaram ter sido um castigo divino por eles não participarem dos festejos ao Santo.

Com temor ao castigo divino, no ano seguinte os moradores da Atalaia passaram a festejar São Sebastião – sem perder a devoção que tinham a Santo Antônio –, com todos os louvores devidos. E fizeram ainda mais: em vez de hastearem um só mastro, passaram a cortar dois mastros – um carregado pelos adultos e outro pelas crianças, tradição que mantêm até os dias de hoje.

E assim, a fogosa política canavieirense interferiu – de vez – nos costumes religiosos e profanos da comunidade por muitos anos. Com isso, também fez aumentar a devoção a São Sebastião em todo o município. Após a saída de Osmário Batista da Prefeitura, o grupo político de Edmundo Lopes de Castro e Altamirando Carvalho Filho fez retornar o cortejo do Pau de Bastião para a praça da Capelinha, mantido até os dias de hoje.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.