Adriano foi morto a tiros depois de aceitar uma corrida e Itabuna
Tempo de leitura: < 1 minuto

As investigações sobre o assassinato de Adriano de Jesus Alcântara, de 48 anos, indicam que ele foi vítima de bandidos especializados em assaltos contra motoristas de aplicativo, segundo o delegado Marlos Macedo, da Polícia Civil da Bahia. Adriano estava desaparecido desde sábado (25), quando aceitou corrida por meio de aplicativo de transporte. Seu corpo foi encontrado na zona rural de Itajuípe, neste domingo (26).

“É uma quadrilha especializada em roubo de carro, especificadamente de proprietários de veículos de aplicativo, pessoas honradas, trabalhadoras, que estão exercendo seu papel para a manutenção das suas famílias”, explica o delegado. Para ele, não há dúvidas de que Adriano, que não tinha envolvimento com o mundo do crime, foi vítima de latrocínio.

Ainda de acordo com o delegado, em trabalho conjunto, policiais civis e militares conseguiram identificar todos os membros da quadrilha, mas os nomes deles ainda não podem ser divulgados. “A gente conseguiu alavancar algumas provas. Fizemos buscas na residência de um dos envolvidos”, acrescentou.

As informações obtidas pelos investigadores apontam que os três criminosos que participaram do latrocínio estão escondidos num matagal. A Polícia Civil trabalha para levantar indícios de autoria para pedir à Justiça a prisão preventiva deles.

O delegado Marlos Macedo assegurou que a Polícia Civil dará resposta à família de Adriano e à sociedade. “Em breve espaço de tempo, a gente vai poder mostrar quem são esses meliantes”, concluiu. Com informações da TV Santa Cruz.

Uma resposta

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.