Rui Costa: Estado vai à Justiça para responsabilizar Chesf por enchentes
Tempo de leitura: 2 minutos

O governador Rui Costa (PT) afirmou que a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) falhou na operação da Barragem de Pedra, em Jequié. Segundo ele, ao invés de aumentar a vazão da barragem de forma gradativa, a Companhia retardou essa medida e “liberou uma avalanche de água em apenas 24 horas”.

– Nitidamente, não foi respeitada a elevação gradual para a soltura das águas e houve, infelizmente, um retardamento na abertura das comportas. Quando teve que abrir para não ter um comprometimento da estrutura física da barragem, se abriu de vez e chegou a 2.400 metros cúbicos [por segundos] – alegou Rui, nesta quinta-feira (29), em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador.

Até o momento, ainda conforme o governador, os técnicos do Estado não encontraram registro de que a vazão da barragem tenha atingido aquele volume desde o início de sua operação, em 1969. “Na minha opinião, está mais do que claro que houve um grosseiro erro técnico de operação”, disparou Rui Costa.

Área comercial de Jequié após enchente || Foto PMJ

Ele antecipou que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) deve mover ação judicial contra a Chesf, nesta sexta-feira (30), para responsabilizar a empresa pelos danos causados pelas enchentes que atingiram municípios no curso do Rio de Contas, à jusante da Barragem de Pedra, a exemplo de Jequié, Ipiaú, Barra do Rocha, Ubaitaba, Ubatã e Itacaré.

Os municípios afetados também pretendem processar a Chesf, segundo declaração do prefeito de Itacaré, Tonho de Anízio (PT), ao PIMENTA. Ouvida pelo site sobre a decisão dos gestores municipais, a empresa afirmou que a operação e a manutenção do reservatório mantêm todos os padrões de segurança e obedecem às normas preestabelecidas. Também alegou que a existência da Barragem de Pedra minimizou os impactos das enchentes (relembre).

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.