Tempo de leitura: 6 minutos

 

E o Metaverso está chegando, Prepare-se para ele. Pode parecer até assustador, mas ele não será só um jogo ou um lugar, ele poderá ser a sua próxima vida. Ou não. Esperamos que seja opcional

 

Afonso Dantas

“O Metaverso vem aí”, “Empresa X acaba de entrar no Metaverso”, “O Metaverso tem futuro?”.

Já faz algum tempo que as notícias sobre o Metaverso pululam na mídia, principalmente na internet e, de modo um pouco confuso, nas redes sociais. Afinal, o que é Metaverso e qual seu impacto em nossas vidas?

Vamos lá!

Pra início de conversa, o Metaverso é ainda uma incógnita, um novo mundo, ainda em formação, do qual muitos falam, mas poucos ainda têm a real noção do que ele possa ser de fato.

Alguns o imaginam como um jogo, um local onde você vai passar um tempo, usando alguns equipamentos como um visor e fones, e logo voltará para vida real. Outros o imaginam como no filme Matrix, onde, ao você escolher a pílula vermelha ou a pílula azul, você escolherá entre esse mundo real e o mundo virtual.

Mas, afinal, quem tem razão?

A resposta pode ser surpreendente, pois todos podem ter razão e vou tentar explicar o porquê, pois eu admito que ainda tenho muitos questionamentos sobre esse novo mundo e com certeza esses questionamentos aumentarão com o tempo.

Pensemos na vida como ela é, hoje. Você acorda, olha pro espelho, vê quem você é, ou seja, um humano, e vai fazer suas coisas. Vai trabalhar, namorar, estudar, praticar esportes, fazer compras, passear, ler um livro ou ficar horas na frente de um computador ou teclando um celular. Você faz isso em um mundo real, mesmo na hora do computador e/ou celular.

No Metaverso, segundo alguns, a coisa já começa a mudar na forma em que você se vê – e que outros que estarão lá, o verão também. Você pode ser homem e lá ser uma mulher, ou um camelo, um coelho, um lagarto, um peixe, um dinossauro louro. Lá você pode ser o que você quiser. Pode ser, por exemplo, um elefante verde, que voa.

Mas não para por aí. Você vai fazer as coisas como você faz aqui, lá no Metaverso. Vai trabalhar – lá. Vai estudar, passear, namorar e fazer outras atividades, lá também.

Mas como? Vou colocar o visor e vou fazer essas coisas lá ao invés de fazê-las aqui? Mas a experiência será a mesma? As sensações serão as mesmas?

Aí é que a coisa começa a mudar de figura.

Com as novas tecnologias, o 5G, por exemplo, que é a internet das coisas, podemos imaginar que teremos a internet “das pessoas”. E já se fala no 6G.

E como será isso?

A primeira coisa que mudará será o fim da necessidade de se usar equipamentos para acessar o Metaverso. Nada de celular, nada de visor, nada de coisas que lembrem que você precisa “ter” alguma para acessar o Metaverso. Você terá equipamentos, mas serão implantes de chips ou nanotecnologia dentro do corpo (olhos, cérebro, músculo, pele etc.) que farão você “ser” um equipamento para acessar o Metaverso.

E aí, a evolução dos gráficos, que farão o ambiente do Metaverso parar de parecer um videogame para se parecer com a vida real com todas as suas experiências que virão do virtual para parecerem reais com seus cinco sentidos, visão, audição, olfato, tato e paladar.

Aí, se criará realmente um novo mundo.

Temos uma superfície terrestre com uma dimensão muito grande, mas pense que esse espaço poderá ser multiplicado no Metaverso, e teremos mais espaço para andar, viajar, construir e até morar. Já pensou em morar em Marte, Urano, no Sol ou no fundo do mar?

E já começaremos a ter existências plenas nesse novo mundo, e nossa consciência estará nesse espaço, tendo ou não a capacidade de distinguir se está na vida real ou no Metaverso que também acabará sendo uma vida real.

E aí já começam outras questões, muitas bastante polêmicas e delicadas.

Se a consciência poderá ser “transportada” de um ambiente real para um ambiente virtual, e a consciência de quem está morrendo?

Já se fala nisso, que, ao invés de morrer, faremos um upload de sua consciência para o Metaverso, e você, mesmo morrendo na vida real, viverá nesse novo mundo. (Já tem uma série na Netflix, UPLOAD, que é sobre isso, e existe outro, mais de aventura, juvenil, que é o “Jogador número 1”, que mostra uma alternância entre o mundo real e virtual. E ainda tem o badalado filme “AVATAR”, dentre muitos outros exemplos de filmes que exploram essas possibilidades futurísticas.).

Aí já teremos questões filosóficas, religiosas e até jurídicas, pois se a consciência está ativa e no Metaverso é preciso ter renda, a herança do corpo ficará com os herdeiros ou o “novo ser” o levará com ele? E se ele se casar nesse universo paralelo, valerá para a vida real?

E se a consciência se rebelar contra “o dono” e resolver eliminá-lo na vida real? Se ela “criar vida” independente por algum erro no sistema como um “bug” ou um vírus ou até interferência de hackers? E se a pessoa tiver algum tipo de esquizofrenia e esse ambiente for perfeito para abrigar essas novas personalidades? E se minha vida for melhor na vida virtual do que na real e eu resolver ficar “de vez”?

E pensando nas questões religiosas, a alma é uma coisa e a consciência é outra? A imortalidade será alcançada com a tecnologia? O corpo acabará e a consciência continuará?

A tecnologia – pensando no futuro, nas possibilidades que poderão existir – proporcionará que o corpo do mundo real receba alimentação, líquidos e que faça suas necessidades, sem que tenha que sair do Metaverso. Para isso existirão cabos, tubos, aparelhos etc. (Lembram de Matrix, do corpo com vários tubos conectados?). Será que isso é possível? Não sei. Mas será que isso é impossível? Tem muita coisa que era impossível até a tecnologia mostrar que não era.

Um vento (ou um carinho) que o avatar virtual receber no Metaverso será sentido pelo corpo real, físico. (Pra quem não sabe, avatar no caso do Metaverso é o seu “eu” virtual, quem você será no Metaverso).

Um tetraplégico na vida real poderá ser um triatleta no Metaverso, porque não?

E a economia? Os países ou reinos ou o que for existir no Metaverso? As configurações atuais, como União Europeia, ONU, OPEP, OTAN e outras organizações existirão dessa maneira? Quem os controlará? E as empresas como a META (antigo Facebook), Twitter e Google, terão poder de países? Poderão criar leis próprias? O “cancelamento” que existe hoje nas redes sociais, poderá ser feito no Metaverso, simplesmente deletando a pessoa virtual?

E vamos continuar? Se existe crime no mundo real, é claro que existirá no Metaverso também. E as guerras? As intolerâncias? Serão levadas junto?

Pedofilia, racismo, estelionato, tráfico de drogas virtuais (Sim, essas drogas poderão existir), sequestro de avatares, assassinato, chantagem e todo tipo de coisa ilegal que possa existir e as que ainda poderão ser criadas.

E se for criado um “deep Metaverso”, assim como já existe uma “deep web”, onde todo tipo de gente frequenta, às vezes com as piores das intenções?

Lembro aqui que no Metaverso há economia e que os recursos adquiridos em um universo, poderão ser usado para gastos no outro.

E com tudo isso, uma das perguntas que pode ser feita é: – E por que eu iria para esse tal Metaverso?

As motivações são diversas, desde fazer negócios (Isso já está acontecendo e em grande velocidade, se sua empresa ainda não está lá, pense que a concorrente poderá estar), buscar diversão (imagine ir ao Rock in Rio e assistir ao show como se estivesse na plateia, ou mesmo como se estivesse na banda?) e até nas possibilidades de ser lá o único ambiente onde você possa se sentir à vontade ou que possa realizar coisas que não conseguiria no mundo real. Quer ver um exemplo?

Adolescentes e adultos que já vivem isolados em casa (Seriam os novos náufragos?) e que se sentem à vontade nos ambientes virtuais, seja por causa da timidez, ou por não se enquadrarem no “mundo real” ou por se sentirem inseguros por causa das suas aparências em um mundo que faz pressão para que se siga os padrões estéticos. No Metaverso, como já escrevi, ele ou ela pode ser o que quiser, literalmente.

Pense nas já programadas viagens espaciais que levarão anos, onde os tripulantes fiquem em hibernação, que tal viverem esse tempo em universos virtuais onde estarão (conscientemente ou não) vivendo suas vidas normalmente.

Outro motivo que pode te levar ao Metaverso será o financeiro, onde uma empresa poderá ter preços e serviços diferenciados no Metaverso, como já ocorre hoje nas lojas virtuais que têm preços mais em conta dos que nas lojas físicas, mesmo sendo da mesma empresa. (E já pensou nas experiência que seriam possíveis, como um test-drive de um carro, uma moto ou de uma lancha com sensações reais?)

Então são vários motivos para estar no Metaverso, desde conhecer um novo mundo e suas possibilidades até de mudar a forma de se viver a vida, com várias possibilidades que acontecerão ou não, de acordo com o avanço da tecnologia. Mas que o futuro chegará e o novo sempre virá junto, disso não tenho dúvida. E o Metaverso está chegando, Prepare-se para ele. Pode parecer até assustador, mas ele não será só um jogo ou um lugar, ele poderá ser a sua próxima vida. Ou não. Esperamos que seja opcional.

Afonso Dantas é publicitário, administrador de empresas, especialista em marketing e em gestão cultural, sócio e diretor de criação da Camará Comunicação Total e sócio criativo da Lá ele! Camisas e coisas.