Tempo de leitura: < 1 minuto

Policiais da 12ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) de Itaberaba prenderam uma mulher acusada de matar o filho de cinco anos. De acordo com o delegado Geraldo Adolfo, a mãe confessou ter envenenado Romério Sampaio Vaz porque ele era autista, mexia nas panelas e desarrumava a casa. Ela e mais duas mulheres foram presas em flagrante, na quinta-feira (5).

Geraldo Adolfo afirmou que quando a equipe de policiais chegou à residência da mãe, ela disse que o filho estava viajando, mas depois acabou confessando que a criança havia sido morta por ela com chumbinho. “Depois enterrada na zona rural do município de Ibiquera, cinco quilômetros de distância da cidade”, disse o coordenador da 12ª Coorpin.

O corpo da criança foi encontrada numa cova rasa, em local de difícil acesso no município de Ibiquera. “Em depoimento, a mãe alegou que havia colocado chumbinho na água e na comida da criança, no sábado (30), e que no dia seguinte, por volta das 7h, teria encontrado o filho morto, e assim resolveu levá-lo para enterrar. A mãe alegou que resolveu matar o filho porque ele era autista, mexia nas panelas e desarrumava a casa”, disse o delegado.

As três mulheres, de 31, 39 e 59 anos, foram autuadas em flagrante, na Delegacia Territorial de Itaberaba, pelo crime de destruição, subtração ou ocultação de cadáver, e a mãe também responderá por homicídio. O avô da criança, que também ajudou a enterrar o corpo, segue sendo procurado.As mulheres estão presas, à disposição da Justiça.