Para Isaac, Augusto é o pior prefeito da história de Itabuna
Tempo de leitura: 6 minutos

O médico, enfermeiro, ex-policial militar e ex-secretário municipal de Saúde Isaac Nery é uma liderança em ascensão na política de Itabuna. Nas eleições de 2020, candidatou-se a prefeito pelo Avante e obteve 7.498 votos (7,25%). No pleito seguinte, tentando uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo Republicanos, foi o escolhido de 11.460 eleitores itabunenses (10,65%).

Filiado ao PDT desde março, o pré-candidato a prefeito falou ao PIMENTA sobre o desempenho de sua pré-campanha, defendeu o ensino em tempo integral como forma de alavancar a educação no município e fez duras críticas ao prefeito Augusto Castro (PSD), em quem tenta colar a pecha de “pior” gestor da história da cidade.

Apesar de reconhecer que, neste momento, nenhum prefeiturável assumiria a disposição de se candidatar a vice-prefeito, Isaac diz acreditar que a oposição vai se unir para derrotar o atual gestor municipal. Leia a entrevista.

PIMENTA – Qual é o balanço de sua pré-campanha até aqui?

ISAAC NERY – Nossa pré-campanha tem sido através de propostas. Não tem apoio financeiro como o prefeito, que tem a máquina, e o deputado Pancadinha, que tem acesso aos recursos dele. Temos feito uma pré-campanha impulsionando as nossas redes sociais, conversando com a população, falando das nossas propostas. Isso tem tido um desempenho muito bom, surpreendente, graças a Deus. Estamos finalizando o mês de junho surpreendendo. As pesquisas divulgadas até agora são fakes. Não mostram o crescimento real de Dr. Isaac Nery. No meio da população, você vê como está o nome de Isaac Nery e como nossas propostas são aceitas. A população nos vê e enxerga um pré-candidato que fala a verdade, que faz promessas, mas executáveis.

Quais propostas têm sido bem recebidas?

Cuidar de gente. Sempre digo que cuida de gente quem gosta de gente, quem ama gente. Itabuna está destruída. Não consegue atrair empresas. O prefeito não gera emprego, não atrai empresas. Ao contrário, a Tel fechou. Estivemos lá. Segundo a gerente, Itabuna perdeu dois mil postos de trabalho com a saída da Tel. A gente tem falado de educação, porque as escolas de Itabuna estão fechadas, e colocaram os alunos em outras escolas, todas cheias, com salas lotadas. Um calor absurdo. São fatores que desestimulam a criança.

_______

Quero ver a criança acordar sábado de manhã já sonhando em ir segunda-feira para a escola.

_______

Como melhorar a educação?

Nossa proposta é educação em tempo integral, a partir do ano que vem, com fé em Deus. Não só reformar, Itabuna precisa construir algumas escolas-modelo. Vamos ter recursos para isso através do Fundeb, uma parte chega este ano e outra, no ano que vem. Utilizaremos esses recursos para construir escolas-modelo, implementar uma escola de qualidade, para que a criança fique apaixonada e deseje ir à escola todos os dias. Quero ver a criança acordar sábado de manhã já sonhando em ir segunda-feira para a escola.

Como avalia a gestão da saúde?

Está acabada. A Secretaria Municipal de Saúde e o Hospital de Base devem a fornecedores. No Hospital de Base, a ressonância ficou meses parada. Só agora botou para consertar. O arco cirúrgico, meses parado, só agora mandou consertar. Todos os dias, faltam dezenas de itens básicos, antibióticos, drogas vasoativas, material para fazer diálise em paciente, esparadrapo, lençol. A população está comprando bolsa de colostomia, inclusive os pobres, que não têm condições de comprar, R$ 23 uma bolsa, o Creadh [Centro de Referência de Reabilitação e Desenvolvimento Humano] não fornece. A desculpa é licitação. Mentira! É que deve ao fornecedor e não paga.

A que você atribui esses problemas e como superá-los?

Má gestão. Tirou um cara técnico [da Fasi] para colocar o presidente de um partido, o Republicanos, por conta de jogo político. Daqui a pouco, esse indivíduo, que não tem competência nenhuma para gerir, mostrou que não tinha, é exonerado do cargo. Agora, coloca o ex-prefeito de Itajuípe [Marcone Amaral no comando da Fasi]. Não há preocupação em colocar um gestor que tenha conhecimento técnico. O Hospital deve a fornecedores e não paga. Você vê uma má gestão muito clara. Em 2020, o repasse para o Hospital de Base era de R$ 3,8 milhões e não faltava a quantidade de material que falta hoje. No ano passado, respondendo a um dos meus vídeos, o prefeito disse que estava repassando R$ 6,4 milhões para o Hospital de Base. Se você fizer a conta da variação dos insumos e outras despesas de 2020 para 2023, vai ver que não houve uma variação para consumir a diferença de R$ 2,6 milhões. Tem alguma coisa lá que não está correto. É má gestão.

_______

O prefeito está usando o mesmo modus operandi de outros prefeitos. Passou dois anos e oito meses fora. No caso desse, em Salvador.

_______

E a infraestrutura da cidade?

O prefeito está usando o mesmo modus operandi de outros prefeitos. Passou dois anos e oito meses fora. No caso desse, em Salvador. Outros ficaram em Itabuna, mas não trabalharam. Eles passam dois anos e oito meses sem fazer nada na cidade, só maquiando, para quando faltar um ano para a eleição, colocar o asfalto sonrisal. Observe que o gestor está gastando uma fortuna com asfalto, mesmo com recursos do estado. O asfalto é de péssima qualidade. Onde colocou, pocou tudo. A chuva vem e poca tudo. Não coloca rede de drenagem de água e esgoto, não coloca meio-fio. É uma coisa para enganar a população.

Como está o diálogo com outros partidos?

Tenho dialogado com todos. Tive reuniões frequentes com Capitão Azevedo, tive reuniões com Geraldo Simões. Em fevereiro, me reuni com o deputado Pancadinha. Tive reuniões, ano passado, com o pré-candidato do PL, Chico França. Só não tive reunião com o atual gestor. E não faço questão mesmo, até porque é nosso adversário político. Pessoalmente, não temos nada contra o outro, eu espero. Mas, tenho conversado com todos os pré-candidatos e partidos para buscar apoio em torno do nosso nome para prefeito de Itabuna.

Já recebeu alguma sinalização positiva?

Todos são pré-candidatos. Ninguém define a questão de ser vice, mas creio que, até meados de julho, a oposição vai se unir para derrotar o pior prefeito que essa cidade já teve.

_______

Eu tinha medo do Capitão sair e dizerem que tomei o partido. Não queria ter esse estigma em Itabuna.

_______

Após a sua chegada ao PDT, Azevedo deixou o partido e foi para o União Brasil. Ficou alguma rusga com o ex-prefeito?

Não. O motivo pelo qual o Capitão trocou o PDT pelo União Brasil não sei. Fui convidado pelo presidente do PDT, Fernando Neto, em janeiro. Não fui, porque já havia um pré-candidato. Disse: “caso o Capitão saia do PDT e não tenha outra pessoa, eu vou. Enquanto o Capitão estiver, não irei. Eu tinha medo do Capitão sair e dizerem que tomei o partido. Não queria ter esse estigma em Itabuna. Em março, numa reunião com o ex-vereador Milton Gramacho, o Capitão me convidou para o PDT, porque eu já estava com a conversa adiantada com o União Brasil. Já sabia que o Capitão tinha a intenção de ir para o União Brasil, só não sabia se ele iria, de fato. O desejo dele era ser pré-candidato pelo União Brasil.

O prefeito Augusto Castro recebeu gestos positivos do governador Jerônimo Rodrigues para as eleições deste ano. Qual é o peso que Jerônimo pode ter? Será muito influente?

Acho que não. Graças a Deus, o povo de Itabuna tem uma questão interessante. Presidente nunca influenciou, muito menos governador, senadores, ministro. Geraldo Simões foi prefeito na época do carlismo. Na primeira eleição dele, em 1992, venceu o candidato do governador. Depois, em 2000, venceu Fernando Gomes, e o governador era César Borges. Com Wagner governador, o PT não venceu em 2008. Fernando era o candidato de Rui Costa em 2020 e quem ganhou foi Augusto, que não era o preferido de Rui, embora estivesse na base, porque tinha o apoio do senador Otto Alencar. Não haverá peso nenhum.

Por essa lógica, apesar da vitória em Itabuna em 2022, é justo pensar que ACM Neto não vai ser um cabo eleitoral forte neste ano.

Não diria um forte cabo eleitoral. Tem um peso, tem, mas não tem o peso de ganhar uma eleição. Tem o peso de conseguir votos, claro, tanto Jerônimo para o lado de Augusto quanto ACM Neto para o candidato que ele for apoiar. Não tenho dúvida disso. Mas, a eleição quem decide é o povo de Itabuna.

Então, você também não acredita em uma disputa com influência da política nacional, do lulismo e o do bolsonarismo.

Fizemos uma pesquisa em fevereiro. Não existe influência nacional ou estadual na eleição de Itabuna para prefeito. Quando falo influência, é para decidir a eleição.

O PDT compõe o Governo Federal e já esteve próximo do Governo da Bahia, mas, há um bom tempo, mantém-se afastado. Caso o senhor seja eleito, isso poderia ser um obstáculo aos interesses de Itabuna?

O Brasil evoluiu muito nessa questão da democracia, e a Bahia também. É necessário separar a disputa entre lados políticos e o que a população precisa. Vamos ter apoio de deputados federais da situação e da oposição ao governo federal. Tenho certeza que o governador Jerônimo tem sensibilidade suficiente para entender que a população não pode ser prejudicada porque o prefeito de Itabuna é oposição a ele no estado. Passou a eleição, vamos procurar o governador e falar dos nossos projetos.

Pancadinha durante lançamento da pré-candidatura a prefeito de Itabuna || Reprodução
Tempo de leitura: 2 minutos

O deputado estadual Fabrício Pancadinha lançou a sua pré-candidatura a prefeito de Itabuna pelo Solidariedade (SDD), na noite desta segunda-feira (18), em um espaço de eventos na Avenida J.S. Pinheiro, no Lomanto. Com a participação de deputados, dirigentes estadual e nacional do SDD, pré-candidatos a vereador e populares, o ex-vereador de Itabuna e hoje deputado se disse um “não político” e prometeu, caso eleito, se cercar de “pessoas técnicas e de qualidade” para governar o município sul-baiano.

– Eu não sou político. Eu sou a voz dos que não têm voz – bradou para um público estimado em mais de 2 mil pessoas na área interna da Terceira Via Hall.

Durante o seu discurso, Pancadinha tratou de, sem citar possíveis oponentes, afirmar que é morador do São Pedro e, após mandato de vereador e, agora, de deputado, continua morando no bairro periférico de Itabuna. “Não tenho vergonha de falar de onde eu sou. Agora, chegou a nossa vez”.

O parlamentar faz críticas à gestão de Augusto Castro em áreas como a saúde, a educação e infraestrutura. “Estão entregando bom resultado?”, questionou, de forma retórica, para fechar: “Isso não é gestão. Gestão é olhar no olho [do povo]. Agora, você [governar] de longe?”.

Ainda alfinetou governantes que se colocam candidatos e, após eleitos, justificam falta de ação e de entregas dizendo que a cidade tem vários problemas. “E você não sabia? Hoje, estou pré-candidato a prefeito de Itabuna, e sei dos desafios da cidade. Para isso, [para enfrentar os desafios] vamos ter pessoas técnicas e de qualidade do meu lado. Não adianta só falar. Precisamos de ação”.

HORA DO TROCO

Após as críticas indiretas, o deputado e pré-candidato disse que não estava ali “para falar mal de seu ninguém nem olhar para trás”. E complementou: “o que a gente espera é o melhor”. Prometeu andar “pelos quatros cantos da cidade”: Com doses de sarcasmo, completou: “Pode chamar Pancadinha para tudo que é bairro que você quiser. Eu não vou precisar me esforçar, colocar mão em panela em eleição”.

Ao eleitor, ainda ensinou que está chegando a hora de “dar o troco”. “Sabe por quê? Eles vão vir com dinheiro, vão vir com milhões, mas nós vamos derrubar a casa deles”. E pediu ao eleitorado uma pré-campanha sem brigas, sem ódio. “O Pancada é amor”.

ELEIÇÕES 2024

O primeiro turno das eleições municipais de 2024 será em 6 de outubro, quando serão escolhidos os prefeitos e vices e a composição das câmaras de vereadores. Nas cidades acima de 200 mil eleitores, pode haver segundo turno, em 27 de outubro. Até agora, além de Pancadinha (SDD), alguns dos pré-candidatos a prefeito de Itabuna são a delegada Lisdeili Nobre (UB), Capitão Azevedo (PDT), Chico França (PL), Dr. Isaac Nery (PDT), Geraldo Simões (PT) e Augusto Castro (PSD), que disputa a reeleição. Atualizado às 10h50min para correção de informações.