Tempo de leitura: 2 minutos
Romualdo Lisboa, José Nazal, Newton Lima e Bruno Susmaga durante assinatura do protocolo que dá abrigo a projetos culturais em Ilhéus (Foto Mary Melgaço).

A Prefeitura de Ilhéus vai ceder o histórico Colégio General Osório, por 20 anos, para o Teatro Popular de Ilhéus (TPI). Hoje, o presidente do TPI, Brunek Susmaga, e o prefeito Newton Lima assinaram protocolo de intenções nesse sentido.

O termo de permissão de uso de bem público, pelo prazo de 20 anos, deverá estar pronto em duas semanas e também assegura ao TPI a administração da Biblioteca Pública Municipal Adonias Filho, que possui cadastrados cerca de 35 mil títulos, dentre os quais obras raras da literatura brasileira.

O diretor-artístico do TPI, Romualdo Lisboa, diz que desde 2008 o grupo vinha tentando conquistar uma sede definitiva.“Para realizar este volume de atividades o grupo necessitaria de um espaço mais amplo”.

Premiado nacionalmente, o TPI estava abrigado na Casa dos Artistas, no centro histórico, mas o contrato com os donos do imóvel chegou ao fim em setembro. Hoje, o grupo de residentes da Casa dos Artistas acompanhou toda a cerimônia de assinatura do protocolo no Palácio Paranaguá e, logo após, partiu para as novas instalações junto com o diretor do TPI, Romualdo Lisboa.

Grupo de artistas do TPI durante visita ao prédio do General Osório, hoje (Foto Clodoaldo Ribeiro).

Tempo de leitura: 2 minutos

Do Jornal Bahia Online

Prédio abriga biblioteca e arquivo público (Foto JBO).

Um laudo técnico assinado pelo engenheiro civil Hermano Fahning, diretor de operações da secretaria municipal de Planejamento, determinou a imediata suspensão das atividades na Biblioteca Pública de Ilhéus, que apresenta sérios problemas em sua estrutura e pode vir a desabar. O histórico prédio, localizado na praça Castro Alves, avenida Soares Lopes, vinha há anos sofrendo com problemas de infiltração e rachaduras nas paredes.

A biblioteca funciona no local há 10 anos e de lá pra cá nunca houve nenhuma manutenção da estrutura física do espaço, que foi se deteriorando até chegar ao limite da sua insegurança. “O espaço está condenado ao uso público por conta da sua situação estrutural. Se mantivéssemos funcionando, estaríamos colocando a integridade física das pessoas em perigo”, confirmou o engenheiro ao repórter do JBO no início da noite desta sexta-feira. Em resumo: o prédio pode cair.

Sem muitas justificativas ao público que frequenta o espaço, a biblioteca já foi fechada pela secretária municipal de Educação, Lidiney Campos. Mas apesar da orientação passada pelo engenheiro Hermano Fahning de que todos evacuassem o prédio, a reportagem do Jornal Bahia Online flagrou na tarde desta sexta que o funcionamento do Arquivo Público – instalado em uma das áreas mais afetadas do imóvel – continuava normalmente. Informado sobre o perigo, o engenheiro Hermano Fahning disse que já orientou a secretária Lidiney Campos a retirar todos os servidores do local.

Leia mais