Everton recepciona Marina e a pequena Sophie, que fugiram da guerra no leste europeu || Foto Pimenta
Tempo de leitura: 2 minutos

Thiago Dias

Enrolado na bandeira da Ucrânia e vestindo camisa da seleção de futebol do país, Everton das Virgens, 30, recepcionou a filha e a ex-esposa no Aeroporto Jorge Amado, em Ilhéus, no final da manhã desta sexta-feira (11). Marina Savchuk, 29, e a pequena Sophie Charlotte são refugiadas da guerra no país do leste europeu, iniciada pela invasão russa no último dia 24.

Ao PIMENTA, Everton conta que conheceu Marina na Irlanda, em 2016, quando foi fazer intercâmbio. Eles começaram a namorar e, no ano seguinte, vieram para Itabuna, no sul da Bahia, terra natal do cirurgião-dentista. Sophie nasceu naquele ano, no Hospital Manoel Novaes.

Ucraniana, Marina não se adaptou ao Brasil e voltou para a Europa no final de 2017, levando a filha. Gerente de uma empresa, ela morava com Sophie em Kiev, capital da Ucrânia. Quando a guerra eclodiu, tiveram que ficar num abrigo subterrâneo. No último dia 4, partiram em um comboio de refugiados para Lviv, no oeste do país, perto da fronteira com a Polônia, para onde seguiram depois.

Refugiadas no país vizinho, embarcaram em um voo da Força Aérea Brasileira (FAB), que saiu de Varsóvia na quarta-feira (9) e chegou ontem (10) ao Brasil. Após escalas em Recife, Brasília e São Paulo, mãe e filha desembarcaram hoje em Ilhéus. Marina disse ao PIMENTA que está muita cansada, pois não dorme direito há dias.

“PARECE QUE DEUS FAZ TUDO CERTINHO”

“Parece que Deus faz tudo certinho”, diz Everton, em tom de alívio, ao lado da filha || Foto Pimenta

Everton fez duas viagens recentes à Ucrânia. A primeira foi no final de 2019. Passou cerca de dois meses no país e, no dia 16 de fevereiro de 2020, voltou ao Brasil. Naquela altura, a pandemia de Covid-19 já se alastrava pela Europa.

A segunda viagem foi no início deste ano. “A gente não contava que ia acontecer esse conflito”, diz o itabunense ao PIMENTA. Sem imaginar que a Ucrânia seria invadida, ele aproveitou a presença no país para atualizar a documentação da filha. “Parece que Deus faz tudo certinho. Se eu não tivesse ido lá e renovado o passaporte dela, o que dependia de mim, ela ficaria sem o documento”. No processo, recebeu auxílio do embaixador do Brasil na Ucrânia, Norton de Andrade Mello Rapesta. “Me tratou super bem”, relembra.

Everton voltou para o Brasil em janeiro, ainda sem ter ideia de que o país da ex-companheira seria atacado. Com indignação, ele atribui a culpa pela guerra ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, a quem chama de ditador. Segundo o itabunense, as populações da Rússia e da Ucrânia são irmãs e não têm nada a ver com o conflito em curso. Sobre o futuro, disse que Marina vai ficar no Brasil por tempo indeterminado. “O país dela está destruído por causa de um louco”.