MS amplia público habilitado a receber imunizante bivalente || Foto AB
Tempo de leitura: < 1 minuto

Quem tem 18 anos ou mais e recebeu, pelo menos, duas doses de vacinas monovalentes (Coronavac, Astrazeneca ou Pfizer) já pode ser vacinado com a vacina bivalente da Pfizer contra Covid-19, desde que a dose mais recente tenha sido tomada há quatro meses, no mínimo. A ampliação do público habilitado foi determinada pelo Ministério da Saúde (MS), nesta segunda-feira (24).

O Ministério ressalta que as vacinas têm segurança comprovada, são eficazes e evitam complicações decorrentes da Covid-19. A ampliação, segundo a Pasta, tem o objetivo de reforçar a proteção contra a doença e ampliar a cobertura vacinal em todo país.

A campanha de imunização com a vacina bivalente foi iniciada em fevereiro, voltada para idosos de 60 anos ou mais, pessoas que vivem em instituições de longa permanência, pessoas imunocomprometidas, indígenas, quilombolas, ribeirinhos, gestantes e puérperas, profissionais de saúde, pessoas com deficiência permanente, presos e adolescentes em medidas socioeducativas e funcionários de penitenciárias.

Até o dia 20 deste mês, mais de 10 milhões de pessoas já tinham tomado o reforço bivalente, sendo 8,1 milhões idosos, conforme dados divulgados pelo MS.

Distribuição do imunizante para municípios será na próxima semana
Tempo de leitura: < 1 minuto

O primeiro lote da vacina da Pfizer contra Covid-19 para crianças de seis meses a três anos chegou ontem a Salvador. A remessa de 70 mil doses será distribuída para os 417 municípios da Bahia, a partir da próxima quarta-feira (16), segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

Desde o final do mês passado, a Sesab substituiu os boletins epidemiológicos diários pelos semanais. No período de 30 de outubro a 5 de novembro, o estado registrou 1.019 casos novos de Covid-19 e oito mortes provocadas pela doença.

O aparecimento da subvariante da Ômicron, chamada de BQ.1, ligou o sinal de alerta das autoridades sanitárias. A nova variante do coronavírus já foi identificada em 65 países, inclusive o Brasil. No Amazonas, que registra alta de casos, a variante que predomina é a BA.5.3.1.

O crescimento do número de infecções levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a reafirmar a importância dos dois ciclos de reforço da imunização contra a Covid-19, ou seja, com o uso de quatro doses.