Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente PT baiano está sob recomendação de manter-se o mais discreto possível com relação às articulações pela reeleição de Jaques Wagner. Fonte palaciana informa que as últimas intervenções de Jonas Paulo não foram bem sucedidas. Pior: existe uma avaliação que derrapagens do presidente petista causaram problemas sérios para o governador, como se deu com as indefinições em torno do fechamento com o PR, o que acabou contribuindo para que o senador César Borges se aliasse ao peemedebista Geddel Vieira Lima.

Jonas Paulo também é tido como um dos responsáveis pelo projeto de lançar Waldir Pires candidato ao Senado, gerando até a possibilidade de prévias e, portanto, de uma indesejada divisão explícita do partido, justamente num momento em que o PT precisaria estar mais unido do que nunca.

Ao presidente, já foi endereçado o velho adágio de que “a palavra é de prata e o silêncio é de ouro”. Resta saber se ele vai se conformar com a mordaça.

Tempo de leitura: 2 minutos
Jonas 'atira' em senador e no PR (Foto Max Haack/B.Notícias).

O presidente do PT baiano, Jonas Paulo, assina nota pública em que, praticamente, chama o PR para a briga. Acusa o “chifre” político ao dizer que, “por razões próprias, o PR encerrou as negociações” para compor com a chapa governista – e cair nos braços do adversário Geddel Vieira Lima.

Jonas considera que o PR do senador César Borges fechou com os peemedebistas “certamente por sentir-se mais próximo dos métodos, da forma e dos trejeitos do PMDB de fazer política, decidiu buscar os ares em que melhor se adapta”.

Trata-se de menção subliminar (ou nem tanto) à imagem de autoritarismo atribuída aos irmãos Vieira Lima, que comandam a legenda peemedebista, e à origem dos líderes das duas legendas: tanto Geddel como César Borges derivam do carlismo.

A nota deixa claro que o fracasso das negociações com César Borges e o PR não vai alterar o perfil da chapa governista. Ou seja, uma das vagas ao Senado pertencerá a uma legenda mais alinha com o centro e a direita. Assim, Otto Alencar volta novamente a ser um dos nomes para a Senatoria, abrindo o espaço de vice possivelmente para Walter Pinheiro, do PT de Jaques Wagner.

“Reafirmamos o perfil e a composição da chapa majoritária de centro-esquerda e uma das vagas do Senado ocupado pela esquerda; além da abertura do nosso partido às coligações proporcionais”. A nota também esclarece que o PT lutará por composições, nas proporcionais, que garantam o crescimento das bancadas da própria legenda à Assembleia Legislativa e à Câmara Federal. Confira a íntegra da nota clicando em “leia mais, logo abaixo:

Leia Mais