Tempo de leitura: < 1 minuto
Solenidade prestou homenagem a produtores sul-baianos.

O produtor Jorge Roque Carilo Pinto, da Fazenda São Jorge, em Ilhéus, foi eleito “Cacauicultor do Ano” durante as comemorações do Dia Internacional do Cacau, ontem, na sede regional da Ceplac, na rodovia Ilhéus–Itabuna. Manoel de Jesus, da Fazenda São José, de Valença, no Baixo Sul, foi eleito o Agricultor Familiar Destaque.

Ontem, a Ceplac apresentou o projeto de autossuficiência da produção de cacau baiana, entregue ao secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Erikson Chandoha. O diretor da Ceplac, Jay Wallace Mota, afirma que o objetivo é reduzir à importação do cacau pelo Brasil.

Atualmente, a produção do país é de cerca de 130 mil toneladas por ano, enquanto o parque moageiro de Ilhéus tem capacidade instalada para processar 230 mil toneladas anuais de cacau. O superintendente da Ceplac na Bahia, Juvenal Maynart, destacou inclusão de uma agenda positiva como necessário para reafirmar a Ceplac como órgão que dá respostas à sociedade, por meio da pesquisa e da extensão.

A autossuficiência, além de contribuir no equilíbrio da balança comercial e no aumento de ganhos econômicos dos produtores, reduz as chances de introdução de doenças nas plantações nacionais de cacau.

Durante o evento, foi assinado convênio de repasses de recursos da ordem de R$ 436 mil do ministério ao Instituto Biofábrica, que encontra-se em situação pré-falimentar. A verba será destinada à ampliação da produção de mudas de cacau.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Ceplac fala em autossuficiência na produção de cacau.

O desafio da autossuficiência nacional na produção de amêndoas de cacau, assim como a sustenbilidade da lavoura, são temas do Dia Internacional do Cacau, que esse ano teve as comemorações transferidas pela Ceplac para o próximo domingo (15) – o dia oficial é o primeiro domingo do mês de junho.

O projeto “Cacau: Autossuficiência com Sustentabilidade” será apresentado a cacauicultores, autoridades e imprensa durante palestra no auditório do Cepac, na sede regional da Ceplac, no quilômetro 22 da BR-415, entre Ilhéus e Itabuna. A festa também vai homenagear os cacauicultores Destaque do Ano.

O Brasil tem déficit de 40 mil toneladas para atender à demanda da indústria moageira implantada no país. A autossuficiência, além das questões de equilíbrio da balança comercial, minimização dos riscos de desemprego na cadeia produtiva e aumento de ganhos econômicos para os produtores, ainda é essencial para reduzir as chances de introdução de doenças nas plantações nacionais.

O projeto que a Ceplac vai apresentar terá como um dos pilares o fortalecimento do cooperativismo e associativismo rural, com ênfase ainda na agricultura familiar. “Queremos, além da autossuficiência, a sustentabilidade do agronegócio cacau. A solução passa pela inclusão de todos, inclusive do fator meio ambiente”, observa o superintendente da Ceplac na Bahia, Juvenal Maynart.

Leia mais n´O Trombone

Tempo de leitura: < 1 minuto

O superintendente da Ceplac para a Bahia, Juvenal Maynart, emitiu nota de pesar pela morte do produtor rural e advogado Humberto Salomão Mafuz, morto ontem à noite (28).
Juvenal lembrou da liderança de Mafuz nas questões da lavoura cacaueira e o período em que o advogado esteve à frente do Conselho Nacional dos Produtores de Cacau (CNPC), então conselho consultivo (CCPC).
“Seu desassombro na luta pelo fortalecimento da cacauicultura nacional, em particular pela cacauicultura baiana, entre as décadas de 70 e 90, o fez reconhecido e respeitado entre autoridades governamentais e os produtores de cacau do País”, destacou. Confira íntegra da nota no “leia mais”.
 

“NOTA DE PESAR

Consternada com o falecimento do produtor de cacau e advogado Humberto Salomão Mafuz, na terça-feira, 28, em Itabuna, Bahia, a Superintendência de Desenvolvimento da Região Cacaueira da Ceplac na Bahia manifesta seu mais profundo pesar à família enlutada e à lavoura cacaueira pela inestimável perda de inconteste líder. Seu desassombro na luta pelo fortalecimento da cacauicultura nacional, em particular pela cacauicultura baiana, entre as décadas de 70 e 90, o fez reconhecido e respeitado entre autoridades governamentais e os produtores de cacau do País.

Km 22 da Rodovia BR-415 Jorge Amado, Ilhéus, Bahia, 29 de fevereiro de 2012.
Juvenal Maynart Cunha
Superintendente”