Tempo de leitura: < 1 minuto

Prisco deixou prisão em junho, mas tem restrições.
Prisco deixou prisão em junho, mas tem restrições.

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar hoje (21) pedido de liminar que derrubaria restrições ao ex-soldado da PM Marco Prisco, eleito deputado estadual em 6 de outubro.
Desde quando deixou a prisão, em junho, Prisco só pode sair de casa durante a semana, retornando, no máximo, às 20h.
A defesa alega que a restrição, assim como a prisão, logo após a greve deflagrada em abril é “política”, pois o prazo de reclusão era de 90 dias, já vencido.
“A manutenção da restrição é política assim como a prisão foi política. Prisco foi condenado antes de ser julgado. Tal situação trata-se de infração do direito constitucional de contraditório e ampla defesa”, analisou a advogada do parlamentar, Marcele Maron.

Tempo de leitura: < 1 minuto

prisco pm-baO vereador e ex-policial militar Marco Prisco (PSDB) completou 46 anos ontem (26). A data não teve direito a bolo. Prisco está preso desde 18 de abril no Complexo da Papuda, em Brasília.
Prisco é acusado de liderar as três últimas greves da Polícia Militar baiana e provocar desordem.
Para hoje, aliás, está sendo aguardada avaliação de novo pedido de relaxamento da prisão, no Supremo Tribunal Federal (STF), em processo que tem como relator o ministro Ricardo Lewandowski.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Prisco foi preso no dia 18 de abril e encaminhado para o Distrito Federal.
Prisco foi preso no dia 18 de abril e encaminhado para o Distrito Federal.

Uma junta médica do Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu que o ex-policial e líder das três últimas greves da Polícia Militar (PM-BA), Marcos Prisco, não precisa de tratamento domiciliar.
A defesa do vereador soteropolitano, alegando risco à vida do cliente, entrou com pedido para que Prisco cumpra prisão domiciliar. A junta foi convocada pelo relator do caso, ministro Ricardo Lewandowski.
“Após avaliação da história clínica, exame físico, exames complementares e pareceres especializados que se encontram apensos ao prontuário, concluímos que o paciente não apresenta, no momento, evidência de cardiopatia que exija tratamento hospitalar ou domiciliar”, é o que concluiu a junta médica.
Prisco está preso desde 18 de abril, menos de um dia após encerrada a greve da Polícia Militar. Logo, o policial foi transferido para o Complexo da Papuda, em Brasília, onde passou mal e foi internado em hospital de Brasília.

Tempo de leitura: 3 minutos

Decisão do STF mantém Prisco no Complexo da Papuda (Reprodução Globo).
Decisão do STF mantém Prisco no Complexo da Papuda (Reprodução Globo).

O Supremo Tribunal Federal (STF) indeferiu pedido de liberdade ao líder da greve da Polícia Militar, Marco Prisco. A decisão liminar é do ministro Ricardo Lewandowski. Prisco está preso desde a última sexta (18), no Complexo da Papuda, em Brasília, e responde a ações na Justiça Comum e na Justiça Federal.
A defesa havia impetrado habeas corpus no STF no último sábado (19). Alegou que a prisão do vereador gerou revolta e havia possibilidade de “consequências nefastas para a sociedade”. Também observou que a greve foi “absolutamente pacífica, sem qualquer ato que pudesse, ao menos em tese, configurar qualquer ilícito, sem ocupação de prédios públicos ou uso de armas ou máscaras”.
Ao indeferir a liminar, o ministro Lewandowski assinalou que a medida, em habeas corpus, se dá de forma excepcional, quando ficar demonstrado, de forma inequívoca, a presença dos requisitos autorizadores, que considerou ausentes. “A prisão foi decretada para a garantia da ordem pública, uma vez que o paciente, líder do movimento paredista em 2012, articulava mais uma vez a deflagração de outra greve, o que poderia ocasionar graves transtornos à população”, observou.
Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

Prisco foi preso na tarde da última sexta (18), em um resort na Bahia (Reprodução Globo).
Prisco foi preso na tarde da última sexta (18), em um resort na Bahia (Reprodução Globo).

Familiares de policiais militares participam nesta terça (22) de ato pela liberdade do ex-soldado da PM Vereador Prisco (PSDB), preso na sexta-feira passada. A manifestação em Itabuna está programada para o Jardim do Ó, às 14h.
Prisco está preso no Complexo da Papuda, em Brasília, e ainda aguarda a sua soltura. Pedido de habeas corpus foi impetrado no sábado (19) e aguarda julgamento por parte do Supremo Tribunal Federal (STF), sob a acusação de cometer crime político e incitar a tropa à greve. Ele já era investigado em ação do próprio MPF.
A prisão preventiva do vereador tucano foi pedida pelo Ministério Público Federal (MPF) por causa da greve. Na Sexta da Paixão, Prisco acabou preso em um resort no litoral norte baiano, onde passaria o feriadão com a família.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Prisco reclama de remuneração paga a policiais no carnaval.
Prisco reclama de remuneração paga a policiais no carnaval.

O diretor da Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra-BA) e vereador de Salvador, Marco Prisco (PSDB), diz que a entidade recebeu reclamações de dezenas de militares durante a semana que antecede o Carnaval. Os soldados se queixam da remuneração de R$ 13,25 por hora para trabalhar durante a festa.
– O trabalho durante o carnaval é penoso. Os militares estão expostos a todo tipo de perigo. Apreensão de drogas, armas, separar briga. O carnaval é a maior festa aberta do mundo, com pessoas embriagadas, assaltos e furtos. Este valor não condiz com o trabalho a ser executado – criticou.
De acordo com Prisco, em entrevista ao Bahia Notícias, estudantes da Academia da PM também estarão nas ruas de 7 a 13 de fevereiro. “Um absurdo esta situação. Como se não bastasse o policial mal remunerado também vão usar alunos para fazer o policiamento?”, questionou.
O vereador afirma que os soldados devem trabalhar durante 12h ininterruptas e ainda sofrer pressão de comandantes.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Advogado Rogério Andrade durante a ocupação dos grevistas na Assembleia Legislativa

Depois de dar várias entrevistas se apresentando como advogado do Marco Prisco, líder da greve da PM, Rogério Andrade teve negada sua condição de representante do ex-policial. Ao jornal A Tarde, o também advogado Leandro Gesteira afirmou que Andrade seria apenas “um colaborador”, que atuou durante o movimento grevista para auxiliar nas negociações.
Prisco está preso desde quinta-feira passada na cadeia pública da Mata Escura e sua defesa tenta agora obter a revogação do decreto prisional.
Segundo Gesteira, “não interessa à defesa que o nome de Prisco repercuta na imprensa como vem acontecendo”. O advogado acrescentou que  o clamor público atrapalha a defesa e  declarou que “Andrade falava em nome de Prisco sem autorização dele”.
O ex-policial teria pedido, segundo Gesteira, para que ele representasse contra Andrade junto à OAB.

Tempo de leitura: 2 minutos

O ex-policial militar e pré-candidato a vereador de Salvador, Marco Prisco Machado (PSDB), sabia que estava sendo grampeado. Isso fica claro numa ligação telefônica entre ele e a soldado Jeane Batista de Souza. Jeane está entre os quatro policiais militares e ex-policiais presos até agora por determinação judicial.
Na ligação telefônica, Jeane pergunta: “essa ligação não tá sendo gravada não, né?”. Prisco responde que sim (“tá, tudo grampo”) e orienta a militar a conversar por mensagem de texto via celular (SMS). A soldado aparenta preocupação e diz que não quer ter problemas em casa, pois o marido dela é contra a greve.
Clique no link para ouvir a conversa: Ligação Jeane e Prisco
Após o alerta dado por Prisco, no último dia 5, eles começam a conversar por mensagem de celular. Jeane dá toda a orientação necessária para que grupo de policiais invada o Batalhão de Guardas da PM, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador.
A invasão ao batalhão foi combinada para ocorrer entre as 19h40min e as 20h da última terça (7). “O efetivo é muito pouco. 15 homens armados (sic) rende a guarnição”, informa Jeane. “Se apresentarem a ID (identificação) de militar não precisa ter troca de tiros, nem violência”. Confira no “leia mais” o conteúdo das mensagens trocadas pelo líder da greve e a soldado presa ontem. Os contatos ocorreram entre domingo e terça (5 e 7).
Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

A desocupação da Assembleia Legislativa não mudou o cenário no 15º Batalhão da Polícia Militar, em Itabuna. Nesta unidade da PM, o clima é de expectativa com relação às decisões a serem tomadas pelo comando de greve, em Salvador. Um policial disse ao PIMENTA que não se espera fim do movimento antes da noite de hoje, mas o fato é que a greve ficou bastante enfraquecida após a revelação das gravações que apontam ligação do ex-soldado Marco Prisco com atos de vandalismo e a prisão dele no início da manhã.
À espera de novas deliberações, o 15º BPM tem policiais aquartelados, viaturas paradas e barracas montadas para o abrigo dos grevistas.

Viaturas estacionadas…

 

… e barracas de camping compunham o cenário do 15º BPM

Tempo de leitura: < 1 minuto

O líder da greve da PM baiana, Marco Prisco, deixou o prédio da Assembleia Legislativa por volta de 7h30min da manhã desta quinta-feira, 9. Enquanto os demais policiais que estavam amotinados saíram pelo acesso principal, Prisco pediu para deixar a sede do legislativo por uma saída existente nos fundos do prédio. Juntamente com ele, estava o PM Antôno Paulo Angelino, outra liderança do movimento grevista. Os dois foram levados para o Batalhão da Polícia do Exército, na Avenida Paralela.
A Assembleia já foi totalmente desocupada.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Policiais que se encontravam amotinados na Assembleia Legislativa da Bahia começaram a deixar o prédio na madrugada desta quinta-feira, 9. Antes do acordo de rendição, o líder da greve, Marco Prisco, recebeu orientações de seu advogado. Prisco, que será preso, comprometeu-se a sair da sede do legislativo baiano entre 8 e 9 horas da manhã.
Ao sair, os policiais estão passando por uma triagem para que se identifique a possível existência de mandado de prisão. Até o momento, de acordo com informações da Band News FM, nenhum deles foi detido.

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Prisco aparece em gravação comprometedora, exibida esta noite no Jornal Nacional

Apesar de negar envolvimento com ações de vandalismo na greve da PM baiana, o líder do movimento, Marco Prisco, de fato teve participação ativa na produção do caos instalado em toda a Bahia desde o início da paralisação.
Uma gravação feita com autorização da Justiça e exibida há pouco no Jornal Nacional, mostra conversa telefônica entre Prisco e o policial David Salomão, na qual o assunto é o fechamento de uma rodovia e o incêndio de viaturas.
Trecho do diálogo:
– Prisco: Alô, oi. Desce toda a tropa pra cá meu amigo. Caesg e você. Desce todo mundo para Salvador, meu irmão… Tou lhe pedindo pelo Amor de Deus, desce todo mundo para cá…

– David SalomãoAgora?

– Prisco: Agora, agora. Embarque…

– David Salomão: Eu vou queimar viatura… Eu vou queimar duas carretas agora na Rio/Bahia que não vai dar tempo…

– Prisco: Fecha a BR aí meu irmão. Fecha a BR.
A mesma edição do JN exibiu reportagem em que Prisco afirmou não ter promovido vandalismo, usando como argumento o fato de que está há vários dias amotinado na Assembleia Legislativa da Bahia. Logo em seguida, apareceu a gravação inédita, desmentindo o líder da greve.
Prisco é alvo de um dos 12 mandados de prisão expedidos contra grevistas que cometeram atos ilícitos durante a mobilização. O governo da Bahia afirma que aqueles que participaram da greve, sem infringir a lei, não serão punidos. A greve baiana faz parte de um movimento nacional pela aprovação da PEC 300, que prevê o estabelecimento de um piso salarial único para os policiais militares de todo o país.