Desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago continua presa
Tempo de leitura: 2 minutos

O Ministério Público Federal (MPF) pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a manutenção da prisão preventiva de seis denunciados na Operação Faroeste. Os acusados são Adailton Maturino dos Santos, Antônio Roque do Nascimento Neves, Geciane Souza Maturino dos Santos e Márcio Duarte Miranda; a desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago e o juiz Sérgio Humberto de Quadro Sampaio.

Os seis são acusados de praticar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, e de integrar organização criminosa. De acordo com a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, o objetivo da peça ora encaminhada ao relator da AP 940, ministro Og Fernandes, é evitar qualquer alegação superveniente de excesso de prazo ou ilegalidade da prisão provisória dos acusados.

A Ação Penal 940 apura a prática dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, numa dinâmica organizada, em que gravitaram três núcleos de investigados, integrados por desembargadores, advogados e produtores rurais, com a intenção de negociar decisões judiciais, em especial para a legitimação de terras no Oeste baiano.

Os seis acusados estão presos desde novembro do ano passado. Para a subprocuradora-geral, é imprescindível a manutenção das prisões para a coleta de provas, garantia da ordem pública e aplicação da lei penal. Na manifestação, Lindôra Araújo detalha os motivos pelos quais cada um dos denunciados deve permanecer em prisão preventiva para garantir a instrução criminal.

“A força da organização criminosa é de tamanha magnitude que sequer comissões de magistrados para apuração dos fatos conseguem ser formadas para atender determinação do Conselho Nacional de Justiça, ou seja, 13 desembargadores, sequencialmente, dão-se por suspeitos, positivando, assim, que a prisão dos réus é inevitável para a manutenção da ordem pública, a normal coleta de provas e aplicação da lei penal”, afirma.

Leia Mais

Lucas, Yasmin e Lorrana: histórias de superação
Tempo de leitura: 4 minutos

Estudantes da rede pública de ensino aprovados neste ano não deixaram para trás apenas a enorme concorrência por uma vaga na universidade, mas tiveram de enfrentar e vencer diversas dificuldades. Nesta segunda reportagem da série sobre os aprovados no ensino superior no sul da Bahia, o PIMENTA conta um pouco da história de três dos alunos que abraçaram a educação como ferramenta de transformação social.

Um dos personagens tem apenas 17 anos e conseguiu a aprovação em um dos cursos mais concorridos no país.O adolescente carrega, literalmente, o nome da escola. Aprovado para o curso de Medicina na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) em Ilhéus, Lucas Félix dos Santos estudou no Colégio Félix Mendonça desde o 6º ano do Ensino Fundamental. Ele será o primeiro médico na família.

Lucas, entre o estudo e atendimento a clientes do bar da mãe, é aprovado em Medicina aos 17 anos

Lucas Félix perdeu o pai quando tinha 8 anos de idade e cresceu ajudando a mãe no bar da família, no bairro Jorge Amado, em Itabuna. Quando chegou ao Ensino Médio, incentivado pelos professores e pela família, decidiu que queria ser médico. “Depois que retornava da escola, pegava os livros e cadernos e sentava em uma das mesas do bar para estudar e atender o cliente”, recorda orgulhoso. O estabelecimento funciona na casa do jovem.

Lucas Félix conta que sempre gostou de estudar e tirou boas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Como treineiro, logo no primeiro ano, ele tirou nota 840 na Redação. Na segunda participação, obteve 900 e, ano passado, conseguiu 960 pontos. Além disso, obteve boas notas em Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias.

AMIGAS APROVADAS NA UESC

Yasmin e Lorrana “alugavam” a biblioteca do Ciomf.

As estudantes e amigas Lorrana dos Santos Souza e Yasmin Ferreira Oliveira, do Centro Integrado Oscar Marinho Falcão (Ciomf), no bairro Santo Antônio, também decidiram incluir a palavra superação em suas histórias de vida. Filha de um porteiro e uma dona de casa, aos 18 anos, Lorrana acaba de ser aprovada no Curso de Economia da Uesc. No seu primeiro Enem, ainda como treineira, em 2016, a estudante tirou 380 pontos na Redação.

A evolução da moradora do Jardim Grapiúna veio com a persistência de quem sabia o que queria para futuro. Para isso, recorda-se, dedicou boa parte do tempo fora da sala de aula para leitura e redação que, quase diariamente, era entregue para a revisão da professora Maria do Socorro Silva. O resultado do esforço não demorou aparecer. No ano passado, a nota da Redação subiu para 860 pontos.

Lorrana destaca que, além da própria determinação para vencer as barreiras, contou com parcerias importantes dos pais, dos professores, principalmente de Redação, e da amiga Yasmin Ferreira. “Meus pais são humildes, mas fizeram de tudo para que eu estudasse. Meu pai é porteiro e conhece muitas pessoas como juízes e advogados. Sempre conseguia livros usados com eles”.

Em busca do sonho que virou realidade.

Grande parceira e incentivadora de Lorrana, Yasmin Ferreira, de 18 anos, também garantiu vaga no ensino superior. As duas se identificaram logo que se conheceram. No início, tentaram montar um grupo de estudos para revisar as matérias e preparação para o Enem. Não deu certo. Foram somente cinco colegas nos primeiros encontros para o estudo.

A professora de redação Maria do Socorro, Yasmin, Lorrana e vice-diretora Isis Conrado

As duas persistentes alunas, no entanto decidiram seguir a meta inicialmente traçada. Faziam as aulas, tiravam dúvidas com os professores e “alugavam” a biblioteca da escola no turno oposto. “Muitas vezes nem íamos para casa almoçar. Ficávamos na base do lanche”, conta orgulhosa.

Não precisa dizer que foi uma sábia decisão.

Filha de operador de vendas e de uma vendedora autônoma, Yasmin Ferreira colocou como meta passar para o Curso de Direito da Uesc e conseguiu a tão sonhada vaga já no primeiro ano em que fez a prova do Enem como não treineira. “Essas meninas são exemplos de superação. Elas têm sonhos e que estamos ajudando a torná-los realidade. Temos elas e outros alunos vão”, contam orgulhosas a vice-diretora do Ciomf, Isis Conrado Haun, e a professora Maria do Socorro Silva.