Tempo de leitura: 3 minutos

josias gomesJosias Gomes | josiasgomes1312@yahoo.com.br

E, no que depender de nós, petistas e aliados, haverá o fortalecimento de uma grande corrente em torno de Lula e Dilma, sempre na defesa das conquistas incomensuráveis alcançadas pelos mais pobres desse país.

O pavor alimentado pela Direita no Brasil aos projetos sociais e políticos das esquerdas é histórico. Sob o pretexto de combate ao comunismo as elites nacionais cometeram os maiores desatinos, e os mais perversos crimes durante a história republicana.
Raros foram os momentos de liberdades democráticas no Estado brasileiro, momentos estes que sempre foram sacrificados em função do horror nutrido, e implantado, pelos segmentos mais conservadores às propostas de desenvolvimento social, propostas estas normalmente apresentadas pelos setores mais progressistas da política nacional. É o que eles repetem, agora, com relação a Lula e ao PT.
Desde o ano de 2003, com a ascensão de Lula ao governo brasileiro, alcançado através de uma verdadeira revolução pelo voto da maioria do nosso povo, que a direita não se contém. Principalmente porque, a partir daquele momento histórico, a administração pública nacional começou a experimentar uma mudança de rumos jamais experimentada em nossos 500 anos de história.
Foram Lula e aliados os que executaram, a partir de então, uma política que nunca havia sido praticada no país, em extensão geográfica, ritmo de implantação e alcance populacional. As camadas mais pobres brasileiras começaram a ser resgatadas do abandono secular a que estiveram sempre submetidas.
Leia Mais

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

Agora, com o “mensalão tucano” entrando na pauta do STF, a grande imprensa tem a oportunidade de mostrar para seus leitores que não é tucana (ou atucanada).

 

O PT se queixa de uma implacável perseguição da chamada “grande imprensa”. O tripé oposicionista, segundo os petistas, é formado pelos jornais Folha de São Paulo, Estadão e o Globo.

Saltam aos olhos que os três jornalões não conseguem despistar o antipetismo encravado nos editoriais, como se o partido do ex-presidente Lula fosse o único integrante do prostituído sistema político.

A declaração da presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ), Judith Brito – “os meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista” –, deixou os petistas irritados.

A sinceridade de Judith, que é também diretora-superintendente do Grupo Folha, canaliza para a óbvia conclusão de que a oposição, com o PSDB, DEM e o PPS, está fragilizada.

Agora, com o “mensalão tucano” entrando na pauta do STF, a grande imprensa tem a oportunidade de mostrar para seus leitores que não é tucana (ou atucanada).

É bom lembrar que essa sistemática perseguição só está acontecendo porque o PT, como disse o jornalista Mino Carta, perdeu a linha. Demoliu seu passado honrado.

PS – “Há heróis indiscutíveis na trajetória da esquerda brasileira, poucos, a bem da sacrossanta verdade factual. No mais, há inúmeros fanfarrões exibicionistas, arrivistas hipócritas e radical-chiques enfatuados. Nem todos pareceram assim de saída, alguns enganaram crédulos e nem tanto. Na hora azada, mostraram a que vieram. E se prestaram a figurar no deprimente espetáculo que o PT proporciona hoje, igualado aos herdeiros traidores do partido do doutor Ulysses, ou do partido do engenheiro Leonel Brizola, obrigados, certamente, a não descansar em paz”. (Mino Carta).

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Castro defendeu criação de comitê de acompanhamento

Em uma crítica à suposta lentidão do governo baiano nas ações relativas a projetos de logística, o deputado estadual Augusto Castro (PSDB) disse ontem que a articulação em torno do Porto Sul estaria “muito solta”. Para o parlamentar tucano, que faz oposição a Jaques Wagner, o Estado precisa “priorizar esse projeto e trabalhar de forma integrada”.
Castro defendeu a criação de uma comissão de acompanhamento do Porto Sul e da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste). Ele propõe que o grupo seja constituído por representantes das secretarias estaduais da Indústria Naval e Portuária, Meio Ambiente, Relações Institucionais e Casa Civil, além do Ibama e das empresas Valec (estatal federal que gere obras na malha ferroviária) e Bamin, mineradora que pretende construir um terminal privativo dentro do Porto Sul. o comitê seria integrado ainda por membros das comissões do Porto Sul, Fiol e de Infraestrutura e Meio Ambiente na Assembleia Legislativa.
O comentário e a proposta do tucano foram feitos durante visita do presidente da Bamin, Francisco Viveiros, à Assembleia. O presidente estava acompanhado pelo secretário da Indústria Naval e Portuária, Carlos Costa.

Tempo de leitura: 2 minutos

Gerson Menezes | publixcriativo1987@hotmail.com

Os primeiros passos do governo Dilma estão fazendo nascer o enigma: – O que quer e o que pensa essa mulher?

Se fosse proposto pela presidenta Dilma Rousseff, o enigma da esfinge, caberia muito bem. A “criatura”, a cada passo dado nesse início do seu governo, parece querer se distanciar do seu “criador” ou de, propositadamente, querer consertar os erros por ele praticados.
Apontada que foi como sendo um “poste”, Dilma, a mulher sobre a qual pouco se conhecia (até mesmo do seu passado na clandestinidade até hoje oculto), se mostra capaz de dar passos no exercício do poder. Passos, para muitos, incompreensíveis e até politicamente suicidas. Surpreendente para muitos, talvez seja apenas para poucos uma revelação.
Do pouco que se conhecia da personalidade da presidenta Dilma, era sua pouca flexibilidade em transigir com tudo aquilo que julgava administrativamente incorreto. Intransigência essa que fez nascer a admiração por parte do ex-presidente Lula, acostumado a negociações, e que da ministra Dilma usou e abusou para pôr freio na incompetência que gravitava em torno do seu governo.
Os primeiros passos do governo Dilma estão fazendo nascer o enigma: – O que quer e o que pensa essa mulher? Para os aliados do governo, Dilma está prestes a cometer um suicídio político ao “dizimar” as pretensões – mesmo que espúrias – dos políticos da sua base aliada. Para a oposição, Dilma apenas se utiliza dos recursos “midiáticos”, para aparecer diante da população como a “mãe” da moral e da ética da política brasileira.
Seja qual for a verdadeira Dilma Rousseff, eu, que não votei nela para presidenta, estou entre perplexo e admirado. E se mantiver na prática o discurso moralizador e conseguir manter a economia brasileira ao largo dos percalços da economia mundial, até 2014 o enigma Dilma estará decifrado e então se poderá clamar: – “O rei morreu! Viva o novo rei!”. Ou… rainha.
Gerson Menezes é publicitário.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da Tribuna da Bahia

A renovação em 49% na Assembleia Legislativa tem provocado novos efeitos na Casa. Além das comissões instaladas em tempo recorde, nos corredores do Legislativo baiano, comenta-se que a bancada de oposição, atualmente com dezoito deputados, caracterizada por fiscalizar as ações do governo, ainda não mostrou a própria cara. Poucos são os deputados que têm arriscado subir à tribuna para provocar questionamentos ao Executivo estadual, cabendo aos mais novos o papel de liderança em alguns raros discursos de contestação.

Uma das situações emblemáticas seria o posicionamento do deputado Adolfo Menezes (PRP), que, apesar de pertencer ao bloco oposicionista formado com o DEM, não esconde seu apoio ao governo. O mais inusitado é que ele acabou sendo o escolhido para presidir a Comissão de Segurança Pública, tema apontado como o mais espinhoso para a gestão Jaques Wagner.

Segundo Menezes, não há constrangimento no fato de ele ser governo e estar em um bloco de oposição. “Eu sempre fui governo. Além disso, a oposição deixou que meu nome fosse indicado, mas ela também ganhou com isso, pois pôde formar mais um bloco, o que possibilitou mais tempo para falar e mais participação na Casa”, justificou.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Não há dúvida de que a segurança pública é o “calo” do governo Jaques Wagner. A escalada do crime na Bahia faz a “alegria” dos opositores. Sinalizando que tem ciência do problemão (eleitoral), o petista tratou de exibir números a tentar desmistificar que o seu governo está parado quando o quesito avaliado é a política de segurança.

Segundo a assessoria do governador, a segurança pública recebeu investimento de quase 20% nos últimos três anos. Nesta segunda, 307 novas viaturas foram entregues para as polícias civil e militar e a política técnica. A polícia militar recebeu 3,2 mil novos policiais e outros 3,2 mil estão em treinamento. Desde 2007, 1.688 viaturas foram adquiridas.

Números são números. Se são bons ou ruins, depende do ponto de vista de quem os analisa. Se o analista for a oposição… E também sabendo disso, Wagner usa o discurso de que uma sociedade diferente da que temos (menos violenta?) depende também de valores familiares.

A campanha ainda nem começou…

Tempo de leitura: < 1 minuto

A oposição decidiu acionar a Justiça Eleitoral contra as viagens do presidente Lula e a ministra e presidenciável Dilma Roussef. Na semana passada, o casal petista percorreu grandes trechos do rio São Francisco, a pretexto de acompanhar de perto (e de olhos bem abertos) as obras de revitalização e transposição do rio.

A oposição estrilou e Lula aproveitou o lançamento do PAC das Cidades Histórias, em Minas, para desdenhar de seus opositores. Ao lado dele, estava um cotado a presidenciável, Aécio Neves (PSDB). “Só peço calma [à oposição], porque nós ainda nem começamos a inaugurar o que nós temos a inaugurar nesse país. Tem muita coisa que ainda vai acontecer”.

Acompanhe a alfinetada presidencial:

Tempo de leitura: 2 minutos

Ricardo Kotscho

.
.

O Lula vai quebrar a cara em Honduras! Vai correr sangue nas ruas de Tegucigalpa e ele será o culpado! O Lula vai tomar uma surra do Obama em Copenhague! Vai dar Chicago! Agora a popularidade do Lula vai despencar!

Pois é, amigos, foi uma atrás da outra. A urubuzada (nada a ver com a grande torcida do Flamengo, por favor!) jogou contra e perdeu todas, perdeu o rumo. Vocês já repararam? A oposição simplesmente sumiu de cena.

Em 2009, a turma do contra, representada por aqueles célebres 6% que reprovam o governo Lula, começou jogando tudo na crise econômica mundial, que quebraria o Brasil. O Brasil não só não quebrou como saiu da crise mais forte do que entrou.

Já nem me lembro de todas as crises do fim do mundo anunciadas durante o ano, mas tivemos depois a dengue, a crise do Senado, a gripe suína, a história da Lina, a CPI da Petrobrás, o diabo a quatro. E nada do Lula cair nas pesquisas.

A palavra crise não saía das manchetes, e nada. Quando a crise não era aqui, era em Honduras _ por culpa da política externa do governo brasileiro, claro. Agora que as coisas estão se acalmando por lá e tudo indica uma saída negociada com os golpistas devolvendo a Presidência a Manuel Zelaya, a urubuzada já está recolhendo os flaps.

Com a vitória do Rio para sediar a Olimpíada 2016 transmitida ao vivo de Copenhague, não teve jeito de esconder o importante papel do presidente Lula nesta conquista. Os 6% de inconformados e seus bravos representantes na imprensa e no parlamento devem ter entrado em profunda depressão. Por isso, sumiram _ pelo menos, por algum tempo.

Restam apenas alguns blogueiros histéricos e seus comentaristas amestrados blasfemando na janela, vendo as ruas em festa, os bares lotados em dia de semana, a indústria, a bolsa, o emprego e a renda crescendo novamente, a autoestima do brasileiro lá em cima, a vida seguindo alegre seu rumo.

Claro que sempre será possível fazer escândalo com qualquer coisa, como esta crise do Enem, uma história até agora muito mal contada, que vai atrasar a data dos vestibulares. E daí? Fora os candidatos e professores que irão perder alguns dias de férias, qual o drama para o restante dos brasileiros?

Conheça o Balaio do Kotscho