Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

Brizola pediu paciência. O deputado esbravejou: “Tive 600 mil votos, porra, e exijo o que tenho direito”. Disse mais alguns desaforos. Segundo testemunhas, Brizola reagiu: “Fica calado, seu boca suja”.

 

O cantor Agnaldo Timóteo voltou a provocar polêmica ao criticar duramente o senador Aécio Neves. O artista que “estourou” nacionalmente com a música Meu grito (Roberto Carlos) foi introduzido na política por Leonel Brizola (1922-2004).

Quando se candidatou ao governo do Rio de Janeiro (1982), Brizola disse que pretendia colocar na Câmara Federal um índio, uma mulher e um negro. Foram eleitos Agnaldo Timóteo e o único índio da história do Brasil, para o Congresso Nacional, o cacique Mário Juruna.

Brizola e Timóteo tinham em comum o estilo “falo o que penso e não levo desaforo pra casa”, mas divergiam no conteúdo. O primeiro, um político progressista. O artista, conservador. Ou seja, uma relação que tinha tudo pra não dar certo. E não deu.

Logo após a posse, Brizola reuniu seu grupo e explicou as prioridades para os primeiros dias do governo. Agnaldo Timóteo reivindicou financiamento de 100 mil dólares para montar uma gravadora e 30 empregos para cabos eleitorais.

Brizola pediu paciência. O deputado esbravejou: “Tive 600 mil votos, porra, e exijo o que tenho direito”. Disse mais alguns desaforos. Segundo testemunhas, Brizola reagiu: “Fica calado, seu boca suja”. No entanto, Agnaldo disse aos veículos de comunicação que Brizola falou “crioulo boca suja”.

Na eleição indireta para a presidência da República quando Tancredo Neves e Paulo Maluf disputaram os votos do Congresso Nacional, o deputado Agnaldo Timóteo se aliou a Maluf. O Pasquim, com sua irreverência característica, estampou a manchete: “Preto safado apoia branco idem”.

Voltando à crítica ao senador Aécio Neves, Agnaldo Timóteo, comentando sobre o momento político num debate numa emissora de TV, disparou: “Este playboyzinho de Copacabana e Ipanema está agindo como um moleque. Este moleque está querendo que meu país pegue fogo. E eu não quero que meu país pegue fogo, porque pode haver conflito, pode haver morte.”

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

Tempo de leitura: 2 minutos

sócrates santanaSócrates Santana | soulsocrates@gmail.com

É como narra o escritor José Saramago no antológico O evangelho segundo Jesus Cristo sobre o maniqueísmo cristão: “Este bem que eu sou não existiria sem esse mal que tu és”.

A metáfora – nuvem de poeira – do governador Jaques Wagner levanta do subterrâneo da política, crônicas de uma guerra particular entre tucanos e petistas. A verborragia de dos dois ex-presidentes, FHC e Lula, reaparece de maneira extenuante com o paulatino crescimento de novas forças e alianças de poder no Brasil. A ascensão do PSD de Gilberto Kassab, bem como o despontar do PSB de Eduardo Campos e o prelúdio de uma rebelião peemedebista orquestrada de dentro do Palácio da Alvorada, reposiciona os mísseis de petistas e tucanos contra si.

A dicotomia entre PSDB e PT vem sendo corroída ao longo dos anos. O próprio jogo sucessório, a repetição dos discursos e a assustadora convergência de interesses entre personagens antes inconciliáveis, a exemplo de ACM e FHC, Paulo Maluf e Lula, diminuiu a distinção ética entre os dois partidos pelo próprio curso da história de quem governa e de quem faz oposição. Ora, é obvio que as diferenças continuam vivas, mas, o esforço argumentativo para estabelecer o antagonismo entre ambos vem sendo o grande desafio das agências de publicidade.

Apesar do freqüente enfoque negativo da opinião publicada, ainda resta aos petistas à vantagem de quem dirige o país. De quem pode cartear, impor regras e criar artifícios para enfraquecer o principal oponente, mas, nunca eliminá-lo. É como narra o escritor José Saramago no antológico O evangelho segundo Jesus Cristo sobre o maniqueísmo cristão: “Este bem que eu sou não existiria sem esse mal que tu és”.

O outro lado da moeda, obviamente, é tucano. Com a permissividade petista, Aécio Neves é inflado a lançar candidatura à presidência. É evidente que os efeitos colaterais são inevitáveis. O arsenal do PSDB vem acompanhado de uma avalanche de ataques e, inclusive, demarcações de projetos e interesses, a exemplo do embate sobre a redução das taxas de energia elétrica no país.

Enclausurados no ninho paulista por uma década, o PSDB insurge de um empoeirado cômodo carioca. O mistério dos bastidores é assistido pela alta cúpula do PT, sem perder de vista a articulação movediça de aliados, cada vez menos confiáveis, cada vez mais arredios. A guerra fria entre PT e PSDB, portanto, interessa a ambos os lados.