Tempo de leitura: 3 minutos

No meio de sua palestra, todas as questões que sempre defendeu foram postas, para delírio dos presentes. Num desses temas, como era de se esperar, a crescente utilização da maconha, não se restringindo ao “cigarrinho maldito”, como se referiam alguns, mas em diversas atividades econômicas.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Um dos melhores momentos vividos nesse Brasil foi a chamada luta pela redemocratização, com movimentos estourando por todo o país, com palestras, seminários, workshop ou os simples comícios. Desde a luta pelas eleições diretas, a Constituinte e a eleição de Tancredo Neves o Brasil só respirava política. Não se falava em outra coisa.

Políticos com mandato cruzavam os céus em aviões de carreira ou particulares em busca de apoio para suas propostas no Congresso Nacional ou para a formação de novos partidos políticos. Os sem mandatos também se viravam como podiam para “vender seu peixe”, inclusive “as novidades”, a exemplo dos cassados e exilados políticos que retornaram ao Brasil e buscavam mandatos, ou os já eleitos.

Convidado do Município de Ilhéus para vir à cidade participar de um fórum de debates, o deputado federal Fernando Gabeira se transformou, como sempre, numa atração à parte. Não tão somente pela sua história, mas, sobretudo pelas propostas inovadoras para a política brasileira, a exemplo do que sobe fazer, haja vista sua constante capacidade de transformação em relação ao presente e ao futuro.

Em Ilhéus, durante toda sua estada, sempre esteve cercado pela imprensa, inclusive a nacional, e não se fazia de rogado ao tratar dos mais diversos assuntos ligados à política e economia nacional internacional, analisando estruturas e conjunturas, construindo cenários futuros. E assim passou a ser o maior e mais importante personagem do evento, inibindo figuras importantes da vida política e econômica brasileira.

E não era para menos. Jornalista experiente, político defensor de questões consideradas controversas, polêmicas, verdadeiros tabus, o casamento homossexual, a descriminalização da maconha e profissionalização da prostituição, Gabeira tinha muito a falar por onde andava. Ainda mais quando a questão é sua história, a exemplo da militância política clandestina e as ações na luta armada durante o período da ditadura militar, quando participava do Movimento Revolucionário Oito de Outubro.

Membro fundador do Partido Verde (PV), Gabeira é um esquerdista histórico, tanto que alternou sua militância também no Partido dos Trabalhadores (PT) em diversas eleições. Por essas e outras, Gabeira tinha muito que contar e os jornalistas a perguntar. E esse assédio ficou mais evidenciado durante sua palestra no auditório do hotel em que também se hospedava, o Opaba.

No meio de sua palestra, todas as questões que sempre defendeu foram postas, para delírio dos presentes. Num desses temas, como era de se esperar, a crescente utilização da maconha, não se restringindo ao “cigarrinho maldito”, como se referiam alguns, mas em diversas atividades econômicas. O cânhamo passava a ser visto como commodity e não mais como um problema de polícia ou política social.

Tanto era assim, que uma das demonstrações feitas pelo deputado federal Fernando Gabeira era o seu próprio tênis, fabricado com cânhamo, nome vulgar da Cannabis sativa, arbusto que fornece as folhas para a produção do velho cigarrinho de maconha. E a plateia ficou ouriçada com o exemplo dado pelo deputado. A notícia, por certo, ganharia as manchetes dos rádios, jornais e televisões do mundo inteiro, como efetivamente ganhou.

Mas essa não era a preocupação de um expectador em especial, que não perdia um lance do deputado Gabeira, era o repórter fotográfico Mário de Queiroz, o conhecido Mário Bandeira, identificado como um dos usuários da maconha na sua versão enroladinha. Após os cliques de praxe, sempre buscando o melhor ângulo, Mário finalmente se aproxima de Gabeira e diz baixinho:

– Deputado, deputado, vamos subir ao seu apartamento para darmos uma fumada no seu tênis? – incentivou Mário de Queiroz.

Como era de se esperar, Gabeira respondeu com toda a tranquilidade:

– Olha, Mário, atualmente só uso maconha no tênis. Cânhamo, melhor dizendo – e seguiu respondendo as perguntas dos jornalistas.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Numa movimentação, o mediador Ramiro Aquino percebeu um revólver na cintura do médico Amilton Gomes. Esperou o intervalo e pediu que a arma lhe fosse entregue, discretamente, para ser guardada pelo segurança.

Dirigentes políticos se reuniram para definir a chapa majoritária nas eleições de 2004 em Juazeiro. Participaram Osmar Galdino (Jojó), presidente do PT, Joseph Bandeira, pré-candidato a prefeito ( PT), Paganini Nobre Mota, presidente do PMDB e Geraldo Andrade, coronel reformado da PM e dirigente do PSB.

A discussão foi sobre a vice, cargo disputado por Paganini e Geraldo Andrade, que fez uma pergunta afirmativa: “Eu sou o candidato a vice ou não sou?”

O argumento havia sido colocado em cima da mesa: um revólver calibre 38, carregado. Todos ficaram convencidos e o coronel foi escolhido por unanimidade.

Em Itabuna na campanha de 88 para prefeito, a TV Cabrália promoveu uma série de debates. Num deles, participaram os candidatos Aurélio Laborda, Dr. Zito, Jairo Muniz, Amilton Gomes e Fernando Gomes. Os dois últimos “em pé de guerra”.

Numa movimentação, o mediador Ramiro Aquino percebeu um revólver na cintura do médico Amilton Gomes. Esperou o intervalo e pediu que a arma lhe fosse entregue, discretamente, para ser guardada pelo segurança.

Cenas do debate histórico na TV Cabrália em 1988.
Cenas do debate histórico na TV Cabrália em 1988. Amilton, à direita, estava armado.

Joaci Góes, então Deputado Federal, quando brigou com o senador ACM, passou a portar uma arma. Ele conta que havia a expectativa de ser imobilizado pelos guarda-costas do senador para causar-lhe danos físico e moral. “Então, me preparei para matar ou morrer.”

O ex-presidente escritor José Sarney, quando presidia o PDS, foi com um “três oitão” ao congresso do partido, em 1984, discutir a candidatura de Maluf contra Tancredo.

Sarney articulava contra Maluf e quando chegou ao local poetizou: “estou armado e quem tentar me desmoralizar eu dou um tiro na cara.”

Ele confessou, anos depois, em entrevista ao programa Roda Viva e justificou que os malufistas “falaram que iam me tirar à tapa da presidência do partido, que iam arrancar meu bigode, cabelo por cabelo. Então, achei prudente que eu fosse armado. É chocante, mas é verdade. Não é do meu feitio”.

Outro destaque é o pastor Malafaia, admoestando ovelhas e carneiros a não denunciarem os ladrões: “Teu pastor é ladrão, é pilantra? Sai e vai pra outra igreja.” Encerra com duas frases, uma trágica: “Eu já vi gente morrer por causa disso”. Outra cômica: “Ungido do senhor é problema do senhor. Não é problema teu.”

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

Brizola pediu paciência. O deputado esbravejou: “Tive 600 mil votos, porra, e exijo o que tenho direito”. Disse mais alguns desaforos. Segundo testemunhas, Brizola reagiu: “Fica calado, seu boca suja”.

 

O cantor Agnaldo Timóteo voltou a provocar polêmica ao criticar duramente o senador Aécio Neves. O artista que “estourou” nacionalmente com a música Meu grito (Roberto Carlos) foi introduzido na política por Leonel Brizola (1922-2004).

Quando se candidatou ao governo do Rio de Janeiro (1982), Brizola disse que pretendia colocar na Câmara Federal um índio, uma mulher e um negro. Foram eleitos Agnaldo Timóteo e o único índio da história do Brasil, para o Congresso Nacional, o cacique Mário Juruna.

Brizola e Timóteo tinham em comum o estilo “falo o que penso e não levo desaforo pra casa”, mas divergiam no conteúdo. O primeiro, um político progressista. O artista, conservador. Ou seja, uma relação que tinha tudo pra não dar certo. E não deu.

Logo após a posse, Brizola reuniu seu grupo e explicou as prioridades para os primeiros dias do governo. Agnaldo Timóteo reivindicou financiamento de 100 mil dólares para montar uma gravadora e 30 empregos para cabos eleitorais.

Brizola pediu paciência. O deputado esbravejou: “Tive 600 mil votos, porra, e exijo o que tenho direito”. Disse mais alguns desaforos. Segundo testemunhas, Brizola reagiu: “Fica calado, seu boca suja”. No entanto, Agnaldo disse aos veículos de comunicação que Brizola falou “crioulo boca suja”.

Na eleição indireta para a presidência da República quando Tancredo Neves e Paulo Maluf disputaram os votos do Congresso Nacional, o deputado Agnaldo Timóteo se aliou a Maluf. O Pasquim, com sua irreverência característica, estampou a manchete: “Preto safado apoia branco idem”.

Voltando à crítica ao senador Aécio Neves, Agnaldo Timóteo, comentando sobre o momento político num debate numa emissora de TV, disparou: “Este playboyzinho de Copacabana e Ipanema está agindo como um moleque. Este moleque está querendo que meu país pegue fogo. E eu não quero que meu país pegue fogo, porque pode haver conflito, pode haver morte.”

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

Tempo de leitura: 2 minutos

Freire era uma das referências em medicina na Bahia (Foto Correio).

Itabuna perdeu uma de suas referências em medicina com a morte de Raimundo Freire Brandão, ontem. O médico cirurgião foi submetido a uma cirurgia de ponte de safena e há dias encontrava-se internado no Hospital Calixto Midlej Filho. O corpo de Raimundo Freire foi enterrado no cemitério Campo Santo, em Itabuna.
O colega Rommel Pires lembra que Freire era “um dos grandes cirurgiões de Itabuna”. Junto com amigos como Eduardo Fontes, Freire foi dos primeiros conselheiros da Organização Hospitalar São Lucas, fundador do Hospital São Lucas, hoje administrado pela Santa Casa de Misericórdia de Itabuna. “Era uma pessoa com uma integridade única”, completa Rommel.
26 MIL CIRURGIAS
Itabuna perde uma referência, mas fica o exemplo. Nos 48 anos dedicados à medicina, Freire fez cerca de 26 mil procedimentos cirúrgicos. “Foi o terceiro que mais realizou cirurgias na Bahia”, lembra, emocionado, o colega Eduardo Fontes.
Freire foi diretor do São Lucas, do Hospital Calixto Midlej Filho e do Manoel Novaes, além de chefe de cirurgia-geral do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (Hblem), em Itabuna. Ele também coordenou o Samu 192 na sua fundação, em 2004.
A medicina estava no sangue. Freire era filho de um dos fundadores do Calixto Midlej, o também cirurgião Corbiniano Freire. “Raimundo Freire foi responsável por grande parte dessa turma de médicos de Itabuna”, relembra.
FREIRE E TANCREDO NEVES
A qualidade profissional do médico itabunense pode ser medida por uma das referências na medicina brasileira, o ginecologista e ex-deputado federal Aristodemo Pinotti, falecido em 2009.
Numa entrevista concedida à TV Santa Cruz, em Itabuna, Pinotti disse que Tancredo Neves seria presidente da República “se tivesse adoecido em Itabuna e fosse operado por Raimundo Freire”.
A entrevista é relembrada por Fontes. Tancredo foi escolhido o presidente da República na transição entre os tempos de chumbo e a democracia, na década de 80, mas o maranhense José Sarney, hoje presidente do Senado Federal, acabou assumindo, devido à saúde debilitada do político mineiro operado às vésperas de tomar posse.
Falhas médicas num tratamento de diverticulite agravaram o que, para muitos, era uma cirurgia simples. E os erros forçaram Tancredo a passar por sete cirurgias até a morte, em 21 de abril de 1986 (relembre aqui).
A citação de Pinotti e a memória de amigos revelam bem a falta que Freire fará à nossa medicina.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) flagrou Josué Paulo Filho, de Tancredo Neves, em “mal feitos”. Por isso, acaba de imputar multa de R$ 10 mil e determinar que o prefeito devolva R$ 212.872,00 aos cofres do município.
Em 2008, Josué despejou tubos de verdinhas reais na LA Serviços de Transportes Comércio e Eventos, para transportar os estudantes do município. A empresa tinha apenas um funcionário na sua sede, mas prestava serviços milionários de locação de veículos tanto à prefeitura de Tancredo Neves como às de Araci e Porto Seguro.
A Secretaria Estadual da Fazenda fez diligência, a pedido do TCM, e anotou indícios de superfaturamento e sonegação fiscal. A LA funcionava numa pequena garagem e, como já dito, com um só funcionário.
No caso do município de Tancredo Neves, não foram comprovados serviços no valor de R$ 212,8 mil. O prefeito, reeleito, nem se deu ao trabalho de apresentar defesa no tribunal. Apesar das suspeitas de ter operado grandes negócios com a pequena empresa, Josué ainda pode recorrer da decisão do TCM.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um homem ainda não identificado foi atropelado e morto, nesta terça, 21, após um engavetamento envolvendo dois caminhões e uma VW Kombi, no quilômetro 392 da BR-101, trecho Tancredo Neves-Gandu.
O motorista da carreta fugiu após frear bruscamente e provocar o engavetamento fatal. A carreta (placa JKO-5258) bateu no fundo  de um caminhão dirigido por Maurício Gomes da Silva. Ele não teve tempo de desviar da Kombi.
O motorista do carro de lotação não teve como evitar o pior e atropelou o homem que estava no ponto de ônibus. Duas pessoas saíram feridas do acidente. O motorista da Kombi fugiu sem prestar socorro às vítimas.
De acordo com testemunhas, o motorista da carreta freou para desviar de um buraco aberto há meses, durante uma manifestação dos moradores de Gandu e Tancredo Neves, que cobravam construção de quebra-molas na pista. A freada ocasionou o acidente.
A pista foi interditada por moradores da localidade e o tráfego somente foi liberado no início desta tarde, mas parcialmente.
Outra morte no trecho sul-baiano da BR-101 ocorreu em Mascote, na região conhecida como Mata Escura. Às 4h30min, Alesandro Santana Moreira, 34, morreu numa colisão frontal do seu Fiat Pálio (placas VLN-0337) com um caminhão Mercedes-Benz (MRD-8027), dirigido por Osmilton Silveira Sampaio, 32.
Segundo o motorista do caminhão, o Pálio invadiu a pista contrária e não houve tempo para desviar. Alesandro morava em Pau Brasil, também no sul da Bahia. As informações são do repórter Costa Filho, do programa Tribuna Livre (Rádio Jornal).