Concurso da UFSB oferece vagas para o campus Jorge Amado, em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

Estudantes do campus Jorge Amado da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) prometem interditar a BR-415, no trecho Ilhéus-Itabuna, a partir das 11h30min desta terça-feira (11). O bloqueio deve ocorrer na altura da entrada da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (CEPLAC).

Os estudantes anunciaram que o bloqueio da rodovia (BR que liga a duas maiores cidades do sul da Bahia) é em protesto contra a falta de qualidade no transporte. O serviço é explorado por uma única empresa que não consegue atender à demanda de todos as instituições de educação que surgiram na rodovia nos últimos anos, que segundo Ricardo Santos Delmondes, vice-coordenador do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFSB.

Delmondes afirma que já houve diversas tentativas de se conversar sobre os problemas, tantos com os dirigentes da empresa que explora a linha rodoviária da Itabuna-Salobrinho e Itabuna-Ilhéus, quanto com autoridades das mais diversas esferas públicas.

O campus Jorge Amado foi transferido de endereço no início deste ano, passando do bairro de Ferradas, em Itabuna, onde o espaço era alugado, para um imóvel próprio, nas imediações da Ilhéus-Itabuna. O acesso ao novo campus ocorre pela entrada da CEPLAC. O líder estudantil reclama que houve aumento no número de estudantes usando as mesmas linhas antes da mudança do campus da UFSB.

O transporte seria insuficiente para atender aos estudantes da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) e Unidade do Senai. “Os ônibus saem sempre lotados. Além disso, a empresa reduz a quantidade quando a Uesc entra de férias, se esquecendo dos demais equipamentos educacionais existentes ao longo da rodovia, conforme o estudante.

OUTRO MOVIMENTO

Outro movimento de protesto está sendo organizado para a próxima terça-feira (18), quando haverá caminhada do Jardim do Ó, em Itabuna, até a praça José Bastos, em frente à Reitoria da UFSB. A saída está prevista para às 9h. O protesto faz parte de um calendário nacional de mobilização que protesta contra o desmonte das universidades federais, conforme Ricardo Delmondes.

Para o líder estudantil, os cortes nas verbas fizeram com que a UFSB perdesse a chance de abrir o seu restaurante universitário, vem refletindo no corte de bolsas de pesquisas, projetos de extensão e incentivo à iniciação à docência. Vem atingido ainda os Colégios Universitários em diversas cidades do sul e extremo-sul da Bahia.