Vitalina Silva criou o projeto Educação Antirracista em escola de Camaçari ||
Tempo de leitura: 2 minutos

O projeto Educação Antirracista, criado pela professora baiana Vitalina Silva, é um dos nove finalistas da segunda edição do Prêmio Movimento Luz na Educação (LED). Iniciativa da Rede Globo e da Fundação Roberto Marinho com o propósito de reconhecer e celebrar práticas inovadoras de educação, a premiação será transmitida pela emissora nesta quarta-feira (26), após a novela Travessia. O prêmio contemplará seis iniciativas com aporte financeiro de R$ 200 mil para cada.

Professora de Língua Portuguesa e assessora técnica da Secretaria da Educação da Bahia (SEC), Vitalina Silva representa o estado numa disputa com mais de dois mil inscritos de todo o país. Os 60 projetos selecionados contemplaram as categorias Educadores Inovadores; Estudantes Inovadores; e Empreendedores e Organizações Inovadoras. “Foi uma seleção muito exigente. Quando fiquei entre os 60 selecionados, já me deu uma satisfação muito grande e fiquei esperançosa de entrar para a segunda etapa. Os projetos que concorreram são todos muito interessantes e estar entre os três na minha categoria me gerou uma grande felicidade”, comemora a finalista.

Vitalina explica que a mobilização dos estudantes na compreensão do seu lugar no mundo foi a semente do projeto. “Estamos só colhendo os frutos de um trabalho que deu certo inicialmente na escola e que me motivou a inscrevê-lo no prêmio. A gente quer é que eles estejam preparados para enfrentar o racismo estruturante na sociedade e que as mudanças precisam acontecer a partir de nós”, acrescenta.

A inspiração do projeto, recorda a educadora, nasceu no Centro Educacional Maria Quitéria, em Camaçari, onde trabalha. Na escola, a pauta do antirracismo na Educação é discutida com o objetivo de superar as desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação, diz Vitalina. Esse tipo de debate reflete uma das diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE), criado para que a escola avance na construção de estratégias efetivas de enfrentamento ao racismo e aos preconceitos que estruturam as relações sociais do país.