Tempo de leitura: < 1 minuto

A CDL de Itabuna lança, nesta terça, 13, a campanha promocional de vendas para o período do Dia das Mães ao São João. A solenidade ocorrerá no hall da Columbia Veículos, na avenida José Soares Pinheiro, às 19h.

A campanha deste ano sorteará um carro zero quilômetro, duas motos, 10 televisores de 32 polegadas e 100 vales-compras no valor de R$ 400,00 cada. Será a primeira campanha comandada pelo novo dirigente da entidade, o empresário Jorge Braga.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Nesta madrugada, seis presos fugiram da cadeia pública de Barro Preto, no sul da Bahia. Cinco são envolvidos com o tráfico de drogas e um é acusado de homicídio. De acordo com moradores, a cadeia não tem carcereiro nem policiais civis para fazer a custódia dos presos.

Nesta madrugada, parte dos presos se sentiu à vontade para tomar o caminho da rua. Seis preferiram ficar. De acordo com o repórter João Ailton, os fugitivos são Adenildo Vargem Barbosa, Lenomar Bernardes Oliveira, Carleandro Silva, Cléber Dias Cerqueira, Fábio Silva e Gildeon de Jesus.

Tempo de leitura: 2 minutos

Ary Carlos

Em comentários recentes em alguns blogs, afirmei que só um fato novo movimentaria as posições políticas na eleição majoritária da Bahia. E disse que este fato novo poderia ser o não apoio do senador César Borges a Jaques Wagner (fato dado como certo por todos; inclusive, o governador). Não que o senador seja um puxador de votos – não o é-, mas muito mais pelo fato político criado.
.
De objetivo muda, de imediato, o tempo de rádio e TV de Wagner e Geddel Vieira Lima. Se antes o placar era 11min a 05min para wagner, agora é de 09 a 07. Se levarmos em conta que os candidatos Paulo Souto, Geddel, Bassuma e o do PSOL são oposição a Wagner, poderemos ter aí um placar de 21 a 09min para a oposição.
.
A política de alianças posta em prática por Wagner visava aniquilar os adversários (palavras dele), para ganhar as eleições já no primeiro turno, sem depender dos humores incertos do pleito nacional – ou a desgastante negociação com o PMDB regional em um possível segundo turno aqui na Bahia.
.
A opção do senador Borges por Geddel passa aos indecisos a sensação de que nada está definido e abre para a oposição a perspectiva de união para um provável segundo turno, estancando, por ora, a debandada de lideranças políticas em direção à chapa governista, fato que ocorreria se saísse a união Borges/Wagner.

Na luta contra o PT, Wagner perdeu e o PT não ganhou.

Wagner sabia de tudo isso e se empenhou para fechar a aliança com o PR. Como se sabe, também ainda há por definir apoio para majoritária dos pequenos partidos. PRB, PSL, PSDC, PRP,PTC, PMN, PHS e PTdoB (PTN apoia Souto e PRTB a Geddel) podem acrescentar alguns segundos às coligações que apoiarem. São os chamados partidos redondos – ou seja, não tem lado, coligam-se onde obtiverem mais vantagens. São, digamos, pragmáticos.

Mas, no final, Wagner errou. Acreditou na história contada por Jonas Paulo que o PR estava isolado e, portanto, viria de qualquer jeito. As últimas declarações públicas de Wagner já transparecia isto. As outras lideranças do PT já tinham certeza. Houve salto alto. Subestimaram os adversários, velhas raposas políticas. Esta adesão de César a Geddeel tem ainda outro efeito colateral: aumentará o nível de exigência da base aliada.

Na luta contra o PT, Wagner perdeu e o PT não ganhou, pois a não-coligação proporcional com o PR não altera para melhor as pespectivas eleitorais do partido. E, digo mais, enfraquece a tese do presidente do partido de fazer várias coligações na proporcional.

Ary Carlos é historiador, pesquisador e dirige o instituto de pesquisas de opinião Inpei.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Fonte luminosa da Praça Otávio Mangabeira é só lembrança

Não convidem para a mesma mesa a presidente do diretório itabunense do DEM, Maria Alice Pereira, e o secretário municipal de Indústria, Comércio e Turismo, Carlos Leahy.

Alice responsabiliza o secretário pelas barbeiragens do governo no episódio da relocação dos camelôs da Cinquentenário.  Que nem peru tonto, Azevedo rodou, rodou e não saiu do lugar.

No final da história, definiu-se que o camelódromo vai ficar na Praça Otávio Mangabeira, reformada em 2008 e já abandonada pela Prefeitura. A fonte luminosa, por exemplo, já não funciona há bastante tempo. Pela forma como a gestão atual se conduz, não demora até que a praça esteja totalmente degradada.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Presidente da Câmara assumiria o governo nesta terça-feira. Não deixaram

Nem mesmo com o vice-prefeito de Ilhéus se convalescendo de uma cirurgia delicada (ele foi submetdo a uma redução do estômago), o primeiro mandatário Newton Lima quis entregar o governo àquele que seria o segundo substituto.

Marão, todo costurado e se alimentando de canudinho, assume o cargo nesta terça-feira (13), cobrindo a ausência de Newton, que viaja lépido e fagueiro para a terra do papa.

O mais provável, porém, é que o secretário de Governo, Alcides Kruschewsky, cuide de tudo até o retorno do prefeito, que vai participar de uma feira de investimentos imobiliários.

Deixar a caneta – ainda que por breve período – nas mãos do presidente da Câmara, Jailson Nascimento, foi algo que a cúpula do Paranaguá descartou de pronto.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Após afirmar que sairia sozinho na disputa por vagas à Assembleia Legislativa, o PCdoB deu um ‘cavalo de pau’ e conversa com o PSB. Os cururus querem renovar os mandatos de Javier Alfaya e Álvaro Gomes e ampliar a sua presença com a eleição de outros três nomes. Do outro lado, o PSB tem nomes novos na disputa mas o de maior densidade na disputa a deputado estadual é o militar Capitão Tadeu. Os dois partidos são da base aliada de Wagner.

Tempo de leitura: 2 minutos
Ato reuniu lideranças estaduais do petismo.

O PT faz contas para a Assembleia Legislativa baiana e acredita que o ex-assessor da presidência da Petrobras, Rosemberg Pinto, estará entre os mais votados na corrida por uma das 63 vagas no parlamento estadual e o mais votado da legenda. A julgar pela plenária do pré-candidato, no último sábado, 10, em Salvador, o cara “tá podendo”.

Além de somar algo em torno de 500 pessoas presentes ao ato, obteve declarações de apoios que vão de prefeitos de dezenas de municípios a deputados federais (de Luiz Alberto a Zezéu Ribeiro e Geraldo Simões) e pré-candidatos do PT. De lambuja, tem a certeza da forcinha da primeira-dama do Estado, Fátima Mendonça.

A campanha terá, ainda, o reforço do presidente da Petrobras, o também baiano José Sérgio Gabrielli, que não pôde comparecer ao evento porque a mãe enfrenta problemas de saúde. Mas não deixou de enviar sua mensagem ao amigo na companhia petrolífera.

Ato reuniu cerca de 500 pessoas no hotel Sol Bahia.

Mostrando que não está para brincadeira, Rosemberg já definiu seus coordenadores de campanha por regiões. No sul da Bahia, sua base eleitoral, o nome escolhido foi o do prefeito de Ibicaraí, Lenildo Santana, também do PT.

Outra articuladora, já na região metropolitana, é o da prefeita de São Francisco do Conde, Rilza Valentim (PT), que, contrariando a linha partidária, terá como seu candidato à Câmara Federal o pepista João Leão.