Tempo de leitura: 3 minutos

denise coutinho - ufsbDenise Coutinho | denisecoutinho1@gmail.com

para que a manhã, desde uma teia tênue, / se vá tecendo […] / E se encorpando em tela, entre todos, / se erguendo tenda, onde entrem todos, /se entretendendo para todos, no toldo / (a manhã) que plana livre de armação. / A manhã, toldo de um tecido tão aéreo / que, tecido, se eleva por si: luz balão (João Cabral de Melo Neto).

A Universidade Federal do Sul da Bahia já começa com histórias para contar. Uma das inovações pedagógicas que vem sendo experimentada desde o primeiro dia de aulas é o componente curricular (semelhante ao que antes se chamava disciplina ou matéria) denominado “Fórum Interdisciplinar: Experiências do Sensível”.
Não há, entre nós, registro de qualquer universidade brasileira que tenha  ousado tanto em termos de inclusão curricular. A proposta é compatível com os projetos mais arrojados de educação no mundo. Trata-se de incluir na pauta da formação universitária, de modo concreto e visível, elementos de sensibilidade, convivialidade e afetividade, tendo como foco a produção de subjetividade por parte do estudante e, inevitavelmente, também do professor.
Apreender a ser, aprender a fazer, aprender a conhecer e aprender a conviver são os quatro pilares da educação do futuro proferidos no documento “Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI”. Dentre as tensões a serem superadas no mundo da educação, o documento da UNESCO diagnostica a tensão entre o global e o local: “o esquecimento do caráter único de cada pessoa, de sua vocação para decidir seu destino e realizar todas as suas potencialidades, conservando a riqueza de suas tradições e de sua própria cultura, se não forem tomadas as devidas providências, corre o risco de desaparecer sob a influência das mudanças em curso” (UNESCO, 2010).
Conclui o documento:

Somos levados, portanto, a revalorizar as dimensões ética e cultural da educação e, nesse sentido, a fornecer os recursos para que cada um venha a compreender o outro em sua especificidade, além de compreender o mundo em sua busca caótica de certa unidade; mas, previamente, convém começar pela compreensão de si mesmo em uma espécie de viagem interior, permeada pela aquisição de conhecimentos, pela meditação e pelo exercício da autocrítica (UNESCO, 2010).

Os primeiros relatos dos docentes da UFSB são eloquentes no que diz respeito ao alcance da proposta  e demonstram que esta inovação pedagógica veio para ficar e, com o tempo, será certamente multiplicada no sistema universitário brasileiro.
Vejamos o que relatam as Professoras Lívia Santos Lima Lemos, Doutora em Genética e Biologia Molecular pela UESC e Márcia Nunes Bandeira Roner, Doutora em Ciência Animal, ambas docentes do Campus Paulo Freire em Teixeira de Freitas: “Caros colegas, venho, em meu nome e de Márcia, expor o quanto foi prazeroso a primeira aula de ‘Cores da terra’ do CC: Fórum Interdisciplinar. Os textos produzidos pelos alunos foram emocionantes. Experiências de vida relatadas a partir daquela pequena amostra de terra, que nos deixaram muito entusiasmadas e satisfeitas.

Vários alunos fizeram lindos poemas. Amostras de Terra retiradas de diferentes locais, como da Igreja que frequenta, da UFSB, mostrando a expectativa que tem em ingressar na Universidade, do campo de futebol, da local onde morava uma tia que faleceu, do quintal da casa, do sitio onde os avós moraram…. Muito enriquecedor! Acreditamos que temos a aprender com esses alunos! Enfim, nosso primeiro dia do Fórum Interdisciplinar foi um sucesso!”.
Com o mesmo encantamento, escreveu o professor Rafael Siqueira de Guimarães, psicólogo e Doutor em  Sociologia: “No final do encontro da Experiência do Sensível, ontem à noite em Itabuna, já arrumando as coisas para viajar até Ilhéus, um aluno, que já havia feito um ano de estudos numa outra Universidade soltou: ‘Quero ser professor. Senti em toda minha vida que por mais que eu saiba que o aluno é o protagonista da Educação, em modelos tradicionais ele não passa de um coadjuvante. No dia de hoje não ficamos em segundo plano, estávamos todos juntos, nunca me senti assim antes’. Realmente a potência que este Fórum tem é uma de nossas grandes forças. A afiliação, pelos encontros, é o caminho.”
O professor Augustin de Tugny, arquiteto nascido na França, professor de Artes na UFSB e coordenador do componente “Experiências do Sensível”, registrou, em síntese: “Aqui também em Porto Seguro foi muito rico e cheio de desdobramentos. Uma sinceridade aflora o tempo todo que nos lança o maior desafio. Acompanhar essas experiências do sensível é reaprender o oficio professoral para junto com os estudantes saber fazer existir e pensar.”
A prática de reconhecimento do sensível e o exercício da sensibilidade, por meio do Fórum Interdisciplinar: Experiências do Sensível, é uma aposta da UFSB no presente dos nossos futuros profissionais, cientistas, artistas e demais intelectuais, habitantes dos territórios do Sul da Bahia, que juntos constroem um novo modo de ser e estar na universidade pública brasileira.
Que venham novos relatos!
Denise Coutinho é professora do Instituto de Psicologia da UFBA, cedida à UFSB em seu processo de implantação.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.