Tempo de leitura: 2 minutos

Festival é realizado pela primeira vez em Itabuna (Foto Daniel Thame).
Festival é realizado pela primeira vez em Itabuna (Foto Daniel Thame).
Daniel Thame

A apresentação do espetáculo ‘Anjo Negro’, em homenagem ao ator Mário Gusmão, marcou a abertura do VI Festival Baiano de Cinema (Feciba) no município de Itabuna, no sul do estado, na noite de quinta-feira (9). Encenado pelo Grupo Encantarte, projeto de inclusão social que envolve cerca de 200 jovens do bairro Maria Pinheiro, na periferia da cidade, o musical destacou o papel de Gusmão com a arte e a cultura da região. O evento, promovido pela Voo Audiovisual e Núproarte, com o apoio das secretarias estaduais da Cultura (Secult) e da Fazenda (Sefaz), por meio do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA), teve etapas em Juazeiro e Feira de Santana.

“É importante resgatar a memória de uma pessoa que incentivou o surgimento de novos artistas e contribuiu com sua arte para valorizar e afirmar a cultura negra”, ressaltou o coordenador do Encantarte, Egnaldo França. A primeira noite do Feciba teve ainda a exibição do filme ‘Hereros de Angola’, do publicitário e cineasta Sérgio Guerra, que retrata a luta de um povo nos confins da África para manter suas tradições.

O festival será encerrado neste sábado (11) e terá a exibição de dez curtas-metragens, com destaque para a produção audiovisual baiana. De acordo com o produtor executivo do Feciba, Edson Bastos, “essa é uma oportunidade de aproximar o público do interior do estado de produções de qualidade, que nem sempre estão disponíveis no circuito comercial. Nesse contexto, o apoio do Governo da Bahia é fundamental, numa parceria que vem desde a primeira edição em 2011”.

De acordo com a coordenadora do evento, Cristiane Santana, além de descentralizar a produção audiovisual, o festival também busca incentivar a formação de novos profissionais, por meio da realização de oficinas e mostras de filmes de novos diretores, contribuindo no processo de renovação do cinema baiano. A programação inclui também uma oficina de fotografia, ministrada pelo profissional Jerônimo Soffer.

OPÇÃO PARA CIDADE SEM CINEMA

O Feciba é uma excelente opção numa cidade que não dispõe de salas de cinema. “A programação é diversificada, com filmes excelentes para todos os públicos. Vale a pena participar”, disse o ambientalista Walmir do Carmo. A atriz e militante do movimento negro Alba Cristina, destacou a importância de o evento homenagear Mário Gusmão. “É um reconhecimento a um trabalho que é exemplo para os jovens. É a celebração da arte”.

O festival é composto por sete mostras de filmes – ‘Bahia Adentro’, composta por filmes produzidos em diversas partes da Bahia; ‘Sexualidades’, que explora e discute a temática de gênero nacional e regional; ‘Competitiva de Curtas’, ‘Retrospectiva, dedicada ao ator Mário Gusmão’, ‘Bahia Afora’(abre espaços às produções de outros estados), e ‘Atualidades’(mostra os últimos lançamentos de longa-metragem do cinema baiano).

2 respostas

  1. Egnaldo* França e todo o grupo Encantarte estão de parabéns pelo belíssimo e emocionante espetáculo “Anjo Negro”. Foi aplaudido de pé no Centro de Cultura, abrindo o Feciba em alto nível.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.