Tempo de leitura: 2 minutos

conta de energia coelbaPelo sexto mês seguido, a bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz em setembro será verde, o que significa que não haverá nenhum valor adicional a ser pago pelos consumidores brasileiros. Ao definir a continuidade da bandeira verde, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) considerou o resultado positivo do período úmido e o aumento de energia disponível, com redução de demanda e a adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro.

Havia uma expectativa no setor elétrico de que a bandeira pudesse passar para amarela no mês de setembro, principalmente porque o nível dos reservatórios das hidrelétricas das regiões Norte e Nordeste está baixo para esta época do ano. Quando há pouca água nos reservatórios, é preciso acionar as termelétricas para garantir o suprimento de energia, o que encarece o custo da energia. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o nível dos reservatórios no Nordeste está em 20% de sua capacidade máxima e, no Norte, o nível está em 48,4%.

Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto
A postagem que provocou críticas e a ira de educadores e atores culturais.
A postagem que provocou críticas e a ira de educadores e atores culturais.

Jorge Portugal, secretário de Cultura da Bahia, foi duramente criticado por educadores e atores culturais do Estado por uma postagem em uma das redes sociais. Para muitos, o quadrinho reforça o estereótipo de que baiano é “preguiçoso”. Outros veem o secretário esquecendo-se da liturgia do cargo e derrapando no humor. E, ao derrapar, partiu para as correções gramaticais contra quem se mostrou contrário – ou indignado – com a postagem.

As reações de Portugal às críticas foram neste nível… “O público com o qual me preocupo, de verdade, não está “vivendo do ócio” no facebook.Aliás, vou-me retirar desse debate ” miolo de pote” , por ter que me dirigir a Cajazeiras 6 , onde darei aula, como voluntário, a uma turma de uns 100 estudantes negros, pobres e da rede pública, por óbvio. Continue aí, ” na rede do face” , trabalhadores incansáveis…”. À resposta dele, uma educadora assim reagiu: “Vá para Cajazeiras e deixe as asneiras em casa, por favor. Não vou apresentar credencial para debater contigo, sr. Jorge Portugal. Não sou adepta do “você sabe com quem está falando?””

Tempo de leitura: 3 minutos

daniel thame fotoDaniel Thame | danielthame@gmail.com

 

E se tornou o verdadeiro Menino do Rio. Do Rio de Contas, do Rio de Janeiro, de todos os rios do mundo, porque, como cantou o poeta, se navegar é preciso e viver é preciso, Isaquias pode acrescentar que remar também é preciso.

 

Exatos 1.317 quilômetros separam o Rio de Contas, em Ubaitaba, sul da Bahia, e a Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

1.317 quilômetros que separam e, ao mesmo tempo, unem uma história de superação, que de tão improvável surpreendeu o mundo e fez surgir um novo ídolo brasileiro, no maior espetáculo esportivo do planeta.

A trajetória de Isaquias Queiroz, que emergiu das Olímpiadas 2016 como o maior medalhista brasileiro numa única edição dos Jogos, é ainda mais fascinante porque é fruto do imponderável, ainda que também seja de um talento inato e de muito, muito esforço pessoal.

Menino humilde de Ubaitaba, cidade localizada às margens do Rio de Contas, Isaquias sofreu um acidente doméstico e, em seguida, perdeu um rim ainda na infância. Ganhou dos colegas e assumiu sem maiores traumas o apelido de  `Sem Rim`, personagem que poderia muito bem caber num romance de seu conterrâneo Jorge Amado.

Futuro? Um emprego no comércio em Ubaitaba, quem sabe tentar a vida em Itabuna ou então arriscar-se no ex-Eldorado Paulista, que há muito perdeu o brilho.

Mas, não no meio do caminho, mas às margens do caminho, havia um rio.

E foi neste rio que o menino Isaquias remou contra o destino e reescreveu a sua história.

Na cidade em que a canoa parece fazer parte da indumentária, Isaquias, ainda menino, demonstrou que poderia remar além dos limites do Rio de Contas.

E remou, sem deixa a canoa virar.

Isaquias QueirozA primeira medalha veio em Itacaré, sul da Bahia. Um menino de 10 anos, orgulhoso entre os pais e os amigos.

A medalha não mudou muita coisa. Era preciso continuar remando contra a falta de estrutura, os recursos escassos, o dinheiro contado para disputar competições dentro e fora do Estado. A dura vida de atleta de esportes fora do circuito Futebol/Vôlei.

E Isaquias, com seu  talento,  continuou remando. Cada vez mais forte, cada vez mais longe.

Em 2015, sagrou-se campeão mundial de Canoagem, privilégio então restrito aos privilegiados europeus e suas superestruturas esportivas, com investimentos em atletas desde a base.

O mundo, então, voltou os olhos para o baiano, o Brasil descobriu que havia um canoísta pronto para brilhar nas Olimpíadas 2016. Ainda que não fosse um astro do futebol, Isaquias já não era um anônimo praticante de um esporte que poucos ouviram falar.

Vieram as  Olimpíadas, as duas medalhas de prata (uma delas ao lado do Erlon de Souza, vizinho de Ubatã, outra história de superação), e uma de bronze. Três provas disputadas, três medalhas conquistadas.

Veio, enfim, a consagração, num palco planetário. O nome inscrito na história dos Jogos Olímpicos.

O esporte amador brasileiro, que nunca foi tratado com a seriedade que merece, é pródigo em histórias de superação.

Essa foi a Olímpiada da menina da favela, vítima de racismo, que ganhou o Ouro no Judô, do menino abandonado pelos pais que levou o Ouro no Salto com Vara, do baiano da periferia de Salvador que faturou o Ouro no Boxe.

E foi a Olimpíada de Isaquias Queiroz, que remou contra as correntezas reais e metafóricas, e se tornou o verdadeiro Menino do Rio.

Do Rio de Contas, do Rio de Janeiro, de todos os rios do mundo, porque, como cantou o poeta, se navegar é preciso e viver é preciso, Isaquias pode acrescentar que remar também é preciso.

Daniel Thame é jornalista, escritor e editor do Blog do Thame.

Tempo de leitura: 2 minutos
Geraldo Simões concede entrevista na Difusora e faz caminhada no Santa Inês.
Geraldo Simões concede entrevista na Difusora e faz caminhada no Santa Inês.


Antônio Mangabeira (PDT)

8h – Reunião no diretório do PDT
10h – Gravação de programa para TV e Rádio
14h – Visita a Ferradas, com concentração na praça do bairro
17h – Confraternização na Roça do Povo

Augusto Castro (PSDB)
8h – Corpo a corpo no Calçadão da Ruy Barbosa
14h – Visita ao São Pedro
19h – Gravação para o horário eleitoral

Capitão Azevedo (PTB)
8h – Visita à Feira da Califórnia
10h30min – Evento de lançamento de candidatura a vereador
14h – Visita à Nova Itabuna
18h30min – Reunião com candidatos a vereadores
20h – Reunião no Novo Horizonte

Coronel Santana (PTN)
9h – Visita à Mangabinha e ao Zildolândia
15h – Reunião em N. Ferradas com moradores, candidatos a vereadores e lideranças
16 – Visita à Vila de Mutuns na festa de Nossa Senhora da Glória

Davidson Magalhães (PCdoB)
9h – Caminhada na Califórnia
14h30min – Reunião com a coordenação política da campanha
18h – Reunião com a candidata a vice-prefeita, Leninha da Autoescola

Fernando Gomes (DEM)
8h – Gravação de programa eleitoral
15h30min – Visita ao bairro Mangabinha
18h – Procissão de Mutuns

Geraldo Simões (PT)

11h – Entrevista ao Resenha da Cidade (Rádio Difusora)
14h – Caminhada no Santa Inês (encontro na praça do bairro)

Zé Roberto (PSTU)
8h – Visita e panfletagem no Centro Comercial
14h – Reunião do diretório do PSTU de Itabuna
19h – Reunião com a coordenação de campanha

ILHÉUS

Nazal e Marão cumprem agenda .
Nazal e Marão cumprem agenda de visitas neste sábado.

Marão (PSD)
7h30min – Visita à Feira do Malhado
16h – Visita ao Ilhéus II
17h30min – Lançamento de candidatura de vereador na Urbis

Gurita (PSC)
9h – Caminhada Adventista
14 – Visita ao São Miguel
15h – Visita a Acuípe
16h – Caminhada no N.Senhora da Vitória, saindo do ponto final

Professora Carmelita (PT)
7h – Corpo a corpo na Central de Abastecimento
10h – Inauguração do Comitê Central
12h – Participa de atividade de candidata a vereadora
15h – Corpo a Corpo na Vila Lídia/Av. Itacanoeira