Tempo de leitura: 2 minutos

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, se reuniu nesta terça-feira (24), em São Paulo, com dirigentes do Hospital Israelita Albert Einstein, para apresentar a modelagem da Parceria Público-Privada (PPP) que será lançada pelo governo baiano ainda este ano, a fim de gerir e ampliar o Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas.

O Hospital terá 265 leitos, sendo 70 de UTI e a sua gestão licitada na Bolsa de Valores. Segundo Vilas-Boas o objetivo é “atrair hospitais de excelência para sua gestão”.

De acordo com o secretário, a relação da Secretaria da Saúde da Bahia com o Einstein vêm sendo construída ao longo dos dois últimos anos. “O hospital paulista tem prestado consultoria na área de gestão hospitalar a fim de aumentar a eficiência da rede estadual”, afirma Vilas-Boas.

O Einstein é uma das cinco entidades de excelência que integram o Programa de Desenvolvimento de Apoio Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), responsável por projetos em parceria com o Ministério da Saúde e demais entes federados em prol de fortalecer e aprimorar o Sistema Único de Saúde (SUS). O programa é fundamentado na expertise dos hospitais de excelência e atua nas áreas de capacitação, incorporação de tecnologia, pesquisa e gestão em serviços de saúde.

Além do perfil assistencial e da modelagem econômico-financeira da PPP do Hospital Metropolitano, foram apresentados os investimentos já realizados e os que deverão ser empreendidos após a concessão. O encontro contou com a participação do CEO do Hospital, Henrique Sutton Neves, da diretora de Consultoria, Anarita Buffé, e do diretor-superintendente do Instituto Israelita de Responsabilidade Social, Guilherme Schetinno.

HOSPITAL METROPOLITANO

Entre obras e equipamentos, a unidade recebeu investimentos superiores a R$ 173 milhões e iniciará a operação no primeiro trimestre de 2021. O hospital é de grande porte, com 27.900 metros quadrados de área construída e seis pavimentos. A unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma (particularmente o trauma raquimedular), acidente vascular cerebral (AVC), neurologia, medicina nuclear e contará com dez salas de cirurgia, informa a Sesab.

Um dos destaques do projeto é a área de alta complexidade cardio e neurovascular, com Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atenderá pacientes na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico e angioplastia. O hospital também implantará o programa de transplante de fígado e cirurgias bariátricas para pacientes diabéticos.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.