Tempo de leitura: 2 minutos

Funcionários do São José e da Maternidade cobram salário de dezembro

Os mais de 300 funcionários do Hospital São José e da Maternidade Santa Helena, mantidos pela Santa Casa de Ilhéus, ameaçam fazer paralisação devido ao atraso de salário. Os profissionais em saúde e trabalhadores de apoio da instituição ainda não receberam dezembro, que deveria ter sido pago até o último dia 8.

“A Santa Casa é o maior prestador de serviços da área de saúde do setor privado em Ilhéus. Até agora, o salário de dezembro não foi pago”, diz o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Itabuna e Região (Sintesi), Raimundo Santana.

O dirigente lembra que já houve intervenção do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Conselho Municipal de Saúde para dar solução aos atrasos de salário na instituição. “A situação não se resolveu. Os trabalhadores estão em situação de extrema dificuldade financeira”, reforça Raimundo.

O Sintesi, afirma Raimundo, tem adotado postura de responsabilidade para não paralisar o atendimento em saúde no período de pandemia, mas os atrasos têm sido constantes. “Pode ser que não tenhamos outra alternativa a não ser a paralisação, greve, caso não haja pagamento de salário”, emendou.

PROVEDOR: “PREVISÃO É A GENTE RECEBER ATÉ SEXTA”

Provedor da Santa Casa de Ilhéus, Eusínio Lavigne disse ao PIMENTA que honrar compromisso com os funcionários depende de a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) pagar pelos serviços prestados em novembro. “A previsão é a gente receber até sexta-feira. Recebendo [da Sesau], a gente paga [aos funcionários] imediatamente”, afirmou.

Eusínio reconhece as dificuldades dos funcionários da Santa Casa, mas ressalta que a instituição “não tem fábrica de dinheiro”. Segundo ele, os atrasos nos pagamentos à Santa Casa, por parte do município, tornaram-se recorrentes desde outubro do ano passado. Ele exemplifica que o pagamento pelos atendimentos e procedimentos prestados aos usuários do SUS  em novembro deveriam ter sido pagos pela Sesau, no máximo, até o final de dezembro. “Normalmente, seria dezembro”.

SESAU

O site tentou falar com o secretário de Saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, para que ele explicasse as razões do atraso no pagamento ao prestador de serviço do SUS. Por meio de mensagem, ele informou que não poderia atender naquele momento. O espaço está aberto para explicações.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.