Juliano Aguiar Oliveira (em destaque) é acusado de matar a vítima por vingança
Tempo de leitura: < 1 minuto

O coordenador Regional da Polícia Civil, o delegado André Aragão, informou nesta quinta-feira (20), que o homem morto no início da noite de ontem (19), na Avenida J. S. Pinheiro, no Centro Comercial de Itabuna, foi vítima de vingança. Renailton Evangelista dos Santos, de 46 anos, acabou assassinado ao descer de um ônibus de transporte clandestino de passageiros que fazia a linha São Paulo-Itabuna.

De acordo com o delegado André Aragão, um dos acusados de envolvimento na morte de Renailton Evangelista foi preso logo depois do crime. O suspeito, segundo a polícia, é Juliano Aguiar Oliveira, de 27 anos. O criminoso recebeu informações sobre a chegada da vítima a Itabuna, de onde tinha fugido depois de cometer assassinato em 2008.

Segundo André Aragão, a pessoa morta há 13 anos era parente de Juliano Aguiar, que decidiu fazer justiça com as próprias mãos. Uma pistola, que pode ter sido usada no crime, foi apreendida com o suspeito. Juliano, o Dhuli, teve a ajuda de outro criminoso. O segundo atirador é procurado pela polícia, informou o delegado.

ACUSADO É EX-PRESIDIÁRIO

O delegado regional destacou que a arma que teria sido usada no crime é de difícil acesso. Ainda conforme a autoridade policial, Juliano Aguiar saiu do presídio em setembro do ano passado, após cumprir pena de 4 anos de prisão por tráfico de drogas e seria integrante de uma facção criminosa que atua em Itabuna.

Renailton Evangelista morava em São Paulo desde 2008 e retornou a Itabuna para visitar o pai, que está adoentado. Além de Evangelista, o motorista do ônibus que fazia o transporte clandestino de passageiro foi atingido, mas foi atendido no Hospital de Base e liberado logo em seguida. A polícia deve concluir o inquérito em 10 dias.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.