Taxista de Itabuna foi assassinado em Buerarema
Tempo de leitura: 2 minutos

As investigações da Polícia Civil apontam que o taxista Carlos Henrique Duarte, de 32 anos, encontrado morto na BR-101, no trecho que dá acesso à cidade de Buerarema, no sul da Bahia, pode ter sido assassinado por um casal, que teria solicitado uma corrida. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (9) pelo delegado Clodovil Moreira.

Em entrevista ao programa Bahia Meio Dia, da TV Santa Cruz, afiliada da Rede Bahia, o delegado titular da cidade de Buerarema contou que os suspeitos ainda não foram identificados. Ele também afirmou que o crime teria sido cometido no local acertado como destino da corrida.

“Informações obtidas aqui na cidade dão conta de um casal, que havia solicitado a corrida, chegou no ponto de destino, possivelmente no trevo [de Buerarema]. Não chegarem nem a descer do veículo, solicitaram que ele retirasse a bagagem do fundo e quando ele foi retirar, já foi alvejado e caiu”, disse o Clodovil Moreira.

FUGA A PÉ

Segundo o delegado de Buerarema, os suspeitos teriam fugido do local sem veículos de apoio. “Saíram em fuga pela BR-101 andando, sem a utilização de qualquer veículo”, contou.

O crime ocorreu na noite de quarta-feira (7) e o corpo de Carlos Henrique Duarte foi enterrado na quinta (8), no cemitério Campo Santo, em Itabuna.

O delegado também revelou que ainda não encontrou câmeras de segurança que possam ajudar na identificação do casal. A Polícia Civil fez buscas no local e tem informações de que será possível descrever as circunstâncias do crime, segundo ele.

“Na próxima semana será a semana de formalização dessas declarações, depoimentos, oitivas de pessoas que poderão contribuir com a identificação e materialidade desses crimes”, afirmou.

DINHEIRO DEIXADO PARA TRÁS

O celular e a carteira do taxista, assim como uma quantia de R$ 199, foram encontrados ao lado do corpo. O material e o carro dele foram levados para o Departamento de Polícia Técnica de Itabuna, para serem periciados.

De acordo com amigos da vítima, Carlos recebeu uma ligação, saiu de uma praça no centro de Itabuna, onde esperava por clientes e logo depois chegou a notícia de que ele tinha sido morto.

“Eu sempre tive ele como uma pessoa batalhadora, tanto é que ontem ao receber o telefonema, ele estava trabalhando na praça da rodoviária. Era uma pessoa alegre, comunicativa, não tinha cara feia”, disse o presidente do Sindicato dos Taxistas, Eduardo Cardoso. Do G1

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.