Isaquias faz o Kamehameha no pódio de Tóquio || Foto Franck Robichon/EFE
Tempo de leitura: 2 minutos

Thiago Dias

Quem visita a Casa de Cultura Jorge Amado, em Ilhéus, vê artigos que pertenceram ao escritor. Lá estão uma máquina de escrever Olivetti, livros, móveis e camisas com estampas florais. Uma das camisas é da marca Kamehameha e foi fabricada no Havaí, segundo a etiqueta da peça. Quando a vi, lembrei do canoísta ubaitabense Isaquias Queiroz. Para receber sua medalha de ouro nos Jogos de Tóquio, ele subiu ao pódio reproduzindo um gesto marcial do anime Dragon Ball, o Kamehameha.

Kamehameha, segundo a Wikipédia, também é o nome do rei que unificou os domínios das ilhas havaianas. Daí a referência na marca da camisa de Jorge. Já em Dragon Ball, Mestre Kame vive numa ilha do Oceano Pacífico, na companhia de uma tartaruga (kame, em japonês). É ele quem ensina o Kamehameha ao protagonista da história, o carismático Goku.

Camisa da marca Kamehameha exposta na Casa de Cultura Jorge Amado, em Ilhéus

Dragon Ball condensa elementos de diversas narrativas míticas, como a do gênio da lâmpada mágica (representado pelo dragão Shenlong) e a transformação dos saiayjins (povo do planeta Vegeta, onde Goku nasceu) no gigante Oozaru, que remete ao mito do lobisomem, especialmente por causa da relação com a lua cheia. Essa mistura deve ter favorecido o sucesso planetário e longevo da história, cuja primeira publicação data de 1984. Outro elemento central, naturalmente, é o carisma do protagonista.

Isaquias tem a mesma simplicidade carismática de Goku, sem falar na força, mas as semelhanças param aqui. Não há magia nas mãos do canoísta, e os treinos dolorosos de Goku são fictícios.

Na final olímpica da canoagem rápida, a explosão muscular que garantiu a média acima de 64 remadas por minuto, impulsionando a canoa brasileira para a vitória, foi o resultado de uma longa preparação, com dois ciclos olímpicos no caminho. Em mais de uma ocasião, entrevistado em Tóquio, Isaquias falou do quanto é doído manter o ritmo veloz e forte da remada. Com o perdão da cacofonia, herói mesmo é o Goku de Ubaitaba, que recebe a visita do filho ilustre neste sábado (14).

Thiago Dias é repórter e comentarista do PIMENTA.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.