Vice-governador João Leão mira autossuficiência da cacauicultura baiana
Tempo de leitura: 2 minutos

A região oeste da Bahia e o Piemonte do Paraguaçu devem se tornar as novas fronteiras da cacauicultura baiana, na opinião do vice-governador João Leão, secretário do Planejamento do Estado. Com o apoio de técnicos da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Leão mapeia as regiões aptas para o plantio de cacau com irrigação, dentro da Agenda Territorial de Desenvolvimento (AGTER) da Seplan.

“O Brasil é o sétimo produtor mundial de cacau. De acordo com dados do IBGE, a safra de 2020 atingiu 269 mil toneladas (t). De acordo com a Secretaria de Agricultura do Estado (Seagri), a Bahia é o segundo maiory produtor da cultura no país com 107 mil toneladas, já o Pará fica em primeiro lugar (144 mil t). A Bahia possui uma área plantada de cacau de aproximadamente 450 mil hectares e cerca de 70% desta área é cultivada por meio do sistema Cabruca. No estado há aproximadamente 45 mil produtores de cacau. Mesmo com este cenário de crescimento, a Bahia tem ainda uma deficiência de mais de 70% em relação ao cacau que é produzido, tendo que importar amêndoas do Pará e de países da África e Ásia. Queremos mudar este cenário”, afirma Leão.

Mudas de cacaueiro em estufa de fazenda no oeste da Bahia

De acordo com o vice-governador, além da produção consolidada na região sul da Bahia, o oeste será um novo polo, por meio do projeto de expansão desta fronteira da cacauicultura. Hoje, revela o gestor da Seplan, já há produção em Riachão das Neves, com o Grupo Schmidt Agrícola, Tamafe Tecnologia, a TFR Consultoria Agrícola, que estão implantando o projeto da BioBrasil, com um viveiro que já possui 120 mil mudas que vai fomentar a produção na região.

Outra referência nestas novas fronteiras agrícolas do cacau baiano, a Fazenda Santa Colomba, no município de Cocos, estima uma primeira safra com produtividade acima de 170 arrobas por hectare. O empreendimento possui 200 ha de cacau plantados e gera cerca de mil empregos.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.