Funcionários do hospital recebem orientações para lidar com acompanhantes
Tempo de leitura: 2 minutos

O Núcleo de Segurança do Paciente, do Hospital Materno-Infantil Dr. Joaquim Sampaio, em Ilhéus, promove encontros com trabalhadores da instituição com o objetivo de esclarecer sobre as medidas de controle de acesso de acompanhantes à unidade hospitalar. As medidas cumprem as orientações técnicas do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) sobre o funcionamento dos serviços de saúde na vigência da pandemia pela Covid-19.

As primeiras reuniões acontecem com as equipes do setor de recepção, mas incluem também representações de outras áreas do hospital em pequenos grupos. “A recepção é porta de entrada. Mas entendemos que não dá para promover uma ação desta sem que todas as atividades do hospital estejam inseridas e entendendo os procedimentos. Todos precisam estar antenados às orientações adotadas”, explica a enfermeira Cláudia Almeida, coordenadora do núcleo.

CONTROLE

Para ter acesso ao hospital, o acompanhante responde questionário e apresenta comprovante da vacinação da Covid-19 e Influenza, por meio de cartão de vacinação ou eletrônico, através do aplicativo ConecteSUS do Ministério da Saúde – ou aplicativo próprio do município de residência, caso exista. No caso da Covid, o esquema vacinal completo deve estar de acordo com o Plano Nacional de Imunização, que recomenda a primeira, segunda e terceira doses, com intervalos entre a segunda e terceira dose de 150 dias.

Segundo regras atualizadas pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde, o acompanhante deverá permanecer pelo tempo total de internação da paciente. Ainda na recepção, todos terão que portar uma pulseira na cor laranja contendo nome do acompanhante e do paciente, leito e ala do hospital. “Além de usar pulseira até a saída da unidade, ele vai ter um facilitador para evitar circulação desnecessária nos corredores do hospital”, explica a enfermeira.

Visitas estão proibidas enquanto não houver uma queda no nível de internação e transmissibilidade do vírus.

CONDUTAS

Cláudia Almeida acrescenta que, apesar de algumas destas medidas internas já estarem em vigor, a metodologia aplicada no momento permitirá à instituição buscar uma relação de excelência, permitindo a construção de relatórios e estatísticas sobre os efeitos da pandemia em seus pacientes, acompanhantes e trabalhadores.

Na roda de conversa com os trabalhadores, a coordenadora destaca que é na entrada do hospital que se tem uma maior possibilidade de oferecer orientações sobre o comportamento correto, a exemplo do uso de máscara e do álcool em gel. “Na medida em que você começa a envolver as pessoas, não porque é uma obrigação, mas sim uma ponderação, você passa a garantir a segurança do paciente e o próprio desenvolvimento da atividade”, conclui.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.