Trabalhadores resgatados do trabalho escravo
Tempo de leitura: 2 minutos

A Bahia registrou, em 2021, o maior número de trabalhadores resgatados de trabalho análogo ao escravo nos últimos 7 anos: 188 pessoas foram resgatadas em todo o estado. Os dados são da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo da Bahia (Coetrae/BA), coordenada pelo Governo do Estado.

Os resgastes ocorreram nos municípios de Salvador, Xique-Xique, Conceição do Coité, Feira de Santana, Canavieiras e Aracatu. A comissão, que tem à frente da coordenação a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), atua no enfrentamento e acolhimento das vítimas, por meio de trabalho integrado com diversos órgãos estaduais e federais.

O número de trabalhadores resgatados só não é maior do que o registrado em 2015, quando 339 pessoas foram salvas em operações da Coetrae/BA. No período de 2012 a 2021, 1.056 trabalhadores foram atendidos pela comissão.

MULHER TRABALHOU POR 32 ANOS EM CONDIÇÕES ANÁLOGAS À ESCRAVIDÃO

Antônia, nome fictício de vítima socorrida pela Coetrae, tinha 15 anos quando começou a trabalhar como empregada doméstica e cuidar de três senhoras, no município de Amargosa. Foi embora em 2020, com 47 anos, depois de ser resgatada pela Coetrae-BA já em Salvador, local onde morava com as mesmas pessoas.

“Eu comecei a trabalhar muito nova e não tinha horário de trabalho algum. O expediente era da hora que eu acordava até a hora que eu ir dormir, às vezes inclusive no meio da madrugada. Nunca tive carteira assinada ou qualquer benefício. Eu poderia já estar aposentada se tivesse sido feito tudo direito comigo”, diz Antônia.

A mulher recebeu ajuda de vizinhos, em Salvador, que denunciaram a falta de direitos e a rotina de trabalho exaustiva a que Antônia era submetida. Sem direito a estudar, ela diz que vai recomeçar sua vida.

“Tem um processo que está na Justiça. Espero poder continuar minha vida, comprar a minha casinha e retomar meus estudos. Vou começar a estudar de novo agora e é o que eu mais espero”, completou a trabalhadora, que hoje vive com o irmão em um município do interior da Bahia.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.