Gradil de proteção na Aziz Maron não resistiu à enchente. Não passou por reparo || Foto Pimenta
Tempo de leitura: 4 minutos

A enchente de dezembro de 2021 deixou marcas profundas em Itabuna e alterou o visual de uma das poucas regiões adequadas para lazer e prática de exercícios no município, a Beira-Rio. Mais de dois meses depois da enchente, também persiste o abandono daquela região, principalmente nas avenidas Aziz Maron, Mário Padre e Avenida Fernando Cordier.

Antes da chuva, a avenida necessitava de revisão do sistema de iluminação e de ações de zeladoria. Vândalos arrancaram grades de proteção nas margens do Cachoeira. A enchente deixou o cenário mais degradado. E a iluminação pública ruim deixa a região com aspecto inóspito.

A proteção para passantes também foi destruída pela ação da chuva, assim como parte da calçada, e o município ainda não fez os reparos necessários. “Dois meses depois, parece que choveu há dois, três dias”, critica Nilde Souza, que afirma caminhar pela Beira-Rio, pelo menos, duas vezes na semana.

Gradil de mirante da Beira-Rio cedeu com a força da água de dezembro e não foi reposto || Foto Pimenta

Quem joga futebol de areia também cobra a restauração da arena de uma das cabeceiras da ponte que liga o Centro e a região do São Caetano. A enchente destruiu o alambrado e “despejou” entulhos na arena. As chuvas recentes formaram um lago onde antes era local de prática de futebol.

Arena foi devastada pela enchente; secretário diz que será recuperada pelo Estado || Foto Pimenta

“Eu passo aqui todos os dias para ir pro trabalho. Tristeza esse abandono, essa falta de ação da Prefeitura”, afirma o padeiro José Ivan Souza, que aponta em direção ao São Caetano para lembrar que o centro administrativo fica próximo dali. E, também, para mostrar que o corrimão da ponte bastante avariado ainda não foi substituído e que pode lesionar quem trafega pela ponte.

Carlos, ao fundo, e Lázaro lamentam abandono da academia de saúde ao ar livre || Foto Pimenta

ACADEMIA AO AR LIVRE DESTRUÍDA

O abandono pode ser constatado, ainda, na academia ao ar livre próximo à cabeceira da ponte de pedestres do Conceição. Quase todos os equipamentos e aparelhos foram destruídos pela ação do tempo e falta de manutenção, a exemplo do remo, distanciando não apenas jovens.

Carlos Cruz é das presenças constantes e que ajuda a manter o pouco que restou da academia ao ar livre. Também leva aparelhos próprios para ajudar quem sempre usava a academia e hoje não tem a quem recorrer. “Jovens, crianças vêm para a Beira-Rio, querem brincar, fazer exercícios. Gente de idade, que tem lesão e gosta de fazer atividade tá impossibilitado de fazer”, afirmou.

Carlos disse que o vice-prefeito e secretário de Esporte e Lazer, Enderson Guinho, esteve no local ainda no ano passado (“antes muito da enchente”). Prometeu que os aparelhos seriam substituídos e academias ao ar livre seriam instaladas também no bairro. Carlos, um guardião do que restou da academia, ainda tem esperança de que a realidade do local mude.

Aparelho de remo não resistiu à ação do tempo e ao mau uso || Foto Pimenta

Lázaro Silva é vigilante e passou a praticar exercícios físicos na academia ao ar livre há cinco anos. Os aparelhos foram instalados na Beira-Rio em 2017. O vigilante lamenta o sucateamento dos aparelhos.

“Muitos idosos vinham aqui sempre. Todos sumiram. Era espaço para atividade física. Está tudo quebrado. Não tem nem como reformar mais. Tem que colocar [aparelhos] novos para que o pessoal retorne”, afirma Lázaro, entristecido com a cena. “Há até espaço para instalação de mais aparelhos”, completa.

OUTRO LADO 

Por meio da Assessoria de Comunicação, a Prefeitura de Itabuna informou que os equipamentos da Academia de Saúde ao ar livre serão retirados e recuperados na oficina própria do município. A academia possui aparelhos como remo, simulador de andada e outros para exercitar cintura e coordenação motora, todos corroídos pela ação do tempo ou danificados pelo mau uso.

O gradil danificado das margens da Beira-Rio entre as pontes do São Caetano e Marabá será retirado para reparo e recolocado.  Quanto a entulhos presos à vegetação, a retirada ocorrerá após a área de meio ambiente e a Biosanear definir a técnica mais segura para a limpeza.

Enchente de quase três meses fez “nascer” um “pé de lixo” na Beira-Rio || Foto Pimenta

O secretário de Relações Institucionais e Comunicação, Alcântara Pellegrini, diz aguardar licitação do governo baiano para a reforma da quadra poliesportiva e da arena de futebol da cabeceira da ponte do São Caetano. A obra integra pacote de R$ 730 mil, acrescentou.

Não há prazo para quando ocorrerá a licitação nem o início das obras, mas, informou Alcântara, a demanda está entre os compromissos do prefeito Augusto Castro e do secretário estadual de Trabalho, Renda, Emprego e Esportes (Setre), Davidson Magalhães.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.