Tempo de leitura: 2 minutos

O Hospital Calixto Midlej Filho, da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, tornou-se a primeira instituição de saúde do sul da Bahia a fazer uma ablação percutânea hepática por radiofrequência, procedimento minimamente invasivo. O paciente de 57 anos também passou por uma ressecção cirúrgica no pâncreas. A intervenção durou cerca de três horas e eliminou dois tumores.

Os tumores foram descobertos durante exames de rotina. “Caso não fosse descoberto naquele momento, a tendência era de que a qualidade de vida desse paciente piorasse muito. O tumor poderia se espalhar ainda mais, causar outras metáteses, além de dores e compressão de cálculo via biliar”, explica o médico Humberto Alves, responsável pelo procedimento.

As ablações por radiofrequência são indicadas para cânceres de órgãos como pulmões, fígado, rim, tireoide além de lesões ósseas. A técnica consiste na destruição dos tumores como o calor emitido  por radiofrequência ou micro-ondas. Usa-se uma agulha guiada por tomografia computadorizada ou ultrassonografia para chegar à região atingida pelo câncer. Uma das muitas vantagens é que os riscos e taxa de complicação são muito baixos, segundo especialistas.

Como o procedimento é minimamente invasivo, o paciente do Calixto Midlej não perdeu parte significativa do fígado na retirada da metástase hepática. Sem essa técnica, ele perderia um pedaço maior do órgão.

O médico Humberto Alves explica que a ablação por radiofrequência é uma técnica ainda pouco realizada no interior da Bahia, mas um procedimento com pouco risco. O uso da técnica é padronizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar e coberto pelos planos de saúde.

TUMOR NO PÂNCREAS

Paciente já recebeu alta e terá vida normal, segundo médico

Além da ablação por radiofrequência no fígado, a equipe de cirurgia do aparelho digestivo, capitaneada pelo médico Paulo Amaral, fez a ressecção de um tumor no pâncreas do paciente, que já teve alta hospitalar. “Resolvemos tanto a metástase no fígado quanto o tumor no pâncreas do paciente, que corria o risco de enfrentar graves complicações”, explica cirurgião.

Coordenador da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Itabuna e médico intensivista do Hospital Calixto Midlej Filho, que também fez parte da equipe que atuou na cirurgia remoção do tumor no pâncreas, Eric Júnior avalia que os procedimentos foram um sucesso. “A nossa expectativa é que o paciente siga com a vida normal”.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.