Lula e Ciro em encontro no final de 2020: petista pode seduzir eleitor do adversário com propostas
Tempo de leitura: 3 minutos

Mesmo sem apoio do pedetista, que, naturalmente, não vai declarar voto no adversário, o exemplo do acordo com Marina mostra que Lula pode piscar para o eleitorado de Ciro com recursos mais sedutores do que o mero apelo ao voto útil.

Thiago Dias

Ciro Gomes é dos melhores quadros políticos do Brasil, como provou nas oportunidades em que esteve à frente de cargos importantes. Seu poder analítico e sua capacidade propositiva são raros. Conhece os problemas históricos do Brasil e tem propostas factíveis para superá-los, ainda que sujeitas a críticas à esquerda, das quais nenhuma chapa com Alckmin na vice poderia escapar.

Ressalto dentre essas críticas a ilusão de que a burguesia do Brasil, que presta continência à bandeira norte-americana, tenha qualquer interesse num Plano de Desenvolvimento Nacional, título da obra que reúne as propostas de Ciro – a caricatura viva da burguesia pátria é o Véio da Havan vestido de Louro José diante de uma réplica da Estátua da Liberdade!

Feita a ressalva, passo a quatro temas recorrentes no discurso do pedetista: justiça tributária, fim do teto de despesas com serviços básicos do Estado, regulação do sistema financeiro e mudança da política de preços da Petrobras.

Alguém contesta a necessidade de o país superar o caráter regressivo do seu sistema tributário? Eis a essência da reforma tributária proposta por Ciro.

Quem duvida da insustentabilidade de um teto de gastos que estrangula os já precários serviços públicos, enquanto as despesas com os serviços da dívida são as únicas sem limites?

Como discordar da constatação de que o sistema financeiro do país é oligopolizado, que impõe juros escorchantes num mercado de concorrência simulada e que, portanto, precisa ser regulado juridicamente e pressionado por fortes bancos estatais?

Até quando estados e municípios pagarão a conta para que a Petrobras mantenha patamares elevadíssimos de lucros para os acionistas, sem que isso implique em obrigar o brasileiro a pagar mais de 7 reais pelo litro da gasolina? Esse é um tema que saiu do radar momentâneo, mas voltará à baila na virada do ano.

O consenso sobre a necessidade de tais medidas, em qualquer debate honesto, deveria ser o ponto de partida da política nacional a partir de 2023, ao invés do rebaixamento da agenda a uma defesa da democracia em termos abstratos, que tem seu valor tático, mas é extremamente limitada para a luta da classe trabalhadora em meio ao tensionamento do conflito redistributivo.

Também é de Ciro a defesa de que o debate político supere o culto personalista e passe à discussão de projetos. O lado cruel dessa atitude republicana é que ela força o seu defensor a admitir que suas boas ideias podem ser aproveitadas pelo seu adversário político, neste caso, Lula, se o petista for eleito presidente pela terceira vez.

Dito isso, retomo a obviedade do título desse comentário. Se boa parte dos eleitores de Ciro está mais interessada na realização das reformas que ele propõe do que na vitória eleitoral do pedetista, racionais, esclarecidos e republicanos que são, é de se esperar que uma fatia considerável deles recebesse com bons olhos um compromisso de Lula com a agenda cirista.

Guardada a diferença crucial entre os contextos, algo parecido ocorreu com Marina, já que os eleitores da ex-ministra são instados a votar em Lula sob o apelo de um acordo programático em defesa de políticas ambientais.[

Mesmo sem apoio do pedetista, que, naturalmente, não vai declarar voto no adversário, o exemplo do acordo com Marina mostra que Lula pode piscar para o eleitorado de Ciro com recursos mais sedutores do que o mero apelo ao voto útil.

Thiago Dias é repórter e comentarista do PIMENTA.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.