Joaques, Marão e o termo de compromisso assinado na sede do Sinsepi || Foto PMI
Tempo de leitura: 2 minutos

O secretário-geral do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Ilhéus (Sinsepi), Rafael Santos, criticou a ausência de estudo de impacto financeiro para implementação do plano de carreira da categoria na Lei Orçamentária Anual (LOA) do município para 2023. Ele falou sobre o assunto em audiência na Câmara de Vereadores, nesta quarta-feira (16).

O representante sindical relembrou que o prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD), havia assumido o compromisso de apresentar estudo de viabilidade orçamentária do plano, há dois meses, quando participou da inauguração da sede do Sinsepi.

Termo de compromisso assinado por Marão

“Estive reunido com servidores e diretoria do Sinsepi para poder assinar o termo de compromisso para estudo técnico de viabilidade para o Plano de Cargos e Salário dos servidores municipais, mais um grande avanço para a categoria na nossa gestão”, declarou Marão, que foi às lágrimas naquele dia 16 de setembro.

Um mês depois, em 21 de outubro, o presidente do Sinsepi, Joaques Silva, informou a Marão que o estudo de impacto do Plano de Cargos e Salários não foi anexado ao projeto da LOA de 2023 e solicitou a inclusão do anexo no documento enviado à Câmara.

Rafael Santos cobra Governo Marão em audiência na Câmara || Imagem da TV Câmara

Ao PIMENTA, Rafael Santos afirmou que, até o momento, o governo não respondeu o ofício protocolado no Gabinete do Prefeito. “Caso ele [Marão] não cumpra com a palavra, está aprovado um estado de greve e podemos deflagrar uma por tempo indeterminado”, declarou o secretário do Sinsepi.

Na conversa com o site e no pronunciamento na Câmara, Rafael Santos também questionou por que o percentual de despesa com pessoal continua elevado, acima de 50%, apesar da demissão de servidores não estáveis, do incentivo de demissões voluntárias e da mudança do regime de contratação de médicos, que, segundo ele, deixaram de ter vínculo empregatício com o município e foram recontratados como pessoas jurídicas.

Ontem (17), o PIMENTA entrou em contato com a Prefeitura de Ilhéus em busca de posicionamento da gestão municipal sobre as questões levantadas por Rafael Santos. O site não obteve resposta até a publicação desta matéria, às 10h30min desta sexta-feira (18).

Uma resposta

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.