Amamentação reduz risco de mulher desenvolver câncer de mama
Tempo de leitura: 2 minutos

Fundamental para a proteção e desenvolvimento do bebê, o aleitamento materno também é responsável por benefícios para a saúde da mulher. O risco de surgimento de câncer de mama é 22% menor, comparado às mulheres que nunca amamentaram, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). A proteção aumenta de acordo com o tempo de alactamento, chegando a 26%, caso o período tenha sido de, pelo menos, um ano.

Os estudos ainda apontam que a doença, quando se manifesta em pacientes que amamentaram mais de 6 meses, apresenta uma redução no risco de morte, índice até 3 vezes menor, comparado àquelas que tiveram história de amamentação inferior a este período.

Do mesmo modo, mulheres que amamentam têm menor risco de desenvolverem câncer de endométrio e de ovário, principalmente se a amamentação for prolongada. Ainda de acordo com a SBP, estudos mostram que os riscos para o desenvolvimento do câncer de ovário caem 2% para cada ano de amamentação.

Outras doenças também são impactadas pelo ato de amamentar. As chances para o desenvolvimento do diabetes tipo 2, conforme estudos, têm uma redução de até 9% para cada ano de amamentação.

LEITE MATERNO PROTEGE AS CRIANÇAS COM DOENÇAS

A composição do leite materno é única, individual e atende às necessidades nutricionais da criança de acordo com suas carências e conforme sua idade. Ele também protege contra doenças, tanto na infância, quanto na vida adulta.

Além disso, o alimento auxilia no desenvolvimento cerebral e fortalece o vínculo entre mãe e bebê. Evidências científicas apontam que a amamentação nos primeiros mil dias de vida é fundamental para o desenvolvimento dos sistemas nervoso, imunológico, físico, emocional e cognitivo das crianças.

O aleitamento materno protege o bebê contra enfermidades, como diarreias, afecções perinatais e infecções — principais causas de morte de recém-nascidos — além dos riscos de pneumonia e otite, alergias e, em caso de adoecimento, a gravidade da doença tende a ser menor.

Bebês alimentados exclusivamente com o leite materno até os 6 meses de vida apresentam menor probabilidade de desenvolverem desnutrição ou obesidade na infância e alguns tipos de câncer infantil, como leucemia. Além disso, a amamentação reduz os riscos de diabetes tipo 2 e asma na vida adulta.

A amamentação deve ser oferecida de forma exclusiva até os 6 meses de vida da criança e continuada até os dois anos ou mais, junto aos demais alimentos in natura ou minimamente processados, incluídos a partir do processo de introdução alimentar durante a primeira infância.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.