Itabunense passa o feriadão de carnaval sem água na torneira || Foto Outras Palavras
Tempo de leitura: 2 minutos

A interrupção no fornecimento de energia elétrica na estação da Emasa em Rio do Braço, em Ilhéus, deixa praticamente 70% da população itabunense sem água neste final de semana de carnaval. Equipes da Neoenergia Coelba estão desde ontem (10) trabalhando para restabelecer o serviço no lugarejo ilheense. A interrupção ocorreu às 4h da madrugada de sábado.

A falta de energia elétrica em Rio do Braço interrompeu a captação de água na estação por mais de 36 horas, o que obrigou a Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa) a suspender os serviços na sua principal estação de tratamento de água (ETA), a do São Lourenço. A interrupção não afeta os moradores da região de Ferradas e Nova Itabuna, que é atendida pela ETA de Nova Ferradas.

Por volta das 15h de hoje, a Neoenergia Coelba informou, por meio de nota, que vem atuando para normalizar o abastecimento de energia na estação de Rio do Braço. Segundo ela, o serviço foi suspenso “devido à queda de vegetação sobre a rede elétrica”.

USO RACIONAL

Gerente técnico da Emasa, João Bitencourt diz reconhecer o esforço da Neoenergia Coelba em restabelecer o fornecimento de energia elétrica na estação de Rio do Braço. Ele lembra que a rede fica dentro de uma mata fechada.

“As intempéries, que têm atingido a região, eleva o risco de queda de árvores sobre a rede, o que causa longos períodos de interrupção no fornecimento de energia elétrica, consequentemente gerando atraso nas operações da Emasa, tanto no tratamento quanto no abastecimento de água aos domicílios de Itabuna”.

A Coelba não deu prazo de normalização do sistema, observa João Bitencourt, apontando este como mais um motivo para que o usuário faça uso racional da água. A concessionária de energia elétrica observa que a dimensão dos danos e as condições de acesso à mata, fechada, “dificultam a execução do serviço”.

Pé de cacau no sistema cabruca || Foto Ana Lee
Tempo de leitura: 3 minutos

 

Nossos dirigentes parecem esquecer que, em nossa tradição local, o cacau floresce na sombra da mata, e que a preservação de outras espécies é fundamental! Adotemos essa sábia lição da natureza na execução das políticas públicas municipais.

 

Paulo Mesquita Magalhães || paulomagalhaes80@gmail.com

Toda monocultura é nociva! Desequilibra a diversidade da natureza, diminui a fauna e a flora, empobrece o solo e a alimentação humana. A cultura do cacau parece ter sido uma honrosa exceção: a cabruca, sistema de plantação em que o cacaueiro cresce à sombra de árvores nativas, preservou parte da riqueza da nossa Mata Atlântica.

O mesmo não pode ser dito no campo das relações econômicas e sociais: a riqueza do cacau, em seus tempos de fruto de ouro, se concentrou nas mãos de fazendeiros que dilapidaram fora da região grande parte de sua renda, ostentando luxo e riqueza, grilando terra e assassinando pequenos proprietários, enquanto trabalhadores rurais viviam em condições análogas à escravidão.

Pois bem, em um momento em que a cidade celebra parte de sua memória através do remake de uma novela televisiva global, nos deparamos novamente com a monocultura, dessa vez no Carnaval. O intitulado “Carnaval Cultural de Ilhéus” não pode ser acusado de não ser cultural, o que seria um contrassenso, dado que todas as relações humanas estão no campo da cultura. Ele parece, entretanto, ser quase monotemático: com poucas exceções, as contratações públicas se resumem a paredão, arrocha, pagode e axé. A maior parte da programação é feita pelas próprias comunidades e os blocos afro foram chamados de última hora, a uma semana da realização do evento, inviabilizando a produção de novas fantasias e o longo processo de ensaios que envolve suas comunidades.

Nada contra os ritmos acima citados! São legítimos e merecem respeito. Mas, parece haver uma simplificação populista do gosto popular: “é disso que o povo gosta, é isso que o turista quer ver”, como se a população da cidade e os nossos visitantes não fossem muitos, diversos, plurais. O Carnaval de Salvador é a maior festa de rua do mundo porque abraça a diversidade: além de axé, pagode, samba, guitarra baiana, frevo, se pode ouvir reggae, rap, rock, MPB e outros ritmos presentes na rica produção cultural baiana e nacional. E cadê os artistas de Ilhéus, de vários ritmos dançantes, que têm público durante todo o ano e movimentam o cenário local?

A programação do Carnaval monocultural reflete um impasse da política municipal: a total falta de articulação entre cultura e turismo. A Secretaria de Cultura parece ser o primo pobre e se restringe a gerenciar as verbas federais (Aldir Blanc, Paulo Gustavo) e o esquálido fundo de cultura. A esmagadora maioria dos eventos promovidos pela administração é promovida pela Secretaria de Turismo, e os critérios de contratação dos artistas, a curadoria, a concepção, não dialogam com o Conselho Municipal de Cultura, composto pela sociedade civil organizada.

Ou seja, Carnaval Cultural, Viva Ilhéus, Festival da Primavera, Novembro Negro, os principais eventos realizados com verba pública chegam prontos, são despejados como um pacotão fechado, sem qualquer participação da classe artística da cidade. Sabemos que a política é um campo de disputas, mas nessa briga de secretarias, quem perde é a cultura e seus protagonistas, impossibilitados de opinar, ajudar a construir, participar do processo.

Nossos dirigentes parecem esquecer que, em nossa tradição local, o cacau floresce na sombra da mata, e que a preservação de outras espécies é fundamental! Adotemos essa sábia lição da natureza na execução das políticas públicas municipais.

Paulo Mesquita Magalhães é jornalista, cientista social e membro dos conselhos municipais de Cultura de Ilhéus e de Itabuna, e do Conselho Gestor da Salvaguarda da Capoeira na Bahia.

Pancada na cabeça causou a morte do empresário Janilson Mascarenhas, segundo laudo || Foto redes sociais
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Marinha do Brasil abrirá inquérito para investigar as causas e circunstâncias do acidente que vitimou o empresário Janilson Dias Mascarenhas, nas proximidades da Ilha do Goió, em Maraú. O empresário faleceu no início da tarde deste sábado (10).

Mascarenhas pilotava uma moto aquática (jet ski), quando se afogou ao cair da embarcação. O empresário sofreu uma pancada na região frontal da cabeça, o que teria causado o afogamento. Janilson era dono de rede de supermercados e hortifrúti em Itabuna e outros municípios do sul e sudoeste da Bahia.

Ainda segundo a Marina, militares da Delegacia da Capitania dos Portos de Ilhéus que realizavam inspeção naval na Baía de Camamu se dirigiram ao local do acidente ao serem informados do ocorrido. Lá, constataram que a vítima havia sido resgatada pela embarcação Atthena.

SOCORRO

O empresário chegou a ser transferido para a embarcação Dourado, da Delegacia da Capitania, onde foram prestados os primeiros socorros, conforme a Marinha. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e prestou atendimento ainda no cais de Camamu, porém a equipe, após manobras de ressuscitação, constatou o óbito do empresário.

A Marinha do Brasil emitiu nota sobre o acidente. “A MB lamenta o ocorrido e se solidariza com os familiares da vítima”. O corpo de Janilson será sepultado na tarde deste domingo (11), em Poções, no sudoeste.

Aprovas do concurso público unificado serão aplicadas em Ilhéus e outras 15 cidades baianas
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Concurso Público Nacional Unificado contabiliza com 2,65 milhões de inscritos. O modelo inovador de seleção de servidores públicos federais oferta 6.640 vagas para 21 órgãos públicos federais. Do total de pessoas que se inscreveram no concurso, 1,28 milhão ainda não pagaram a Guia de Recolhimento da União (GRU). O prazo final para pagamento da GRU é o mesmo para todos: 16 de fevereiro.

Para os cargos de nível superior, a taxa de inscrição é de R$ 90, enquanto para o bloco de cargos de nível médio o valor é de R$ 60. O pagamento da taxa deve ser feito apenas por meio da GRU, que pode ser paga no banco, ou via PIX, com o respectivo QR Code.

CONCURSO NACIONAL

O “Enem dos concursos” vai selecionar, de uma só vez, 6.640 servidores para 21 órgãos públicos federais (órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional). As inscrições para o concurso foram abertas em 19 de janeiro e se encerraram nesta sexta-feira, 9 de fevereiro.

A prova será no dia 5 de maio e será aplicada em 220 cidades, em todas as Unidades da Federação, com questões objetivas específicas e dissertativas, por área de atuação. No sul da Bahia, os candidatos farão prova em Ilhéus.

O objetivo é promover igualdade de oportunidades de acesso aos cargos públicos efetivos; padronizar procedimentos na aplicação das provas; aprimorar os métodos de seleção de servidores públicos, de modo a priorizar as qualificações necessárias para o desempenho das atividades inerentes ao setor público; e zelar pelo princípio da impessoalidade na seleção dos candidatos em todas as fases e etapas do certame.

Médicos alertam para riscos à saúde ocular durante o período carnavalesco || Foto Fernando Frazão/ABr
Tempo de leitura: 5 minutos

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) recomenda aos foliões cuidados e atenção especiais aos olhos durante o carnaval para evitar prejuízos à visão, protegendo os olhos contra queimaduras químicas, por exemplo, além de traumas e infecções.

Segundo a médica Elisabeth Guimarães, que faz parte da Comissão Científica do CBO, durante as festas carnavalescas, muitas pessoas excedem no consumo de drogas e álcool, acabam perdendo um pouco a consciência e se expondo a riscos que vão desde traumas oculares até o envolvimento em brigas que podem resultar em traumas faciais e evoluir para danos oculares. Todo cuidado é pouco, disse a especialista, em entrevista à Agência Brasil.

Nos blocos carnavalescos, as pessoas se expõem muito ao sol forte do verão, destacou a médica, aconselhando o uso de viseiras, bonés e chapéus para proteger os olhos. “Todos são muito bem-vindos. Hoje em dia, a indústria os fabrica com tecidos que já vêm com proteção UV”. Além disso, os óculos escuros são indispensáveis. “Mesmo que não combinem com a fantasia, a pessoa deve usar”, para ter proteção garantida dos olhos.

Outra questão importante são os filtros solares que as pessoas passam no corpo e no rosto. Deve-se dar preferência àqueles produtos que são formulados para quem pratica esportes, porque a pessoa sua, mas o produto não vai escorrer, nem entrar no olho. Pode ser usado também o protetor facial em bastão que não derrete no olho.

MAQUIAGEM

Elisabeth recomendou que os foliões evitem contato principalmente com sprays de espuma, que podem ser extremamente irritantes para os olhos. Se houver contato desse produto com o olho, a orientação dos oftalmologistas é que a pessoa lave abundamente o local com água potável ou água mineral. Se a pessoa tiver condições e houver uma farmácia disponível, compre soro fisiológico novo, porque o soro fisiológico aberto se contamina com muita facilidade devido ao calor ambiente.”

Deve-se lavar o olho até tirar todo o resíduo. Se a dor persistir e o olho continuar vermelho, a pessoa deve procurar imediatamente um pronto-socorro, de preferência oftalmológico, para que haja um exame adequado, disse a especialista.

Quanto à maquiagem, que no carnaval costuma ser mais elaborada, com uso de muita sombra, cílios postiços e glitter, a recomendação é que ter cuidado com a cola que, em quantidade errada, pode escorrer para os olhos e queimar a córnea. Também não se pode esquecer de remover completa e adequadamente a maquiagem.

A atenção deve ser redobrada com os cílios que estão na moda, que são feitos de LED e grudam na pálpebra. “Aquilo tem alguns inconvenientes. Por ser um negócio que fica piscando, as pessoas têm curiosidade de por o dedo e isso pode levar micro-organismos para o olho, principalmente no meio de uma folia. Há risco de disseminação der conjuntivite, porque é muita gente junta, é multidão, é mão suja”, ressaltou a médica.

Leia Mais

Mega-Sena acumula e sorteia R$ 53 milhões na quinta-feira (15).
Tempo de leitura: < 1 minuto

Moradores de quatro municípios baianos ficaram a uma dezena do prêmio milionário da Mega-Sena. Apostadores de Ibitiara, Camaçari, Serrinha e Salvador acertaram cinco dos seis números sorteados no concurso 2687, no sábado de Carnaval, no Espaço de Loterias, em São Paulo. Cada um receberá R$ 74.293,74. As dezenas sorteadas foram: 02, 04, 24,30, 34 e 50.

Em todo o País, houve apostadores que acertaram na quinta da Mega-Sena e, cada um levou o prêmio de R$ 74.293,74. Na quadra, foram 4.178 ganhadores. Cada um receberá R$ 1.270,15. Entre os contemplados estão moradores de Ilhéus, Itabuna, Itororó, Ubaitaba, Feira de Santana, Salvador, Eunápolis e Vitória da Conquista.

Como não houve ganhador do prêmio principal, o próximo concurso da Mega-Sena, na quinta-feira (15), sorteia R$ 53 milhões. A posta simples da Mega-Sena custa R$ 5,00.

Dono de rede de supermercados no sul da Bahia morre durante passeio de lancha || Foto redes sociais
Tempo de leitura: < 1 minuto

O proprietário de uma rede de supermercados e outros estabelecimentos comerciais em Itabuna, Buerarema e outras cidades do sul e sudoeste da Bahia morreu na tarde deste sábado (10). O empresário Janilson Dias Mascarenhas teria passado mal durante um passeio na Baía de Camamu, no baixo sul do estado. Ele teria sofrido um infarto fulminante, mas foi aberta investigação para apurar acidente que causou a morte de Mascarenhas.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram um profissional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) tentando reanimar Janilson Mascarenhas, ainda numa lancha. O empresário não responde às manobras. Depois que o profissional constata que não há mais o que fazer, uma mulher, desesperada, também tenta reanimar a vítima, sem sucesso.

O empresário era proprietários de vários estabelecimentos em Itabuna, principalmente na Avenida Amélia Amado e bairro Santo Antônio. O corpo do empresário será sepultado às 17h deste domingo (11), em Poções. O empresário nasceu na cidade do sudoeste da Bahia. Ainda não foi informado o local do velório.