Prefeito Mário Alexandre opina sobre pré-candidatura de Adélia Pinheiro
Tempo de leitura: 3 minutos

O prefeito Mário Alexandre (PSD) afirmou que a pré-candidatura de Adélia Pinheiro a prefeita de Ilhéus é sustentada pela estratégia eleitoral da vereadora Enilda Mendonça e do irmão da parlamentar e presidente local do PT, Ednei Mendonça. Ele falou sobre o assunto em entrevista a’O Tabuleiro, da Ilhéus FM, nesta sexta-feira (7).

O prefeito recordou que foi candidato a vice na chapa liderada pela professora Carmelita, em 2012. E lamentou que o petismo nunca tenha retribuído o gesto. “Fui candidato a prefeito. O PT me apoiou? Fui candidato à reeleição. O PT me apoiou?”.

Ele avaliou que o instituto da federação partidária submeteu PCdoB e PV à aliança tutelada pelo PT. Conforme o prefeito, quadros desses partidos estariam dispostos a se aliar ao PSD, que apresentou a pré-candidatura do advogado e ex-secretário Bento Lima, mas essa posição perdeu a disputa na Federação Brasil da Esperança.

– Infelizmente, existe o que eles chamam lá, uma eleição, um tipo de eleição que fazem lá. Os grupos internos. Até para a eleição do PT é uma briga dentro do partido. Então, tem o Ednei, que tem a candidatura de Enilda como vereadora, que tem, é o que está segurando a candidatura da candidata lá”, disse o prefeito Mário Alexandre, referindo-se à colega médica, professora, ex-reitora e ex-secretária de Estado Adélia Pinheiro (assista à declaração ao final do texto).

EDNEI: NOSSA PRÉ-CANDIDATA É MAIS VIÁVEL QUE O DELE

Ouvido pelo PIMENTA, o presidente do PT em Ilhéus, Ednei Mendonça, comentou a entrevista do prefeito. Segundo Ednei, Mário Alexandre nutria o desejo de indicar, sem contestação, um nome para representar a base do Governo do Estado.

– Marão queria que o PT não entrasse na disputa. Ele acha que, porque é prefeito da cidade, tinha a prerrogativa de dizer quem era o candidato e todo mundo ligado ao Governo do Estado o acompanhasse. Na política, as construções são conquistas. Nunca escondemos dele e dos partidos aliados o desejo de ter Adélia como candidata a prefeita. Vamos trabalhar por isso. Na vida, quando você tem um desejo, você luta por ele. O PT de Ilhéus lutou para ter a candidatura de Adélia – disse o presidente.

O site perguntou como o dirigente recebe a interpretação do prefeito, de que a pré-candidatura de Adélia seria sustentada pela estratégia da reeleição de Enilda. “Ele está equivocado. A pré-candidatura de Adélia é muito mais do que isso. É para ganhar a eleição. É sacanagem dele, é reduzir a pré-candidatura de Adélia à reeleição de uma vereadora. [Ele disse isso] para queimar Adélia e Enilda”, criticou Ednei.

Para o presidente do PT, o mapeamento eleitoral do prefeito não vislumbrava uma Adélia no meio do caminho, com direito à presença do senador Jaques Wagner no lançamento da pré-candidatura e de exaltação pública do ministro da Casa Civil e ex-governador Rui Costa (ouça aqui).

“[O prefeito] não esperava que Adélia topasse ser candidata e que a pré-candidatura se colocasse na disputa real, com muito mais viabilidade eleitoral do que o pré-candidato dele. Hoje, Adélia tem mais viabilidade eleitoral do que o pré-candidato do prefeito”, repetiu Ednei Mendonça.

TEM CONVERSA?

N’O Tabuleiro, o radialista Vila Nova questionou a Marão se a disputa contra o PT deixou o grupo do prefeito à vontade para negociar eventual composição com partidos que não apoiaram o governador Jerônimo Rodrigues em 2022. O apresentador citou o União Brasil de Valderico Junior e o PP do ex-prefeito Jabes Ribeiro como exemplos.

“Eu não vejo dificuldade, sendo o PSD na cabeça. Não tem dificuldade. A eleição é municipal, não é uma eleição estadual”, respondeu Mário, que preside o PSD em Ilhéus.

O PIMENTA tentou ouvir Jabes Ribeiro e Valderico Junior sobre a declaração do prefeito, mas ainda não obteve retorno. Abaixo, assista ao trecho da entrevista mencionada.

A íntegra está disponível neste link.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *