Imagem de arquivo do antigo Colégio General Osório, atual Biblioteca Adonias Filho
Tempo de leitura: 3 minutos

No seu primeiro pronunciamento à frente da Diocese de Ilhéus, Dom Giovanni Crippa falou que um povo que não conserva sua memória não tem história. A frase poderia ter passado despercebida, naquela tarde de outubro, se não tivesse sido pronunciada no salão nobre do Palácio Paranaguá. Inaugurada em 1907, a antiga sede da Prefeitura abriga o Museu da Capitania e o setor de tributos do município. O prédio esbanja beleza, história e, hoje, debilidades. O governo municipal tenta levantar recursos para revitalizá-lo, afirma Geraldo Magela, titular da Secretaria Especial de Cultura.

Biblioteca Adonias Filho, antigo Colégio General Osório

O Ministério do Turismo é uma das possíveis fontes dos R$ 4,5 milhões necessários para revitalizar o Palácio. Durante a visita do então ministro do Turismo Gilson Machado a Ilhéus, em junho de 2021, a Prefeitura solicitou recursos para obras, diz Magela.

– Na época, foi prometido justamente isso, a reforma dos quatro pilares do patrimônio público; Paranaguá, General Osório, Teatro e Casa Jorge Amado. Até agora não chegou recurso federal. Há uma promessa de chegar recurso para o Paranaguá, que é o mais caro. O projeto é de R$ 4,5 milhões para reformar ele todo e revitalizá-lo. É o termo correto. Não tem muita restauração, porque tem muito comprometimento já de estrutura.

Teatro será reaberto no aniversário de Ilhéus || Fotos Pimenta

Outra possibilidade é buscar ajuda da iniciativa privada. “Se o governo federal não mandar dinheiro para o Paranaguá, já tem duas empresas que se prontificaram a nos ajudar a fazer uma intervenção emergencial, pelo menos para que revitalize o prédio”, assegura.

Pela estimativa da Secretaria Especial de Cultura, que fez um levantamento da situação do patrimônio histórico material de Ilhéus, a recuperação da Biblioteca Adonias Filho (antigo Colégio General Osório) não exigirá menos de R$ 3,5 milhões. Se a conta incluir o Paranaguá, a Casa de Jorge Amado e o Teatro Municipal, chega a R$ 12 milhões.

Magela estima custo de R$ 12 mi para reformas

TEATRO REABERTO NA FESTA DA CIDADE

Segundo Magela, a Prefeitura faz reparos no Teatro Municipal com objetivo de reabri-lo no próximo dia 28 de junho, aniversário da cidade. A Secretaria Municipal de Infraestrutura consertou a subestação elétrica e o telhado do prédio, que ganhará aparelhos de ar condicionado provisórios para que possa ser reaberto antes da instalação do ar condicionado central.

Na Casa de Jorge Amado, a Prefeitura dividiu a reforma em três fases. A primeira, de pintura e reparos na fachada, já foi concluída. A segunda será a restauração interna e, por fim, a troca do piso.

O PIMENTA comentou que, ao longo da conversa, o secretário mencionou algumas vezes a necessidade de intervenções emergenciais nos pilares do patrimônio arquitetônico de Ilhéus. Perguntamos se o tom é mesmo de emergência. Ele concordou.