ACM, João Xavier e Geraldo na crônica de Walmir Rosário
Tempo de leitura: 3 minutos

No planejamento dos visitantes, a audiência também seria uma espécie de aval para a liberação de recursos federais para Itabuna, haja vista a influência de ACM junto aos sucessivos governos federais.

 

Walmir Rosário

O ano é 1993. Os personagens, João Xavier, Geraldo Simões e o todo-poderoso governador da Bahia, Antônio Carlos Magalhães (ACM). O palco era o prédio da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia, onde os prefeitos e vereadores eram recebidos e apresentavam as reivindicações para suas cidades. Conforme o interesse, eram encaminhados com os famosos memorandos, ou recebiam o clássico “não”.

Eleito no embalo do impeachment do presidente Fernando Collor de Mello e na briga travada pelos candidatos a prefeito de Itabuna José Oduque Teixeira e Ubaldo Dantas, a “zebra” Geraldo Simões resolveu ir ao governador da Bahia para reivindicar obras para Itabuna. E junto levou seu vice-prefeito João Xavier, então no Partido Socialista Brasileiro (PSB), tido como um político conciliador.

Essa atitude, pensada e repensada pelos marqueteiros da Prefeitura, daria ao então prefeito Geraldo Simões o status de estadista, ao procurar o governador – seu mais terrível adversário político – de forma institucional. Audiência marcada, chegam à governadoria o prefeito Geraldo Simões e o vice João Xavier, ainda desconfiados do que poderia acontecer, a depender do humor de ACM.

Conforme o protocolo, o encontro iniciou um pouco tenso, mas, com a devida troca de amabilidades, eis que chegam ao assunto que interessava e pelo qual solicitaram a audiência: a apresentação da lista de reivindicações para Itabuna. Não era pequena, pois Geraldo Simões pretendia mostrar serviço aos eleitores, com grandes projetos a serem realizados em toda a cidade.

O encontro com ACM, na visão de Geraldo Simões e João Xavier, valeria pelos recursos que poderiam ser investidos em obras e serviços pelo Governo do Estado, sobretudo na área de infraestrutura e serviços. Para quebrar o gelo inicial, ressaltam os laços de amizade que une ACM a Itabuna, terra em que nasceu sua esposa (dona Arlete), descendente de importante família.

No planejamento dos visitantes, a audiência também seria uma espécie de aval para a liberação de recursos federais para Itabuna, haja vista a influência de ACM junto aos sucessivos governos federais. Espertos, dariam, ao mesmo tempo, uma batida no cravo e outra na ferradura. O terreno já estava preparado com os grandes contratos celebrados entre o governo petista e o jornal Correio da Bahia, sem o conhecimento de ACM.

Conforme iam anunciando cada uma das reivindicações, faziam um detalhamento do projeto e explicavam a importância para o crescimento de Itabuna, que estaria pronta para retomar o seu desenvolvimento. Analisando as demandas, o governador tecia considerações, descartava algumas por falta de recursos, outras dizia ser competência da União e, as que aprovava, escrevia um memorando destinado aos secretários cabíveis.

Com as conversas em bom tom, Geraldo e Xavier pedem a ACM a união de forças democráticas em benefício de Itabuna, que pela primeira vez teria um governo participativo, em que as obras e serviços seriam escolhidos após ouvir a sociedade. Nesse momento pedem o apoio do governador para carrear os recursos do governo federal, no tocante às obras já mencionadas e outras futuras.

Após analisar os pedidos, ACM perguntou quais as prioridades e foi dizendo o que poderia fazer de pronto e quais encontraria dificuldades, por falta de recursos estaduais ou federais para tanto. Foi aí que o vice-prefeito João Xavier começou a nomear como urgente e urgentíssima a conclusão da construção do estádio Luiz Viana Filho, até hoje incompleto e que continuaria prejudicando o esporte itabunense.

Para completar, João Xavier falou das dificuldades por que passava o Itabuna Esporte Clube, que já alcançou o vice-campeonato baiano de profissionais e o campeonato baiano de juvenis, e que agora estaria com muitas dificuldades. Para tanto, precisaria de mais apoio ao time e o complemento do estádio Luiz Viana Filho (Luizão), também conhecido como o Gigante do Itabunão.

Foi aí que ACM não se conteve e disse, em tom de gozação:

– Ô Xavier, se nem time você tem, pra que essa urgência na construção do estádio. Vamos deixar isso de lado e construir outras coisas… – ponderou o governador.

Após o susto, ACM brincou com os dois e não se falou mais no “Luizão”.

Walmir Rosário é jornalista, radialista e advogado.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Professor Max (à esq.) abrirá série de entrevistas feitas por Oziel Aragão

O Professor Max (PSOL) abrirá a série de entrevistas da Interativa FM com os candidatos a prefeito de Itabuna, a partir desta segunda-feira (26). Max será entrevistado pelo jornalista Oziel Aragão no Interativa nas Eleições 2020, das 12h10min às 13h.

O programa especial das eleições entrevistará todos os prefeituráveis. Única mulher na disputa, Charliane Sousa (MDB) encerrará a série, no dia 9, conforme sorteio. “A entrevista com cada um dos 11 candidatos é para que a sociedade itabunense tenha conhecimento de propostas. Serão perguntas-padrão para todos os candidatos”, explica o apresentador Oziel Aragão ao PIMENTA.

Os candidatos terão 3 minutos para responder a cada uma das perguntas e, ao final do programa, 5 minutos para conclusões. Cada programa tem duração de 50 minutos. “O objetivo é que os candidatos apresentem propostas. A gente não vai aceitar ofensas a outros candidatos, pontuação com outros candidatos, pois não haverá tempo para réplicas e direito de resposta”, alerta Oziel.

DEBATE

A emissora não promoverá debate com os candidatos a prefeito de Itabuna em 2020 devido à pandemia, razão que levou a direção da Interativa a somente promover as entrevistas com um candidato a cada dia.

Confira a ordem das entrevistas

Dia 26 – Professor Max (PSOL)
Dia 27 – Geraldo Simões (PT)
Dia 28 – Edmilton Carneiro (PSDB)
Dia 29 – Pedro Eliodório (UP)
Dia 30 – Dr. Isaac Nery (Avante)
Dia 2  – Fernando Gomes (PTC)
Dia 3  – Capitão Azevedo (PL)
Dia 4  – Alfredo Melo (PV)
Dia 5  – Augusto Castro (PSD)
Dia 6  – Dr. Mangabeira (PDT)
Dia 9  – Charliane Sousa (MDB)

Tempo de leitura: < 1 minuto

De acordo com levantamento feito pelo PIMENTA,  na manhã deste sábado (26), 919 políticos de Itabuna e Ilhéus estão aguardando o pedido de registro de candidatura pela Justiça Eleitoral.  São pessoas que informaram as mais diversas profissões. Entre os que pretendem concorrer às eleições deste ano estão médicos, professores, advogados, comerciantes, servidores públicos, trabalhadores rurais e vendedores ambulantes, dentre outros.

Do total  de pedidos encaminhados à Justiça Eleitoral,  18 são para o cargo de prefeito. Em Itabuna, os pedidos de registro são para Alfredo Melo (PV), Augusto Castro (PSD),  José Nilton Azevedo(PL),  Charliane Sousa (MDB), Isaac Nery (Avante), Antônio Mangabeira (PDT), Edmilton Carneiro (PSDB), Fernando Gomes (PTC), Geraldo Simões (PT),  Pedro Eliodório Filho (UP) e José Ademaques, o professor Max (PSOL). Gomes tenta à reeleição.

Em Ilhéus, o número de candidatos a prefeito é menor.  São Carlos Machado, o Cacá (PP), Cosme Araújo (PDT),  João Barros (PRTB), Mário Alexandre (PSD), Reinaldo Soares, o professor Reinaldo do IBEC (PTB),   Roberto Barbosa (Solidariedade),  Valderico Júnior  (DEM). Alexandre vai tentar à reeleição.

VEREADORES

Em Ilhéus,  até a manhã deste sábado, 452 pessoas tinham pedido o registro de candidatura para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores. Em Itabuna, eram 449 solicitações para os pretendentes a uma vaga no Legislativo local.

De acordo com Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  até a manhã de hoje, 1.218 políticos pediram registro para disputar o cargo de prefeito em 410 municípios baianos e 32.216 solicitaram o registro a candidato a vereador. A Bahia tem o total de 417 municípios. O prazo para concorrer aos cargos de prefeito e vereador nas eleições 2020 termina neste sábado.

Tempo de leitura: 2 minutos

Everaldo, de boné, durante caminhada de Geraldo Simões, neste sábado (Foto Pimenta).
Everaldo, de boné, durante caminhada de Geraldo Simões, neste sábado (Foto Pimenta).
O presidente do PT baiano, Everaldo Anunciação, projeta que o seu partido faça, no mínimo, 60 prefeitos em todo o estado amanhã (2). “Devemos ganhar em 60 municípios e crescer nas 35 maiores cidades. Nós temos um processo muito mais de qualidade do que de quantidade”, disse Everaldo em entrevista ao PIMENTA. Já em 2012, a legenda havia conquistado 93 prefeituras.

O dirigente estadual do PT esteve em Itabuna para participar da caminhada do candidato do partido, Geraldo Simões, hoje, na Avenida do Cinquentenário, região central da cidade. Everaldo estava acompanhado do deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) e do secretário de Relações Institucionais da Bahia, Josias Gomes.

Everaldo ainda fala em expectativa de segundo turno em Vitória da Conquista, tendo Zé Raimundo (PT) contra Herzem Gusmão (PMDB). Porém, os últimos dados apontam para definição ainda neste domingo, no município do sudoeste, podendo sair vencedor Herzem ou Zé Raimundo. O cenário era mais favorável ao peemedebista. A candidatura de Fabrício Falcão (PCdoB) desidratou-se, acelerando a definição em turno único.

Otimista, Everaldo aposta que a base aliada do Governo Rui Costa vencerá a disputa em, pelo menos, 70% dos municípios. A avaliação difere da feita pelo secretário de Relações Institucionais da Bahia, Josias Gomes, tambem durante entrevista que será publicada pelo blog nas próximas horas.

Ato reuniu milhares de pessoas na Cinquentenário hoje.
Ato reuniu milhares de pessoas na Cinquentenário hoje.
Tempo de leitura: 4 minutos

candidatos itabuna montagem www.pimenta.blog.brOs dados liberados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) permitem traçar um miniperfil dos candidatos a prefeito de Itabuna. O médico Antônio Mangabeira (PDT) é o prefeiturável mais rico do município. Ao TSE, o pedetista declarou patrimônio de R$ 356.926.306,00. Equivale a 70% do orçamento anual da Prefeitura de Itabuna.

O único candidato sem bens declarados é o cantor e compositor Mister Cuca (PSOL).

O candidato mais jovem é Zé Roberto (PSTU), com 35 anos. O “vovô” da turma é o ex-prefeito e ex-deputado federal Fernando Gomes (DEM), com 77 anos.

Dos nove candidatos, três não nasceram em Itabuna. Mangabeira é de Senhor do Bonfim, Augusto Castro (PSDB) nasceu em Ibicaraí e Capitão Azevedo (PTB) em Ilhéus.

A maioria dos candidatos possui nível superior. Estão fora deste grupo Augusto Castro e Mister Cuca, que têm ensino médio completo e incompleto, respectivamente, enquanto Fernando Gomes apenas sabe ler e escrever, segundo o site.

MULHERES “EXCLUÍDAS”

Não há um só candidatura feminina, porém teremos três candidatas a vice – Daniela Simões (PV), da chapa formada com o Coronel Santana (PTN), a empresária Leninha da Autoescola (PPS), da coligação que tem Davidson Magalhães como candidato a prefeito e a vice de Zé Roberto (PSTU), Synthya Torquato.

Abaixo, o pequeno perfil dos candidatos, elaborado pelo PIMENTA a partir de informações prestadas ao TSE até a última segunda (15). Até dia 2 de outubro, eles disputam o voto dos 150.221 eleitores e um orçamento superior a R$ 500 milhões anuais.

______________________

PERFIL DOS CANDIDATOS

mangabeiraAntônio Mangabeira (PDT) é médico, engenheiro ambiental, sócio de clínica de oncologia, nascido em Senhor do Bomfim em 03 de outubro de 1955. Seu patrimônio declarado alcança R$356.926.306,00.

 

_________

augusto-castro3Augusto Castro (PSDB) é empresário, deputado estadual no segundo mandato, tem ensino médio, nascido em Ibicaraí em 18 de janeiro de 1971. Possui patrimônio declarado de R$ 600.000,00. Coligação PSDB, PHS, PMB, PSC e Rede.

 

_________

gilbertosantanaCoronel Santana (PTN) é militar reformado, ex-deputado estadual, ex-comandato do 15º BPM, nascido em Itabuna em 21 de outubro de 1953, tem ensino superior, possui patrimônio declarado de R$ 1.977.000,00. Coligação PTN e PV.

 

_________

Davidson Magalhães artigoDavidson Magalhães (PCdoB), economista, ex-vereador de Itabuna, é suplente de deputado federal, ex-presidente da Bahiagás, tem ensino superior, nascido em Itabuna em 7 de novembro de 1960. Possui patrimônio declarado de R$ 756.690,91. PCdoB, PPS, PSD, PEN.

 

_________

Azevedo foto Pedro AugustoCapitão Azevedo (PTB) é militar reformado, ex-vice-prefeito (2005-08) e prefeito de Itabuna (2009-12), possui ensino superior, nascido em Ilhéus em 8 de agosto de 1952. Possui patrimônio declarado de R$ 390.907,26. Coligação PTB, PRB, PR, PSDC, PMN, PSB, SD e PTC.

 

_________

Fernando Gomes5Fernando Gomes (DEM) é agricultor, prefeito de Itabuna por quatro mandatos, ex-deputado federal,”lê e escreve”, nascido em Itabuna em 30 de junho de 1939. Possui patrimônio declarado de R$ 14.182.484, 62. Coligação DEM, PMDB, PRTB, PRP e PTdoB.

 

_________

Geraldo-SimõesGeraldo Simões (PT) é servidor público federal, prefeito de Itabuna por dois mandatos, ex-deputado estadual, ex-deputado federal, tem ensino superior completo, nascido em Itabuna em 13 de novembro de 1953. Possui patrimônio declarado de R$ 276.300,00. Coligação PT, PSL, PPL e PROS.

 

_________

Mister CucaMister Cuca (PSOL) é cantor e compositor, possui Ensino Médio incompleto, nasceu em 26 de abril de 1975 em Itabuna. Possui Ensino Médio incompleto. Ao TSE, declarou não ter bens.

 

_________

zé robertoZé Roberto (PSTU) é professor, disputa a prefeitura pela terceira vez, nascido em Itabuna em 28 de abril de 1981. Possui ensino superior e patrimônio declarado de  R$ 43.000,00. É, de acordo com os dados do TSE, o mais jovem candidato.

 

 

Tempo de leitura: < 1 minuto
Debate reuniu seis dos pré-candidatos a prefeito de Itabuna.
Debate reuniu seis dos pré-candidatos a prefeito de Itabuna.

Seis pré-candidatos a prefeito de Itabuna participaram de debate, no sábado (18), na Rádio Difusora. Antônio Mangabeira (PDT), Augusto Castro (PSDB), Davidson Magalhães (PCdoB), Fernando Vita (PMDB), Geraldo Simões (PT) e Roberto José (PR) discutiram temas como saúde, falta d´água, educação e segurança pública.

O áudio do debate foi disponibilizado pelo site Plantão Itabuna, do jornalista Oziel Aragão, que atuou como mediador do encontro entre candidatos. O modelo do debate não permitiu réplicas e tréplicas, mas houve confronto indireto, quando Geraldo Simões e Davidson Magalhães abordaram o tema crise hídrica. O leitor-ouvinte que não acompanhou pode conferir como foi clicando aqui, na íntegra. Deixe, na seção comentários, sua avaliação sobre o desempenho dos pré-candidatos.

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

Vane do Renascer foi eleito prefeito de Itabuna devido a vários fatores. O principal deles, o imprescindível, o “condicio sine qua non”, foi o rompimento político com o deputado Geraldo Simões.

Discordo da opinião de que Claudevane Leite, o Vane do Renascer (PRB), ganharia a eleição se saísse candidato a prefeito pelo PT de Geraldo Simões com Juçara Feitosa na vice.

A intransigência petista, não abrindo mão de uma chapa puro sangue, com PT e PT, provocaria uma cisão, ainda maior, nas intituladas forças de oposição ao governo Azevedo (DEM).

PCdoB, PDT, PPS e o PV formariam uma nova coligação, com Davidson Magalhães (ou Luís Sena) encabeçando a majoritária. A pedetista Acácia Pinho seria a candidata a vice-prefeita.

Não sei se essa formação encarnaria o novo, a tão desejada “mudança”. Mas representaria um chega-pra-lá no governismo e, principalmente, no geraldismo.

Essa divisão oposicionista, com comunistas de um lado e petistas do outro, aí incluindo Vane do Renascer, beneficiaria o projeto de reeleição do capitão Azevedo.

A disputa entre a oposição 1 e a oposição 2 seria mais acirrada. Em decorrência desse equilíbrio, o voto útil, responsável pela vitória de Vane, ficaria inibido.

A certeza, de ambos os lados, de que o seu candidato estaria na frente, afastaria o eleitor do voto útil. O candidato do DEM seria reeleito com a mesma quantidade de votos que obteve nessa sucessão.

Concluindo, diria que Vane do Renascer foi eleito prefeito de Itabuna devido a vários fatores. O principal deles, o imprescindível, o “condicio sine qua non”, foi o rompimento político com o deputado Geraldo Simões.

AUGUSTO CASTRO

Quando o assunto é a sucessão municipal de Itabuna, com o viés direcionado para 2016, o deputado estadual e prefeiturável Augusto Castro (PSDB) é o grande perdedor.

A não-reeleição do capitão Azevedo colocou um monte de areia branca na pré-candidatura do tucano, que tinha o apoio do chefe do Executivo como favas contadas.

O insucesso da vereadora Rose Castro, que é irmã do parlamentar, não conseguindo o segundo mandato, é café pequeno diante da derrota do candidato do DEM.

E mais: o capitão Azevedo, se não for alcançado pela Lei da Ficha Limpa, mantendo seus direitos políticos, será candidato a deputado estadual.

VEREADORES IRRESPONSÁVEIS

Não votam as contas do Executivo, não fazem nada e nada acontece. Apostando na impunidade, debocham da justiça e desdenham a lei orgânica do município.

Conversei com o bom advogado Carlos Sodré sobre a falta de uma exemplar punição para a omissão dos vereadores diante da votação das contas do prefeito.

Ficamos de ter uma segunda conversa. Mas adiantei que defendo a dissolução da Câmara com os suplentes tomando posse.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Tempo de leitura: < 1 minuto
Jornalistas Ernesto Marques, Vander Prata e Giorlando Lima (Montagem Pimenta).

Os jornalistas Vander Prata, Giorlando Lima e Ernesto Marques vão cuidar das três principais campanhas a prefeito de Itabuna.

Pela segunda vez, Vander Prata, via Agência Ativa, comandará os programas de rádio e televisão da campanha do prefeito Capitão Mudinho (DEM).

Contratado pela Tempo, Ernesto Marques é quem dará o tom dos programas de rádio e televisão de Juçara Feitosa (PT).

Já o experiente Giorlando Lima, que esteve na campanha vitoriosa de Geraldo Simões (PT) em 2000, será o responsável pelos programas de rádio e televisão de Claudevane Leite, Vane do Renascer (PRB). A campanha será pilotada pela Objectiva e uma produtora de Salvador.