Tempo de leitura: < 1 minuto

.

Os números divulgados nesta terça (23) pelo Ministério do Trabalho e Emprego revelam um semestre perdido no quesito geração de emprego com carteira assinada em Ilhéus e Itabuna. Os dois municípios fecharam os primeiros 180 dias de 2013 cortando 457 empregos.

Pior para Ilhéus. Entre 1º de janeiro e 30 de junho, a economia ilheense cortou 291 empregos formais.

No período, o comércio eliminou 173 vagas, seguido por agropecuária (89 vagas a menos) e serviços (menos 71). Apenas o setor da construção civil apresentou saldo positivo: abriu 79 novas vagas.

Quando analisados os números por mês, junho revela-se o pior do semestre, quando foram eliminados 217 empregos. Os setores de serviços e comércio cortaram, respectivamente, 92 e 58 vagas.

ITABUNA

Itabuna fechou o semestre com 166 demissões. Ao contrário de Ilhéus, o setor da construção civil admitiu 523 trabalhadores nos seis primeiros meses do ano, mas registrou 661 desligamentos, resultando em corte de 138 vagas.

A indústria seguiu pelo mesmo caminho e cortou 134 postos de trabalho no período, sendo 102 deles somente em junho. O comércio eliminou outras 42 vagas.

O alívio veio de um dos principais setores da economia itabunense. O setor de serviços abriu 179 vagas, 36 delas em junho.

BAHIA

A Bahia conseguiu gerar mais de 26.640 empregos com carteira assinada no período, mas apenas 1.436 no mês passado. Com 10.751 vagas, o setor de serviços foi o destaque do semestre.

Uma resposta

  1. Aí eu tenho que criticar, …!!!

    Basta ver como é feita a “divisão”, a “distribuição”, dos investimentos no estado da Bahia: Entre o que é direcionado para Salvador e R.M.S., e o resto do estado, …!!!

    Porque ninguém coloca isto nas análises, …?!?!?!

    Só comentam o efeito, e não as causas, …?!?!?!

    Parece até que é de propósito, …!!!

    Isto é jornalismo, meu Deus, …?!?!?!

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.