Rosemberg Pinto, Marão e Marcone Amaral: 2020 e o "jogo jogado"
Tempo de leitura: < 1 minuto

São grandes as possibilidades de o prefeito Marcone Amaral (PSD) disputar uma vaga à Assembleia Legislativa em 2022. Tudo dependerá dos próximos passos dele à frente da Prefeitura de Itajuípe e de sua desenvoltura como novo líder regional na presidência da Associação dos Municípios da Região Cacaueira (Amurc), entidade que, para muitos, tem histórico ranço de sepultar (maiores) sonhos políticos.

Gás e jogo de cintura não faltam ao ex-jogador de futebol e hoje nome em ascensão na política sul-baiana. Marcone, aliás, tomou gosto pela coisa. Até 2019, ele discutia se, novamente, disputaria a Prefeitura de Itajuípe. Acabou reeleito com folga e foi estimulado por amigos que conhecem os caminhos da política a construir o seu nome para fora dos limites da “Velha Pirangi”.

E assim o fez.

Marcone, ligado ao deputado estadual e líder do Governo na Assembleia Legislativa, Rosemberg Pinto (PT), não deve ter a objeção do parlamentar neste projeto mirando a AL-BA. Durante a eleição da nova diretoria executiva da Amurc, na sexta (29), Rosemberg fez contundente discurso pelo fortalecimento da representatividade política regional sul-baiano nos parlamentos estadual e federal.

O petista, que hoje é o único parlamentar estadual representando o Território Litoral Sul, disse que quanto maior o número de deputados deste território de identidade, maiores são as chances de a região se fazer ouvida tanto em Salvador como em Brasília. Assim, não seria voz solitária a defender a região. Disse isso mencionando o nome de Soane Galvão, primeira-dama de Ilhéus. O esposo de Soane e prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, Marão, como não poderia deixar de ser, reagiu simpaticamente ao discurso. Também quer aproveitar os bons ventos.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.