Justiça mantém prisões de MPs acusados de integrar milícia no sul da Bahia.
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Justiça de Itabuna prorrogou, nesta sexta-feira (26), as prisões temporárias de oito pessoas detidas na “Operação Fortuna”, realizada no sul da Bahia dia 26 de fevereiro. Entre os presos durante a operação coordenada pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Bahia estão sete policiais militares.

A “Operação Fortuna” visou desarticular uma organização criminosa acusada de praticar diversos crimes de homicídio e outros crimes conexos, mediante recebimento de valores, em ações que caracterizam atividade de milícia. A ação para prender os acusados contou com apoio da força-tarefa da Corregedoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

As prisões foram renovadas porque a Justiça entendeu que os crimes em apuração são de extrema gravidade, sendo necessária a prorrogação da custódia temporária, “permitindo que os órgãos encarregados ultimem a complexa investigação, coletando dados que, conforme se extrai de todo o conjunto probatório, envolvem concatenação de uma série de diligências, que demandaram tempo superior a trinta dias”.

A investigação está fase de colheita de provas e, de acordo com a Justiça, estão sendo elucidados os motivos dos crimes em investigação, havendo indícios suficientes de autoria que justificam a renovação da prisão dos oito custodiados.

As ações para prender os acusados foram realizadas nos municípios de Itabuna, Ilhéus, Ubatã, Uruçuca e Ipiaú, no sul da Bahia, além de Vitória da Conquista, no sudoeste do estado. De acordo com as investigações, entre os mortos pelos acusados está um policial militar.

https://pimenta.blog.br2021/02/26/operacao-fortuna-cumpre-mandados-de-prisao-contra-pms-em-itabuna-e-ilheus/

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.