Tempo de leitura: 2 minutos

Pensar fora da caixa do tradicionalismo e do poder imediato, firmar parcerias, apresentar projetos para captação de recursos serão exercícios permanentes, ter sensibilidade para corrigir rotas e melhor permitir o alcance dos resultados buscados pela gestão e pela comunidade.

Rosivaldo Pinheiro

A gestão pública vem passando por um processo de contínua transformação e se faz cada vez mais necessária a estruturação de arranjos que permitam maior transparência na tomada de decisões, cumprimento do ordenamento legal e atenção para as sinalizações fornecidas pela comunidade. Diante desse cenário, cabe aos gestores formar equipes com pessoas de capacidade técnica, liderança e visão política, possibilitando definir estratégias para atacar as prioridades apontadas pela sociedade.

Os gestores que compreenderem a montagem dessa equação acabarão por colher resultados melhores no desempenho das ações e, consequentemente, no apoio popular. Os gestores atuais precisam ter plena clareza das necessidades mais imediatas dos seus munícipes e também da velocidade necessária para fazer a máquina pública girar, estruturar parcerias estratégicas com instituições de apoio, evitando a centralização administrativa, ineficiência de ação e as prováveis insatisfações oriundas desse engessamento.

Pensar a administração como célula plural, dinâmica e participativa é de suma importância para o pleno êxito das políticas públicas. Portanto, cercar-se de um conselho político ou célula equivalente para avaliação e socialização das decisões se faz algo de extrema importância no processo de organização, eficiência e fortalecimento das administrações.

A cidade de Itabuna completa 111 anos de emancipação política. Suas carências são perceptíveis e estão permanentemente expostas aos olhos de todos. Ajustar as variáveis disposição de recursos financeiros e as demandas da população exigirá a adoção de novas soluções e conceitos, criação permanente de ferramentas de inovação e gestão, diminuindo o tempo-resposta para as necessidades represadas e melhor uso do dinheiro público, buscando maior eficiência do gasto. Ter essas diretrizes e permanente monitoramento do planejamento nas diversas áreas possibilitará mudanças significativas no nível de organização e avanço da cidade.

Para o alcance desses resultados, é necessário que todos os componentes da equipe de gestão entendam o desafio e se mostrem abertos para os reclames da comunidade, nas rede sociais, veículos de comunicação, associações, ONGs, entidades do setor produtivo, sindicatos e todo e qualquer contribuição sugerida pelos moradores. Uma permanente vigília.

Pensar fora da caixa do tradicionalismo e do poder imediato, firmar parcerias, apresentar projetos para captação de recursos serão exercícios permanentes, ter sensibilidade para corrigir rotas e melhor permitir o alcance dos resultados buscados pela gestão e pela comunidade. Esse é o exercício permanente a ser feito pelos gestores e que, em Itabuna, em particular, estamos observando na postura e liderança do prefeito Augusto Castro.

Rosivaldo Pinheiro é economista, especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

Uma resposta

  1. A parceria com o governo estadual,tem tudo pra dá certo e trilhar novos caminhos. Boa sorte,estamos torcendo por dias melhores. Avante Itabuna!

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.