Avenida tem faixa de pedestre, mas não possui rampas|| Foto PIMENTA
Tempo de leitura: 2 minutos

Executada pela Companhia Estadual de Desenvolvimento Urbano (Conder), do Governo da Bahia, a obra de requalificação da Manoel Chaves, que é uma das principais avenidas de Itabuna, está mudando o visual em um trecho do bairro São Caetano, mas vem recebendo críticas de quem tem limitações para locomoção.

Os engenheiros da obra se esqueceram de incluir rampas de acesso, em pelo menos, quatro trechos da via, inviabilizando a travessia de cadeirantes.  Orçado em R$ 3,6 milhões, o projeto de requalificação da avenida foi elaborado pela Prefeitura de Itabuna no ano passado e aprovado pelo Estado, que está fazendo os investimentos. Muita gente tem questionado também a qualidade do asfalto.

Trecho nas imediações do Estádio Itabunão|| Foto PIMENTA

O presidente da Associação Grapiúna do Paraplégico (AGP), Bruno Santana, disse ao PIMENTA que cobrou ao prefeito Augusto Castro, que prometeu resolver o problema durante a execução da segunda etapa da obra de requalificação. “Estive com Augusto Castro para reclamar dessa falha grave. Ele disse que, quando tomou posse, o projeto já estava pronto. Foi elaborado pelo governo anterior e que não tinha mais como modificá-lo. O prefeito se comprometeu corrigir as falhas”, conta.

Bruno informou ainda que a associação foi convidada a acompanhar o andamento da segunda etapa da obra de requalificação da Manoel Chaves. “Vamos fazer esse acompanhamento de perto para tentar evitar que essas falhas se repitam. O cadeirante depende de vias com acessibilidade para que possa se locomover”, frisou. Fundada em dezembro de 2000, a AGP possui 280 associados.

De acordo com o governo do estado, a obra de requalificação incluem a instalação de piso intertravado, compartilhado em parte concreto asfáltico, ciclovia, passeio, iluminação, substituição de meio-fio e colocação de iluminação de LED. Conforme projeto, as melhorias da via pública vai da Avenida Roberto Santos, no bairro Pedro Jerônimo, até o trevo da BR-101.

Uma resposta

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.