Efson Lima: do Alto do Coqueiro à Academia de Letras de Ilhéus
Tempo de leitura: < 1 minuto

O advogado, professor e escritor Efson Lima recebeu nesta quinta-feira (28) a indicação formal para a Academia de Letras de Ilhéus (ALI). Ele vai ocupar a cadeira número 40, que pertencia editor Gumercindo Rocha Dorea, fundador da Editora, que faleceu em fevereiro passado, aos 96 anos.

Mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal da Bahia, Efson Lima é autor do livro Textos Particulares e tem poemas publicados em diversas antologias. Coordena o Projeto Bardos Baianos no Litoral Sul e foi um dos criadores do Festival Literário do Sul da Bahia (Flisba). Na Secretaria de Trabalho, Emprego e Renda da Bahia (Setre), é coordenador de assistência técnica e inclusão sócio-produtiva dos 15 centros públicos de economia solidária do estado.

Após a indicação, Efson Lima, nascido em Itapé, relembrou a infância pobre em Ilhéus, quando morou no Alto do Coqueiro e no Basílio. Nessa época, trabalhava com a mãe na Feira do Malhado. Alimentava o hábito da leitura com os mesmos jornais que usava para embrulhar os litros de dendê do pequeno comércio. Assim, tornou-se leitor assíduo do jornal A Tarde, Correio, Diário de Ilhéus, Agora, Diário do Sul e A Região.

Feliz com o novo desafio, escreveu numa rede social que, com sua indicação, “o morro chegava à Academia”.

Uma resposta

  1. Gratidão, ao Pimenta, pela publicação da matéria. A matéria refletiu bastante sobre mim. Agradeço também o espaço que sempre me foi concedido para publicar diversas reflexões sobre a literatura e a região sul da Bahia. Obrigado!

    Efson Lima

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *