Para não ficar paraplégico, Valentin precisa de cirurgia orçada em R$ 520 mil || Instagram/Reprodução
Tempo de leitura: 2 minutos

O destino reservou a Valentin provações que o desafiam a fazer justiça ao significado do próprio nome. No ano passado, com apenas 2 anos e 9 meses de idade, ele foi diagnosticado com um tipo de câncer raro na coluna. O tumor maligno se espalhou pela região torácica a ponto de amassar os pulmões e desviar o coração e a traqueia do pequeno itabunense para a direita.

Clarissa Ávila, mãe de Valentin, explica que, até obter o diagnóstico do caso em São Paulo, a família levou a criança a hospitais em Itabuna e Salvador. Segundo ela, na cidade do sul da Bahia ele chegou a ser submetido a uma drenagem errada, que agravou seu estado de saúde e causou uma infecção bacteriana. Valentin precisou ser transferido às pressas para Salvador. A viagem na UTI aérea custou R$ 22.000,00 e não foi coberta pelo plano de saúde.

Após a primeira cirurgia na capital baiana, ele foi levado para a cidade de São Paulo, onde fez quimioterapia e radioterapia. Valentin venceu a batalha contra o câncer, mas com sequelas dolorosas. Na segunda cirurgia, os médicos retiraram três costelas do pequeno guerreiro, além de partes de três vértebras. A remoção óssea foi necessária, mas deixou sua coluna instável. Ele desenvolveu desvios posturais que acabaram por comprimir sua medula, o que implica em risco grave de perda dos movimentos das pernas.

Com dores lancinantes, Valentin tem dificuldade de se movimentar. Os dias de brincadeira e vivacidade foram substituídos por medicações que o deixam prostrado, a exemplo da morfina. Ver o neto nesse estado é o que mais abala a comerciante Léia Ávila, conforme relatou ao PIMENTA em conversa por telefone nesta sexta-feira (3). “Ele não tem mais a alegria de brincar, de correr, está bem paradinho”.

Agora, Valentin Ávila depende de uma terceira cirurgia para superar as dores e não ficar paraplégico. O único médico especialista habilitado para fazer o procedimento não pode ser pago por meio do plano de saúde. Com os recursos esgotados devido às despesas com viagens, hospedagem e tratamentos, a família de classe média constatou que não tem condições de pagar a cirurgia de descompressão medular – orçada em R$ 520.000,00 – lançou uma campanha para arrecadar doações. Clique aqui para acessar a página da Vakinha. Até o fechamento desta matéria, o valor arrecadado era de R$ 25.850,00.

Clarissa usa o perfil @ovalentevalentin para contar história do filho no Instagram

AVÓ DECIDE VENDER APARTAMENTO E MÓVEIS DE LOJA PARA AJUDAR VALENTIN

Além da campanha criada por Clarissa, Léia colocou o próprio apartamento à venda e decidiu usar o dinheiro das vendas da sua loja de móveis, a La Decor, no tratamento do Neto. O estabelecimento fica no Condomínio Cidadelle, em Itabuna.

Clarissa usa o Instagram para contar a história do filho, compartilhando informações sobre a campanha e a rotina da família na capital paulista. O nome do perfil é @ovalentevalentin.

Uma resposta

  1. Vamos ajudar o nosso Tintim ele é um garoto valente como o seu próprio nome já diz!
    Vc vai vencer nós acreditamos e torcemos por você meu amor. Tenho certeza que o universo estará conspirando ao seu favor sempre e nós
    também, te amamos muito!

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *