Veja os cuidados necessários com o óleo lubrificante do seu veículo
Tempo de leitura: 2 minutos

O óleo lubrificante tem funções específicas dentro de um motor, além de ser um item fundamental na longevidade de um propulsor, ele também carrega alguns mitos que precisamos evitar a disseminação.

AS QUATRO FUNÇÕES DO ÓLEO

LUBRIFICAÇÃO

Essa é a função primária. Por ação de trabalho, duas superfícies sólidas em movimento, uma contra a outra, sofrerão desgaste. Mas, com o uso do lubrificante adequado, ele se transforma numa película fina, e por meio dela há uma redução desse atrito. Isso faz com que os componentes durem por mais tempo.

REFRIGERAÇÃO

Nos motores a combustão interna, há o aquecimento das peças, e estas, em contato com o óleo, também aumentam a sua temperatura. Porém, ao passar pelo sistema de arrefecimento dele, ajuda a refrigerar e manter a temperatura dentro do propulsor.

LIMPEZA

As peças que estão em atrito geram partículas microscópicas, e estas são suspensas através do lubrificante, evitando que se acumulem na “zona de trabalho”. 

VEDAÇÃO

Pelo fato de o óleo ocupar o seu espaço dentro de um propulsor, ele acaba por evitar que entre sujeira. Então, ele se torna uma vedação.

O óleo precisa ser trocado periodicamente, de acordo com as recomendações do fabricante de cada veículo. Ao longo do tempo e do seu uso, ele vai perdendo a sua viscosidade e aderência com o calor do motor, tornando-o ineficiente.

Cada fabricante de veículo possui uma recomendação quanto ao tempo e/ou quilometragem para efetuar a troca e qual o tipo de óleo deve ser utilizado. Também há indicação da troca do filtro junto ao lubrificante. É ideal trocar sempre juntos para obter a melhor qualidade do óleo circulando no propulsor.

Um motor com falta de lubrificante ou com baixa viscosidade causa maior atrito, ocasionando o desgaste e até mesmo o seu travamento.

Um mito muito comum é que, com o passar do tempo, o carro vai colecionando “anos de vida”, e os vendedores de autopeças, mecânicos e os próprios donos de veículos queiram trocar o tipo de lubrificante recomendado pelo fabricante do motor. E isso está completamente errado.

Todo lubrificante tem a sua especificidade e variação de viscosidade – esta última é vista na própria embalagem do óleo. Por exemplo: 0w-20, 5w-30 e 20w-50. O primeiro número é a referência da viscosidade do lubrificante no momento da partida do motor, e o segundo, é a representação durante o funcionamento.

Quanto menor for a viscosidade, significa que há maior fluidez. Ou seja, o óleo percorre todo o sistema mais rapidamente – e isso dá maior vida útil. Mas não pense que, por isso, você deverá colocar um lubrificante menos viscoso no seu carro. Lembre-se que deverá ser colocado o indicado de fábrica, e esta informação constará no manual do seu veículo, e também, poderá ser solicitado na concessionária, através do número de chassi.

O lubrificante, enquanto na embalagem, não tem validade. Porém, ao ser colocado no motor, ele entra em contato com agentes contaminantes, e isso faz com que ele passe a valer por 6 meses. Então, o correto é trocá-lo ao atingir o km de uso recomendado pela fábrica ou ao atingir os 180 dias.

Fique sempre atento às revisões periódicas. Isso trará benefícios para o seu bolso – e, principalmente, para o seu veículo.

Ícaro Mota é consultor automotivo e diretor da I´CAR. A coluna é publicada às sextas-feiras.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.