Tempo de leitura: 2 minutos

No espetáculo Sonhos – o que restou de nós depois da tempestade, o Teatro Popular de Ilhéus (TPI) apresenta ao público momentos marcantes dos seus 26 anos de história, dividida em três elementos alegóricos: o museu, o voo e o sonho. Para transportar os artistas entre os espaços da narrativa, a peça resgata a carroça de Uma certa Mãe Coragem, espetáculo que o grupo ilheense lançou em 2019.

O espaço do museu reúne recortes de uma memória em processo de construção, com cenas, personagens, músicas, figurinos, adereços e falas iniciais de alguns dos mais importantes espetáculos do grupo, desde 1995, na voz dos atores e atrizes que viveram as personagens.

Já o voo é a representação alegórica da experiência do grupo na Tenda, a lona circense onde o TPI funcionou de 2013 a 2021, que caiu no dia 26 de agosto do ano passado, durante forte tempestade. Imagens de espetáculos, público e experiências debaixo da lona são apresentadas, até que o circo voa, deixando em seu terreno o que restou destes mais de 26 anos de reinvenção do Teatro Popular de Ilhéus.

De volta à carroça, o grupo voa para o sonho de construção de seu próprio espaço, que é erguido no bairro Pontal, em Ilhéus. Nesse ato, os artistas põem mãos à obra para construir seu lugar de afetos e sensibilidade, colocando na cena a memória recente da montagem de Sonho de uma noite de verão, interrompida pela pandemia de Covid-19.

A estreia do novo espetáculo será neste domingo (10), na cidade de Ipirá, em apresentação aberta ao público. Até 27 de abril, a trupe ilheense percorrerá oito cidades do sertão baiano, apresentando-se sempre em praças públicas. O circuito também inclui os municípios de Pintadas, Conceição do Coité, Serrinha, Capim Grosso, Euclides da Cunha, Canudos e Uauá. A programação completa da turnê será divulgada em breve.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.