Cidades veem custo da alimentação básica se aproximar de 50% do salário mínimo
Tempo de leitura: < 1 minuto

No mês passado, o custo da alimentação mínima sofreu aumento em Ilhéus e Itabuna, segundo dados do Acompanhamento de Custo de Cesta Básica (ACCB), projeto do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

No município litorâneo, em março, os 12 itens da cesta básica passaram a custar R$534,26, 1,26% a mais do que em fevereiro. O valor corresponde a 47,65% do salário mínimo líquido de R$1.121,10.

Dos 12 itens que compõem a cesta básica, oito produtos aumentaram de preço em Ilhéus: óleo (16,51%), tomate (6,26%), feijão (5,52%), manteiga (5,10%), arroz (4,71%), farinha (4,20%), leite (2,71%) e pão (0,98%). Diminuíram de preço: açúcar (-3,84), banana (-2,67%), carne (-2,21) e café (-0,43%).

Já em Itabuna, em março, a cesta básica chegou a R$539,56, 2,26% a mais na comparação com o mês anterior e o equivalente a 48,13% do salário mínimo líquido.

Dos 12 itens, 10 aumentaram de preço nas gôndolas itabunenses: óleo (20,32%), feijão (10,89%), arroz (6,55%), pão (4,93%), café (4,63%), tomate (4,40%), manteiga (3,79%), farinha (3,59%), açúcar (1,62%), leite (1,41%). Reduziram de preço os itens: banana (-5,40%) e carne (-0,23%).

A definição da quantidade de alimentos da cesta básica leva em consideração a necessidade de consumo de uma família com 4 pessoas.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.